O ‘dia seguinte’ de Bolsonaro

O impacto avassalador da pesquisa Datafolha conseguiu mudar até a live das quintas-feiras de Jair Bolsonaro, um rito “sagrado” para o atual presidente, encontro marcado com sua turma de fanático nas quais as alimenta de ódio e argumentos estapafúrdios.

Transferida para hoje, será o mais evidente indicativo de como ele pretende agir depois do bombardeio com que os números atingiram seu acampamento eleitoral e, ao lado, a “barraca do golpe”, arma nem tão secreta com que contava para reverter a batalha difícil.

Está claríssimo que não lhe há outra saída, num primeiro momento, senão o de questionar a veracidade da pesquisa e de seus autores, empurrando para a Folha e para a Globo a autoria de resultados mais que indesejáveis, mortais para suas pretensões.

Mas não é tão claro o que fará no momento seguinte: se procurar dar-se outra demão de verniz de moderação fake ou se adotará um comportamento de fúria partindo, como certos jogadores de futebol quando estão sendo derrotados, para botinadas e agressões.

A folha corrida do personagem, claro, torna mais provável a segunda hipótese, mas o arsenal de truques está escasso.

À falta de outro providencial agressor, o mais provável é que ele parta para mais irresponsabilidades na economia, que ainda servirão, quando nada, para criar dificuldades a seu sucessor, mesmo que sejam travadas, e que alimentem o discurso cansativo do “eu não consigo fazer nada porque não deixam”.

Mas, internamente, sua campanha tende a escorregar para um cenário de suspeitas de traição e cobranças por incompetência sobre seus “generais políticos” do Centrão e dos “pastores big”, que não lhe deram os resultados esperados, no Nordeste e entre os evangélicos. Com orçamentos secretos e favorecimentos generalizados, Bolsonaro põe-se na posição de quem “pagou, mas não levou”.

Do lado de Lula, a hora é a de ocupar territórios onde há pânico com o que pode ser o anúncio de um desastre eleitoral para candidatos a governador, senador e deputados governistas pero no mucho, que enxergam a onda já formada no Datafolha e vivem o medo de serem afogados por ela.

Ainda há espaço que saiam por “corredores humanitários”, mas este vão está ficando apertado.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email