‘Covid superdimensionada’. Que não nos castigue a soberba…

A soberba costuma ter como castigo o verso de Billy Blanco que diz, “mais alto o coqueiro, maior é o tombo do coco afinal”.

Hoje, do alto de 151 mil mortes, Jair Bolsonaro diz que a pandemia, aqui, foi “superestimada”, muito embora ostentemos a segunda maior quantidade de mortes entre os países do mundo.

É a versão tupiniquim da “dancinha” de Donald Trump, ontem, zombando da Covid-19.

Como no início do ano, porém, os avisos estão chegando, enquanto os politiqueiros do vírus se rejubilam pela “vitória” contra a doença.

Na primeira escala do Sars Cov-2, a Europa, todos os países estão tomados de apreensão.

Neste outubro, o número de novos casos está batendo recordes na França, na Espanha, na Itália, na Polônia e até na disciplinadíssima Alemanha.

As barbas dos vizinhos estão em brasa e a moderadíssima Agência Reuters escreve que “Em pânico, Europa se prepara para segunda onda de Covid-19“, com o registro de mais de 100 mil casos novos nos últimos dias.

Perdemos, no final de janeiro, fevereiro e início de março a “janela” de oportunidade para tentar conter a pandemia por aqui e, talvez, estejamos na iminência de perder a “janela” de oportunidade que o atual decréscimo no numero de casos está nos proporcionando para organizar o funcionamento da vida com menos restrições mas também menos insânia.

Que nos é, infelizmente, fornecida diretamente de Brasília, todo santo dia.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *