CPI: já é hora de apontar os crimes de Bolsonaro.

Foram interessantes, como divulgação científica, os depoimentos do médico Cláudio Maierovitch e da microbiologista Natalia Pasternak.

Mas a verdade científica, a esta altura, está tão patente que é desnecessário repeti-la.

A questão é o quanto se manipulou a pandemia, com a omissão dos atos devidos de defesa da saúde da população: isolamento social, estímulo ao uso de máscaras e, sobretudo, desídia e procrastinação na compra de vacinas. Ainda, se e quanto representou em ganhos e vantagens, ainda que só sejam políticas, do que duvido e vários indícios apontam.

A CPI é política e só mesmo os negacionistas – e não negam por negar, mas com intenções evidentes – tentam desvirtuá-la em uma “escolinha do professor Raimundo” sobre fármacos.

Esta é a questão: o julgamento político do cumprimento ou descumprimento com os deveres do cargo pelo presidente da República, do ministro da Saúde e dos que, como autoridades sanitárias acumpliciaram a políticas que nos levaram à beira do meio milhão de mortos.

Por isso, o fato mais importante do dia foi a aprovação da formação de um grupo de juristas para cuida da tipificação e enquadramento dos crimes – de responsabilidade e de natureza penal.

Neste sentido, o requerimento do senador Alessandro Vieira (que deixou o Cidadania depois que o partido desistiu da ação no STF contra o chamado “orçamento secreto” do governo federal) é o ato concreto que se precisava tomar, de certa forma antecipando o que serão as conclusões do relatório da Comissão e que o país terá de pressionar a dolente Procuradoria Geral da República de Augusto Aras.

O resto é deixar que a escumalha governista siga brincando de “democracia na ciência”, como se pudéssemos decidir se a terra é redonda ou plana, com uma votação da plateia, como num programa do Chacrinha.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *