Direito da Embraer na “sociedade” com a Boeing é só o de olhar a reuniões

Saudada como “joint venture”, parceria, sociedade, a nova Embraer, agora de propriedade da Boeing, reservou um papel  ridículo à empresa original.

Não terá nenhum diretor, apenas poderá colocar um “observador”, sem direito a voto, no Conselho da “NewCo”, como se rebatizará a Embraer, claro que antes de ela se tornar um mero setor de jatos médios da gigante americana.

E mesmo este observador, segundo publica hoje o Valor, poderá ter restringido o acesso  a “materiais ou reuniões que possam comprometer a confidencialidade jurídica, que resultem em segredos de negócios ou que possam configurar conflito de interesses “.

Este foi, aliás, o principal ponto em que se apoiou a decisão judicial que havia travado o acordo, depois derrubada, a pedido do governo brasileiro, no Tribunal Regional Federal da 3a. Região.

Na empresa que ficará com o segmento militar, com 51% da antiga Embraer, ela pode indicar até quatro dos cinco diretores, menos um, adivinhe, o financeiro. Ou seja, quem cuida do dinheiro é a Boeing.

Chega a dar medo que este negócio tenha sido aceito pelo governo que mais tem militares em seu ministério, mais até que o regime de 1964.

Se é isso o que chamam de defender seu país, valha-nos Deus…

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. A milicalha de hoje, pelo menos a que ocupa os comandos das FFAA, é muito mais carreirista, mercenária, vira-lata e entreguista do que aquela que, sob o comando do Deep State estadunidense, aplicou o golpe de 1964, em parceria com as oligarquias podres de Pindorama e os donos da bufunfa, quase todos do exterior, mas também seus feitores na terra brasílis.

  2. -Chega a dar medo que este negócio tenha sido aceito pelo governo que mais tem militares em seu ministério, mais até que o regime de 1964.—-
    Continuo sem entender o porque da surpresa com o comportamento dos fardados.
    Pessoalmente ,pela minha experiência de vida,o histórico deles ,nada espero ,a não ser ações contra os interesses do POVO BRASILEIRO.

  3. Não existe patriotismo no Brasil a muito tempo. Acho que nem os de 1964 eram tão patriotas assim. Só existe um bando de oligarcas e seus asseclas.

  4. A História mostra que o primeiro comandante das FAAs brasileiras foi um inglês, pago a peso de ouro por Pedro I. A merda vem desde a corja do Império….

  5. Está em curso a “black friday Brasil”….Aqui na região onde moro (e onde fica a Embraer), muita gente que votou no atual presidente começa a descambar para o arrependimento (alguns envergonhados). O clima de decepção e de receio paira no ar….Triste e tarde demais.

  6. Isso terá consequências desastrosas para a engenharia aeronautica e aeroespacial brasileira. Para os engenheiros sobrará as companhias aéreas para trabalhar na manutenção dos aviões.
    Se na Embraer defesa o diretor financeiro será da Boeing, então, deduzo que a americana não vai liberar muita grana para desenvolver aviões de defesa. Será liberado o dindin a contragotas. E aposto que o Avião Gripen sueco, da saab scania se não me engano, subiu no telhado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *