De novo, cortar sem dizer de onde. Para destruir o Estado

Paulo Guedes disse hoje que “metade dos servidores públicos federais vai se aposentar nos próximos cinco anos” e que sua intenção é não preencher as vagas, “apostando na digitalização” dos serviços.

É uma soma de burrice com mistificação que não tem amparo nos números da administração, me política econômica e nem mesmo na qualidade dos serviços prestados.

O Brasil tem hoje menos funcionários públicos federais do que tinha no governo Collor: no final de 2018, 626 mil ativos, contra 662 mil em 1991.

O que cresceu, como é óbvio, é o número de aposentados e pensionistas o que, com a reforma de Guedes, crescerá mais rapidamente.

A população, então, era de 150 milhões de pessoas; hoje são 210 milhões, um crescimento de 40%, o que quer dizer, portanto, uma redução de  mais de 40% no número de funcionários federais por habitante.

E quase nada perto da grande maioria dos demais países do mundo.

Quais são os funcionários que o Dr. Guedes quer “digitalizar”?

Os 70 mil professores do ensino superior de universidades federais, quase 10% do total de servidores?

Os milhares de médicos, enfermeiros e agentes de saúde dos serviços federais ou do “Mais Médicos”?

Os fiscais de meio-ambiente, vigilância sanitária, agropecuários, de trabalho, da receita?

Ou será que parte dos 13 mil policiais federais pode ser cancelada?

Mesmo, é claro, pretender cortar a metade dos funcionários não quer dizer economia, mas, sim, a contratação de terceirizados, com imensos lucros para os agenciadores de mão de obra.

O desmonte do Estado e a privatização dos serviços públicos nem mais são camuflados.

E como sem estado não há nação, a liquidação do Brasil.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. O Brasil, como qualquer país, tem desafios complexos.

    Não será com esse papinho tosco dos pernósticos que cruzam as pernas nos sofás da Globonews (tem que fazer que nem uma família, gastar menos que ganha) que iremos chegar a algum lugar.

    A ciência econômica é para que?

  2. Privatização dos serviços públicos…
    Isso sim vai multiplicar por dez os gastos com os serviços públicos.
    Empresas terceirizadoras de políticos e laranjas, dando orçamentos combinados, muito acima do preço real.
    Os funcionários a serem contratados serão os indicados pelos políticos no poder, para os cargos e pelos salários previamente combinados entre o político e seu cúmplice na terceirizadora.
    Serviços mal feitos e tudo quanto é tipo de pretexto para cobrar acima do orçado.
    E os vestígios da corrupção e da malversação dos recursos públicos vão ser praticamente inatingíveis.
    Os terceirizados, ao contrário dos funcionários públicos, não têm vínculos com o serviço e nem estabilidade. Se alguma coisa vier a tona, eles desaparecem do mapa, levando todos os documentos. E jamais vão testemunhar contra os políticos.
    E, é claro, isso sim levará a um projeto de permanência no poder dos partidos políticos.
    E isso é só o superficial. Incontáveis outras falcatruas serão montadas para desviar recursos públicos.
    Um dos motivos dos países desenvolvidos terem percentualmente mais funcionários que o Brasil é saberem que a execução dos serviços pelo funcionalismo concursado é melhor, mais barata e menos partidarizada.
    Isso, sem contar que os funcionários públicos, graças à estabilidade no emprego, representam uma importantíssima fatia de consumo de bens e serviços na economia de todas as regiões.
    Sem eles, a concentração de renda vai aumentar muito mais, já que as funções mais caras serão preenchidas nas terceirizadoras por pessoas menos qualificadas e já pertencentes às classes mais abastadas.

  3. O presidente do Banco do Brasil disse que é a favor da privatização do Banco do Brasil! . Quando estes vermes e canallhas serão fuzilados. A esquerda brasileira é muito mole!
    É preciso pregar o assassinato destes golpistas urgente. Eu juro que depor estes vermes fascista eu pego em armas! A constituição foi rasgada a tempo, portanto pegar em armas é normal. Alô PT ???

  4. As ideias do Sr Guedes não vão longe por serem estapafúrdias demais. Como só conhece o sistema bancário, não tem noção do que são serviços públicos.

    1. Segundo o ex-senador Eunício Oliveira, Guedes não conhece sequer como é feito o orçamento federal…

  5. FORA DE PAUTA—

    https://blogdacidadania.com.br/2019/03/dodge-enquadra-lava-jato-e-procuradores-de-sua-equipe-pedem-demissao/

    Os procuradorzinhos bêbados do poder farsajatense querem dar um golpe na sua chefia.
    Teremos que fazer uma limpa nessa turma ,ao fim de contas eles estão apoiando aos QUADRILHEIROS CURITIBANOS em sua intenção de ser os “vigilantes morais” da Nação ,curiosamente cometendo o crime de se apropriar de dinheiro PÚBLICO..
    Quero é que essa turma de coxinhas GOLPISTAS e arrogantes se exploda !!!!

  6. Ah, os concurseiros que vestiram a amarelinha e juraram que as vacas concursais seriam gordas. Ah, os sites de venda (extorsão) de materiais que vibraram com Bozo e acreditaram que seriam anos dourados para os concursos públicos. A todos os patos amarelos, um efusivo abraço! Tomou?

    1. Infelizmente sou obrigada a concordar. Nada mais triste do que ver colega servidor chamar a própria repartição de “cabide de emprego” (mas nenhum larga o osso!)…

  7. O pior é que há mesmo chances de haver uma “digitalização” massiva nos serviços públicos, pois campeia na nossa sociedade um fetichismo tecnológico que é vendido como “modernidade”. Haja vista o que vimos em discussões recentes, como o ensino a distância (com redução do número de professores presenciais) e telemedicina (com menor exigência de profissionais assistenciais, notadamente nas áreas mais pobres e carentes). Sem contar o discurso da inutilidade de fiscais, estes “profissionais das multas” das mais diversas agências de regulação, que devem ser extintas para não “atrapalhar os negócios e o país”. Chama mais a atenção é o silêncio sobre o que realmente deveria ser discutido diante de tais propostas: a qualidade dos serviços essenciais prestados à população, claramente inferior no atendimento artificial de um algoritmo de computadores, e quem vai lucrar com tal mudança de paradigma, o verdadeiro tema-tabu. Afinal, menos gente para pagar concentra o lucro nas mãos de poucos proprietários de tecnologia digital. Algum estudo sério sobre isto?

  8. A pesar de tudo que foi descrito com o desmanche do estado social e da responsabilidade do estado . É ele achar que vai ficar 5 anos ou com expectativa disso no comando da economia do país . ” Pé de pato mangalô três veis ” , batento na madeira , etc, etc, .

  9. Está faltando parte do texto no décimo segundo parágrafo. Fora isso, melhor análise jornalística do Brasil.

  10. Com todo respeito , esse Paulo Guedes é um imbecil, e pior, mal intencionado. Esses imbecis liberais, acham que uma nação, tem que ser gerida como uma empresa. Se estudou em Chicago, não soube nem sabe, que lá, existem muitas estatais e servidores públicos . Só que eles sempre venderam : façam o que eu digo mas não façam o que eu faço.

  11. É que essa camarilha, fica de quatro para os americanos. Se estudassem as mawuinas públicas, alemã, inglesa , francesa, só para citar essas tres nações, iriam saber o quanto elas são grandes, e o quanto ajudam suas nações serem. É a falácia mais imbecil do neoliberalismo; achar que o estado deve ser fraco.

  12. Parabéns pela análise Brito!
    No órgão estadual em que trabalho metade dos procedimentos não são regulamentados. Como automatiza-lós se os atos não são formalmentes definidos???
    Aqui tem processos digitalizados (= scaneados) e digitais (com falhas). Sem explicar como serão digitalizados, vão ter serviços digitais cheios de falhas e superfaturados!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.