Desde quando dar um número de telefone é crime?

O “auê” em torno do fato de que a ex-deputada Manuela Dávila deu o contato de Glenn Grenwald a alguém que se dizia possuidor de informações relevantes é apenas a exploração política vazia de quem não pode responder ao conteúdo das mensagens tornadas públicas pela “Vaza Jato”.

Qual é o crime de dar o número de um Telegram ou Whatsapp de alguém?

Manuela não procurou o hacker, foi procurada por ele e repassou o contato a um jornalista, qual o problema?

Se tivesse repassado o telefone deste modesto blogueiro – que nem Telegram tem – eu teria entrado em contato do mesmo jeito e mergulhado nos arquivos para confirmar sua veracidade, exatamente como o The Intercept fez.

O que esperavam que um jornalista fizesse? Dissesse “ai, meu Deus, é sobre o Sérgio Moro, não quero não, é heresia?”

Se há informação e é possível aferir se a informação corresponde à realidade, é jornalismo.

O resto é antagonismo.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. Continuamos teorizando sobre a narrativa deles.
    Ainda não ouví o que Manoela tem a dizer.
    As fontes neste caso ,A PF DE MORO E ESSA OPERAÇÃO TABAJARA DOS HACKERS, NÃO MERECE O MÍNIMO CRÉDITO. ,

  2. Antes de ser política, Manuela é jornalista. Ponto. O hacker a procurou por ela ser jornalista e pelo assunto ser grave e de interesse público, e, também, político, é claro!. E daí? Manuela apenas repassou o número de um jornalista fera para fazer as denúncias.Agora vem a pergunta que não se cala nem a poder de reza: tendo conhecimento de fatos graves envolvendo a coisa pública, e que afeta o espectro político o qual abraça, sendo que um ex-presidente da república – idoso e que fez muito por esse país – está preso injustamente e , ainda por cima, foi tirado a fórceps da corrida presidencial, tinha ela o dever legal de ser omissa quando podia fazer alguma coisa? Ou, inclusive, na qualidade de jornalista tinha ela que fazer exatamente o contrário? Que eu saiba Manuela, diferentemente de Moro e Deltan – que têm algo a esconder – não negou o fato e ainda abriu seu sigilo. Ponto final. Manuela é ética. Moro e Deltan não são. Parabéns Manuela. No seu lugar eu teria feito a mesmíssima coisa. Você tem brilho próprio. Brilho não faz mal a ninguém. Falta muito para uma Tábata chegar aos seus pés.

  3. A propósito, será que eu entendi bem? O Fux era Presidente do TSE e estava dando palestra para investidores em sigilo em pleno período eleitoral? É isso mesmo? Não é a toa que depois de ignorar os abusos da Lava-jato – responsável pela prisão sem provas do líder da esquerda, favorito absoluto para eleição presidencial – , ele – Fux – cassou a liminar de um dos seus pares para impedir jornalista da Folha de São Paulo de entrevista-lo. Ora, o digníssimo ministro pode torcer para o espectro político que quiser. Mas como integrante da corte suprema, e especialmente, como presidente do TSE, não podia ter usado o cargo para beneficiar nenhum lado do espectro político, quanto mais o de seu apreço. Não podia como juiz que estava apitando o jogo marcar um pênalti fora da área para beneficiar seu time, no caso, eleitoral. A verdade é que Moro conspirou contra Lula. O TRF conspirou contra Lula. A câmara de gás do STF conspirou contra Lula. E Fux ,na direção do TSE, conspirou contra Lula. Em suma, o Poder Judiciário das três instâncias conspirou contra Lula. De fato, Jucá tinha razão: O troço era “com o supremo e tudo”. E depois ainda tem gente achando que Manuela não podia ter passado o telefone de um colega de profissão retado para ‘denunciar isso tudo daí’. Então tá.

  4. Há muito tempo só leio as matérias do Fernando Brito, jornalista que admiro muito. Mas ficou impossível não comentar o fecho da matéria acima: final de mestre. Toda a ironia(Sobre a hipocrisia atual) numa única frase.

    “Se há informação e é possível aferir se a informação corresponde à realidade, é jornalismo.

    O resto é Antagonismo”.
    O a maiúsculo foi por minha conta.

    PARABÉNS!

  5. Se for verdade, ela ganhou pontos comigo. Pelo menos ela está fazendo alguma coisa contra o Golpe. Ao contrário de membros da Esquerda, que estão pecando pela passividade. Um exemplo José Cardozo , Não fez nada contra a Lei da Fixa limpa, não barrou o golpe judicial quando era ministro da justiça, não ganhou uma defendendo Dilma como advogado e ainda aconselhou lula a se entregar.

  6. ESQUECERAM O MAIS IMPORTANTE: MANUELA D’ÁVILA TAMBÉM É JORNALISTA… E ESTÁ AO ABRIGO DA LEI, ASSIM COMO GLENN GREENWALD!
    A CONVERSA MORRE AQUI – E, VAMOS À VACA FRIA – AOS ARQUIVOS GLENN GREENWALD!
    TODO DIA, TODA HORA, TODO MINUTO, TODO SEGUNDO, NÓS SÓ PENSAMOS E QUEREMOS MAIS LEAK’S!
    VAZA MAIS GLENN!

  7. A Manuela agiu mais do que corretamente, fornecendo o contato de alguém com poder para repercutir a canalhice de que agora temos ciência em um nível internacional: uma Justiça e um Ministério Público patifes – Fux, Moro e Dallagnol, que canalhas abjetos, verdadeiros bandidos acobertados pelo poder da autoridade pública!

  8. Duvido ainda que a fonte tenha sido esse “ráquer” russo de Araraquara. Seria o primeiro hacker da História que sabe fazer spoof de número de telefone e não de IP, além de ter conta em rede social com nome, sobrenome e foto reais e públicos… quem contatou Manuela, quem quer que seja, não é ele. Tudo isso é um blefe, um bait de Moro.

  9. O hacker que entrou em contato com Manu é da NSA, ou será casualidade o Telegram dela ter sido invadido desde a Virgínia (USA), terra da CIA, onde o Moro andou indo junto com o Dudu, nosso futuro embaixador nos States?…

  10. O contato da Manoela não é crime, é o álibi da farsa dos picaretas-hackers. Certamente o GSI, ai hackeou mesmo o contato dela com o Glenn em maio para dar ar de verdade a narrativa dos meganhas.

  11. A situação em tela é igual ao caso do jornalista Mauro Naves da TV Globo, quando repassou para um advogado o numero do telefone do pai do jogador Neimar Jr, propiciando ao causídico, que defendia uma moça que denunciou o jogador por estupro, tratativas de um acordo que encerrasse a tal denúncia de crime. Após ser descoberto que intermediou, o jornalista Mauro Naves foi afastado pela emissora por entender que ele não foi ético, contudo em momento algum a emissora, a Polícia ou a Justiça cogitaram a pratica de crime por parte do jornalista, sendo oportuno lembrar que o crime de estupro tem pena muito maior, do que a de violação sigilo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.