Dilma: Miriam faz um sincericídio tardio sobre o golpe de 16

Hoje, em O Globo, Miriam Leitão diz que “não foi um golpe” a derrubada de Dilma Roussef em 2106, mas que ocorreu por um quadro de recessão, inflação, crise e desemprego que “derrubou sua popularidade e ela não teve sustentação política.” Deixa claro, mas não tem a coragem de dizer, que os supostos crimes de responsabilidade fiscal – as famosas e improvadas “pedaladas” – foram um mero artifício para dar cabo, politicamente, da curriola política a quem Dilma jamais desceu pela goela.

A partir daí, tenta traçar um paralelo com a situação de Bolsonaro hoje mas, ainda que admitindo que a manutenção dele no Governo fará aquele impeachment “parecerá e terá sido injusto”.

Ora, o impeachment, embora seja um julgamento político, não prescinde da materialidade do crime de responsabilidade. No caso das ditas “pedaladas fiscais”, jamais se caracterizaram e foram mero pretexto, No caso de Jair Bolsonaro, está materializado em 217 mil mortos da pandemia, no sofrimento indescritível dos que morreram sem ar em Manaus e, infelizmente, nos muitos mais que morrerão pelo retardo injustificável de um programa de vacinação.

Miriam Leitão não pode apagar ter
escolhido o lado errado da História

Dilma Rousseff

Miriam Leitão comete sincericídio tardio em sua coluna no Globo de hoje (24 de janeiro), ao admitir que o impeachment que me derrubou foi ilegal e, portanto, injusto, porque, segundo ela, motivado pela situação da economia brasileira e pela queda da minha popularidade. Sabidamente, crises econômicas e maus resultados em pesquisas de opinião não estão previstos na Constituição como justificativas legais para impeachment. Miriam Leitão sabe disso, mas finge ignorar. Sabia disso, na época, mas atuou como uma das principais porta vozes da defesa de um impeachment que, sem comprovação de crime de responsabilidade, foi um golpe de estado.

Agora, Miriam Leitão, aplicando uma lógica aburda, pois baseada em analogia sem fundamento legal e factual, diz que se Bolsonaro “permanecer intocado e com seu mandato até o fim, a história será reescrita naturalmente. O impeachment da presidente Dilma parecerá injusto e terá sido.” O impeachment de Bolsonaro deveria ser, entre outros crimes, por genocídio, devido ao negacionismo diante da Covid-19, que levou brasileiros à morte até por falta de oxigênio hospitalar, e por descaso em providenciar vacinas.

O golpe de 2016, que levou ao meu impeachment, foi liderado por políticos sabidamente corruptos, defendidos pela mídia e tolerados pelo Judiciário. Um golpe que usou como pretexto medidas fiscais rotineiras de governo idênticas às que meus antecessores haviam adotado e meus sucessores continuaram adotando. Naquela época, muitos colunistas, como Miriam Leitão, escolheram o lado errado da história, e agora tentam se justificar. Tarde demais: a história de 2016 já está escrita. A relação entre os dois processos não é análoga, mas de causa e efeito. Com o golpe de 2016, nasceu o ovo da serpente que resultou em Bolsonaro e na tragédia que o Brasil vive hoje, da qual foram cúmplices Miriam Leitão e seus patrões da Globo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *