Datena estreia a política do ‘malandro-agulha’

Havia, tempos atrás, no Rio, uma gíria que usava a expressão ‘malandro-agulha’ para definir o sujeito que achava que ninguém percebia a sua “esperteza”. Acabou virando música do Zeca Pagodinho: “se eu pudesse eu parava de fingir, mas garanto que ia me dar mal”.

Parece que o paulista José Luiz Datena, por enquanto candidato a senador, pegou essa carona carioca e, depois do Datafolha mostrar que a crise econômica está afundando Bolsonaro, saiu disparando contra a política econômica do governo e contra Paulo Guedes.

É o que reporta a coluna de Guilherme Amado, no Metrópoles:

“Há coisas no governo que eu elogio, mas a política econômica do Paulo Guedes não me agrada. Tem que ajudar mais o povo. Tem que ajudar com obras, para gerar empregos, colocar comida no prato das pessoas e investir tudo o que puder em Saúde e Educação. Tem que raspar o tacho para salvar o povo. Investir em programas sociais. É inconcebível um plano de governo que não faça isso”.

E saiu-se com uma pérola: gosta de Bolsonaro “como pessoa física”. Portanto, quer se descolar do “pessoa jurídica”?

A não ser que ele esteja, como fez com o ex-ministro da Saúde, Luiz Mandetta, sugerindo que o presidente “dê uma bica” no Ministro da Economia.

É por isso que Datena não se “vende” eleitoralmente com garantia, diz o que lhe for mais adequado (ou que ele acha que seja) para tentar se eleger e desdiz no dia seguinte. Ou como diz Pagodinho: “ando atrás desse tal de meu espaço / Vou abrir nessa praia um sol pra mim / Tem pedaço que é meu no teu pudim”.

Bom malandro, se sentir que não dá, “rapa fora”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.