Com lucro recorde da Petrobras, é escárnio derrubar imposto

Dê-se o “desconto” de que o primeiro ano da pandemia foi um tempo de petróleo barato (embora nem tanto a gasolina, o gás e o diesel) e é um exagero pensar que o lucro da Petrobras em 2021 -R$ 106,6 bilhões, contra R$ 7,1 bilhões em 2020 – tenha sido muito maior.

Mas 1.400% de aumento no lucro líquido é uma situação que não só torna a empresa uma extorsionista dos consumidores brasileiros como, descaradamente, uma vilã do processo inflacionário que acontece neste país.

Afinal, subir o preço nas bombas em 50%, em um ano, que nome merece?

Ainda mais quando se articula uma chantagem para tirar dos estados (e dos municípios, que têm grande participação no ICMS – parte de sua receita em tributos sobre o preço dos combustíveis.

A empresa produziu menos petróleo (-2,2%) mas ganhou muito mais na exportação do óleo bruto e dos derivados. Reduziu sua capacidade de refino e anunciou que pretende seguir na sua política de “desinvestimento”, isto é, na venda de “nacos” da empresa, como fez na sua privatização da sua rede lucrativíssima de postos (a BR Distribuidora) que construiu ao longo de cinco décadas de sucesso.

Só de venda de ativos, no último trimestre do ano, foram R$ 28 bilhões.

Dos lucro, R$ 101 bilhões serão distribuídos aos acionistas em dividendos A União fica com R$ 37 bilhões e os R$ 64 bilhões restantes são embolsados pelos acionistas privados, sem um centavo de impostos.

Como era mesmo a declaração “intervencionista” de Lula?

“Nós não vamos manter o preço da gasolina dolarizado. É importante que o acionista receba seus dividendos quando a Petrobras der lucro, mas eu não posso enriquecer o acionista e empobrecer a dona de casa que vai comprar um quilo de feijão e paga mais caro por causa da gasolina”

Que é isso, Lula? 1.400% a mais de lucro é “a mão invisível do mercado” tirando a parte dela…

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.