Crédito barato para empresas: sonegar direitos do trabalhador

O senhor Jair Bolsonaro diz que os direitos trabalhistas são um “peso no cangote” do empresariado.

E enquanto a atenção está voltada para suas encrencas políticas, planeja uma “inversão de cangote”, anuncia o Estadão.

Vai transformar dívida trabalhista numa forma de crédito barata para os maus empresários.

Como?

Hoje, as dívidas trabalhistas – isto é, o que tinha de ser pago de hora-extra e 13° salário, por exemplo, é corrigido pela inflação (IPCA) e 12 % ao ano. Isso resulta em algo como 16% anuais.

Paulo Guedes, diz o Estadão, prepara uma proposta para que se pague corrigida por IPCA + mais o juro da Caderneta de Poupança, o que levaria a correção a menos de 7 % ao ano.

Qualquer dívida civil cobrada judicialmente tem juros de mora de 1% ao mês, de acordo com o Código Civil, ou 12% ao ano. O mesmo percentual que seria aplicado a uma dívida trabalhista reconhecida na Justiça.

Ou seja, a correção das dívidas equivalia.

Como isso já é muito menos do que a taxa com que se obtém dinheiro no mercado, muita empresas se financiam sonegando direitos do trabalhador.

Vai ficar melhor ainda.

Entre pagar 30% ao mês numa linha de crédito de capital de giro e 7% ao desgraçado que ficou sem receber o salário, o que você acha que vai acontecer?

O que já acontece, quando o crédito trabalhista tem uma correção apenas inflacionária, porque o outro indexador, a TR, está zerada.

É isso a política deste governo para o trabalho: vilipendiá-lo em nome de uma retomada econômica que não acontece justo por isso: o trabalho e o salário foram feitos de vilões, ao contrário de solução que são para um país que pretenda crescer.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. Estou “contente” com essa notícia. Não, não a aprovo, é que o saco não está cheio, já estourou, de contemplar a passividade dos prejudicados, sindicatos, confederações, vacas de presépio contemplando a destruição sem qualquer reação. Talvez a dor venha fazer o cérebro funcionar.

  2. Só para contribuir um pouco: até a reforma trabalhista havia um debate sobre qual índice deveria prevalecer para corrigir o débito trabalhista, IPCA ou TR.

    Uma parcela dos juízes defendia a aplicação do IPCA e a outra dizia que deveria ser a TR porque não havia previsão legal para a adoção do IPCA (mais benéfica pro trabalhador) e a TR seria o indexador oficial desde o plano real.

    Então, o uso do IPCA não era regra e as grandes empresas sempre contestavam, levando a questão até o TST.

    A partir da reforma trabalhista (novembro/17), não existe mais dúvida, colocaram lá na espancada CLT (art.879, §7º) a TR como índice para correção monetária do crédito trabalhista.

    Quanto aos juros (enquanto não mudarem isso também) continua sendo 1% ao mês.

    Mas são (sempre foram) juros simples e não compostos como os juros bancários. Assim, se demorar 5 anos para a empregador pagar a dívida, ele pagará meros 60% de juros, enquanto que se fossem juros compostos seriam 81,7% (se fossem juros bancários… ).

  3. Quando parece que a maldade chegou a um ponto máximo, há mais maldade. Depois, ficam morrendo de medo de um ‘chile brasileiro’ e falam em AI-5. E têm razão, pois o povo brasileiro tem um histórico de resistência e luta. A menos que tenha desistido de tão cansado e resolva ir para o cadafalso para acabar com seu sofrimento, mais cedo ou mais tarde vai estourar.

    1. Desculpe, mas não o acho que o povo brasileiro tenha um passado de luta e resistência, uma parcela pequena da população tem sim este passado, mas a maioria do povo é indiferente ao que acontece, é um submisso, servil e covarde e este é um dos motivos de sermos o que somos perante o mundo: nada, e isso não é difícil de se ver, é só procurar e ver o que um brasileiro já fez para o bem da humanidade, como os americanos, goste-se deles ou não, já fizeram e fazem.

      1. O povo brasileiro não é covarde e é tão submisso quanto qualquer povo que sofreu desde o berço a educação de submissão de uma cultura de servilidade ou às falsas verdades dos meios de comunicação da Casa Grande. Por que insistem em difamar o povo? Por que insistem em falar que o brasileiro é congenitamente um vira latas? Temos uma direita sutil a fazer insistentemente um trabalho de tentar perpetuar a submissão e a incapacidade de indignação popular. Nenhum povo é submisso por natureza. Nenhum povo era mais submisso que o pobre povo russo antes da revolução que o tornou insubmisso até hoje.

  4. Estamos diante da filosofia daquele camponês que resolveu ir paulatinamente diminuindo a ração de seu burro, um pouquinho quase imperceptível em cada dia. Em breve tempo o burro morreu e o homem perdeu seu ganha pão.

  5. O cara acorda todo dia pensando o que fazer para prejudicar o povo trabalhador. Já já , ser trabalhador vai virar contravenção penal. Talvez crime….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *