Datafolha mostra erro da jogada marqueteira de Moro/Bolsonaro

Dezenas de trolls me deram trabalho nos comentários para reter a onda de bobagens que diziam sobre o fato de que “liberar geral” a posse de armas era “a vontade do povo” incontestável e maciça.

Só que não, mostra a pesquisa Datafolha publicada hoje, onde apenas um pouco mais de um terço das pessoas é favorável à posse sem restrições de armamento.

Mesmo entre os eleitores de Jair Bolsonaro, apenas uma ligeira maioria (53%) é favorável ao direito de possuir armas e menos ainda (39%) à facilitação do acesso a elas.

Além dos eleitores de Bolsonaro, em só um recorte as armas levam vantagem: entre os que ganham mais de dez salários mínimos.

Afinal, a grande maioria nem mesmo tem os cerca de R$ 3 mil necessários para comprar uma arma em lojas…

Ainda assim, pouca gente percebe o quanto há de mistificação nesta história, como se a compra de armas fosse terminantemente proibida.

Tanto não é que ela saltou 11 vezes (de 3 mil para 33 mil) em 15 anos, sem que isso provocasse nenhum resultado positivo nem na redução do número de mortos a bala (ao contrário) e sequer na sensação de segurança dos cidadãos.

O nome disso é, portanto, demagogia. Pior, duvidosa e perigosa e mortal, porque as vidas perdidas não se recuperarão.

Ao menos que nos poupem de comparações imbecis, como a feita pelo festejado “Golbery” de Bolsonaro, o general Augusto Heleno, que comparou a posse de armas à de automóveis, porque estes matam, em acidentes, tantos quantos morrem assassinados a bala.

Se voltássemos à época das carroças, ao menos não faltaria com quem puxá-las em Brasília.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

31 respostas

  1. definitivamente comparar carro com arma foi a jumentisse do ano

    eles que se cuidem pra não comer a farda achando que é capim

    1. Quando o Mourão falou que quer libertar o Brasil de amarras nos cascos para pular mais alto, dissemos “Opa!, aí está um nacionalista!”.

      Mas logo em seguida vem a pergunta: Quais são as amarras do Brasil? Não são outras, senão estas: – As obrigações com as políticas públicas de inclusão das populações marginais, as políticas de proteção social das minorias, os princípios trabalhistas de respeito ao lado mais fraco da produção, as regras ambientais, as normas de saúde pública que proíbem o uso de veneno nos alimentos, os princípios de soberania nacional e as regras constitucionais e legais de um judiciário independente e soberano… Libertar o cavalo de tudo isso, para quê? Para que ele trabalhe mais e melhor, para quem? Para servir aos brasileiros, ou para enriquecer os abutres internacionais e seus aliados da elite local, que estão se lixando para os brasileiros?

      E logo em seguida o homem diz que o maior ídolo popular de outro país, nosso vizinho, deveria ter sido assassinado, para acabar com o problema de seu país… Aí não, já passou longe de tudo o que é sensato. É ser de uma fidelidade absoluta à tradicional “linha dura” das Forças Armadas de antanho…

      1. O Maduro deve estar incluido nos 200.000 que eles prometem matar, além dos 30.000 citados por Bozoasno.

    1. Eles vão é jogar o Brasil num precipício, que causará muita dor e perdas para o povo brasileiro (incluindo os raivosos da classe média).

  2. Neste ultimo dia do ano, desejo a todos vocês ESPERANÇA. Não posso desejar feliz ano novo porque, lamentavelmente, até que a normalidade seja restabelecida e a verdade apareça este é o último dia de regime democrático no país. Desejo a todos vocês muita força e coragem para lutar. Vamos seguir em frente com ou sem democracia, com ou sem o amparo do direito.
    A você Brito, desejo, sobretudo, um pronto restabelecimento da saúde. Saiba que o pais precisa muito do seu trabalho. A você Lula agradeço tudo que você fez pelo Brasil.
    .

  3. Muito em breve, se as estatísticas não se adequarem ao desejo deles, eles as adequarão à força bruta, e ai de quem os desdisser. Será que esta insistência em liberar armas é uma maneira de querer armar a extrema direita civil? No fim, vamos ver leis que fogem ao princípio da universalidade, e que só alcancem algumas pessoas da população. Supostos “terroristas” serão proibidos de ter porte de armas. Será que esperam daí a morte dos que prometeram metralhar? Matar 200.000 “vagabundos” e 30.000 da “esquerdalha”, como pregaram, exigiria uma ajuda adicional de militantes da extrema direita?

    1. eles alegam que uma população sem armas fica à mercê do governo …

      sei não… pode ser tiro na testa

      1. Se eles alegam que a população sem armas fica a mercê do governo, então estão pregando que a “população” poderá pegar em armas “contra o governo”. Sendo que esta tal “população” certamente será apenas quem está do lado deles, e que este tal “governo” certamente não será o governo deles. Então… Será que estão preparando o fim de todo e qualquer resquício de democracia? O aprofundamento do regime de exceção? A criação de milícias de bairro para manter todo mundo sob o manto do Terror?

        1. mas é essa a burrice dessa gente
          eles mesmos se contradizem
          ou acham que os “de bens” jamais se virariam contra eles
          sei lá – essa gente não pensa

          e eu não duvido que esteja em vista uma possibilidade de termos um novo AI5 e uma ditadura pior que a anterior

        2. Milícias de bairro? Bom, como dizia o Garrincha: “já combinaram com os russos?”
          Milícia de bairro, hoje, é exercida por traficantes. E eles não usam trezoitão, usam armas pesadas. A questão é: eles aceitarão a concorrência?

        3. Aliás, uma das muitas falácias, em que os norte-americanos, inclusive, acreditam. É esse papo de poder portar armas para se precaver contra um possível governo tirano.

          Vá o cidadão usar “revolvins” e “fuzilzins” contra um governo estabelecido há mais de dois séculos com fortíssima habilidade tática.

          O resultado prático disso é que essas “joças” só servem para massacres em colegiais e campos universitários.

          1. pois é
            mas esse mesmo discurso existe na turma do MBL
            são gênios… fala sério!

  4. Coragem, companheiros. Resistamos, sempre, para que 31/12/2018 não fique registrado na História como o último amanhecer da Liberdade!

  5. “Se voltássemos à época das carroças, ao menos não faltaria com quem puxá-las em Brasília”, perfeito Brito!

  6. Jessé de Souza, sociólogo, tem dito que as leituras sobre a índole do brasileiro, desde sempre, estão erradas. Ele critica esse determinismo de o brasileiro ser do jeito que é, por causa da herança portuguesa. Sei não… Acho que não deve ser nem lá nem cá.

    Ora, se até jogar papel em via pública, dizem, é um hábito cultural herdado dos lusitanos, não vejo como apagar essa influência em outros comportamentos.

    “Ideologia, formação discursiva, assimilação…” tá, eu sei! Mas o brasileiro tem menosprezado tanto qualquer coisa que cheire à virtude, que eu tenho achado que há um quê de herança podre, ao menos em parte de nossa sociedade.

    Acho que é o caso de começarmos a pensar na possibilidade de uma psicopatia social.

  7. “Se voltássemos à época das carroças, ao menos não faltaria com quem puxá-las em Brasília.”
    A coisa é pior Brito: faltaria carroças.
    Estou pensando em mudar para Brasília e exercer a função de ferreiro. Do jeito que a coisa vai pode faltar ferraduras também.

  8. BRITO: desejo a você e sua família um feliz e próspero 2019. E que sua saúde esteja 100% para enfrentarmos tudo o que vier pela frente.

  9. Na lógica do gal. Heleno, o fato de existirem mortes em acidentes de automóvel é o bastante para legitimar a venda de armas.

    Dentro dessa mesma lógica, a venda de drogas, inclusive as mais pesadas, deveria ser legalizada. Afinal, as mortes são um mero fatalismo. Problema de quem as consome.

    A única questão no caso acima é que isso criaria conflito$ de intere$$e$ na política de “enxuga gelo” da $segurança pública, que drena boa parte dos impostos do cidadão para a compra de arma$, equipamento$ de $egurança dos PMs e sobretudo muniçõe$ que são gastas todos os anos que nem fogos de artifício. Sem falar no falso moralismo que precisa ser sustentado.

  10. Os anormais que surgiram após a impantação da IDIOCRACIA no Brasil, a partir de 2014, ainda não acertaram uma única medida.
    Certamente irão morrer “sapateiros”.

  11. Irmão de Bolsonaro, acusado de ser funcionário fantasma, é tratado como celebridade ao lado de Jair

    Publicado em 31 dezembro, 2018 – Do Estado de S. Paulo

    Acusado de ter sido funcionário fantasma, o comerciante Renato Bolsonaro, um dos irmãos do presidente eleito, foi tratado como celebridade na entrada da Granja do Torto, nesta segunda-feira (31). Ele saiu da Granja, onde está hospedado com o irmão e a família, apenas para cumprimentar os apoiadores do irmão. Renato passou pelo menos meia hora tirando fotos e gravando vídeos com bolsonaristas direcionados para diferentes Estados. Em certo momento, disse brincando que serviria como “genérico” do irmão, caso ele não possa conhecer os apoiadores pessoalmente. (…)

    Em 2016, Renato FOI EXONERADO do cargo de assessor especial parlamentar na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), após reportagem do canal SBT revelar que ele não aparecia para trabalhar, embora constasse como funcionário do gabinete do deputado estadual André do Prado (PR) POR TRÊS ANOS. O salário ERA DE R$ 17 MIL. Ao invés de comparecer para o expediente, de acordo com a reportagem, ele trabalhava em uma de suas lojas de imóveis.
    https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/irmao-de-bolsonaro-acusado-de-ser-funcionario-fantasma-e-tratado-como-celebridade-ao-lado-de-jair/

    1. Renato, Wal, Queiroz, mulher do Queiroz, filhas do Queiroz, ex-mulher de não sei quem… parece o filme Ghost – do outro lado da vida. Só que os da vida daqui depositam dinheiro na conta, né? É muito melhor. O filme do ano 2019 será “Eu sei o que você fez no verão passado”.

  12. Como sempre, o Fernando dando uma voadora nos imbecis no último parágrafo…
    A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, em diversas estatísticas divulgadas neste século, deixa claríssimo: reação a assalto tem um índice de sucesso de 6%… e isso vale mesmo para PMs treinados. Por quê? Oras, a vantagem NUNCA é a arma. A vantagem é a SURPRESA. O bandido sabe disso, só quem não sabe é o eleitor do Bolsonaro, por motivos óbvios. Mesmo um caco de vidro derrota uma pessoa armada e treinada, porque a surpresa permite que o atacante zere as chances de reação da vítima. A solução para acabar com a violência? Não tem mistério, basta cruzar os rankings da violência mundial com o índice GINI dos paises. É clarissimo: quanto menor a desigualdade socioeconômica, menor a violência. Ponto. E os EUA, apesar de parecerem fora da curva, são na verdade o país desenvolvido mais desigual, o que explica suas 30 mil mortes violentas ao ano. Sem mistérios aqui.

  13. COM TODO O RESPEITO O BOLSOMIJO DISPENSA COMENTÁRIOS TAL SUA IMBECIBILIDADE TOTAL QUE COISINHA NÃO SEI SE DEVO RIR OU CHORAR KKKKKKKK

  14. Não importa o que digamos, ele tem apoio popular, muito apoio e isso o manterá por não sei quanto tempo. Uma população que ainda o defende diante de todos os discursos feitos, diante das demonstrações de corrupção, diante do discurso de fim dos direitos trabalhistas e previdenciários não o abandonará por pouco. Será preciso um lixão completamente cheio e exposto a céu aberto para sensibilizá-los. O anestésico aplicado o foi em dose “elefantar”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.