Delegado, capitão, coronel…O partido da polícia foi mal nas eleições

Segundo as pesquisas, nenhum deles será eleito.

Mas é preciso que o país reflita sobre o que militares e policiais estão fazendo para transformar o poder político em área sob seu controle.

Em 14 das 27 capitais brasileiras, 18 delegados, coronéis, majores e capitães apresentaram-se como candidatos aos governos municipais. Compare: que usassem o título de “professor”, em todas as capitais, havia apenas dois.

E, quase em todos os casos, representando partidos de extrema-direita, com o discurso da ordem, da moralidade e da repressão.

Otoridades.

Felizmente, desta vez, sem o sucesso do aventureiro juiz Wilson Witzel, que ganhou o governo do Rio de Janeiro apadrinhado pelos filhos de Jair Bolsonaro e deu no desastre que deu.

Apenas dois foram ao segundo turno – o Delegado Eguchi, em Belém, e o Capitão Wagner, PM amotinado de Fortaleza – e estão atrás nas pesquisas finais.

Ainda bem que o resultado ajuda a que se aprove a emenda constitucional que estende o prazo de desincompatibilização para que juízes, promotores e policiais possam se candidatar a cargos eletivos.

O uso da máquina repressiva com finalidades eleitorais, que virou moda no Brasil, é um câncer para a democracia.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.