Distrair a atenção, o método político de Jair Bolsonaro

Não é preciso gastar bytes com a questão da ordem de Jair Bolsonaro para que nos quartéis se comemore, a 31 de março, o golpe de l° de abril.

Os militares nunca deixaram de fazê-lo, até porque não existe –  senão com a dissolução das antigas estruturas de Estado, como na Alemanha do pós guerra – “autocrítica explícita”  em instituições que buscam se preservar ao longo do tempo, mas processos de depuração gradual.

A questão é que os militares, outra vez, estão servindo de bucha de canhão política para os interesses de Bolsonaro.

É nítido que, ao estimular “comemorações” mais agressivas dos chefes militares, ele quer, indiretamente, acenar com a sua “força nas casernas” para conter a rebeldia que vem encontrando, crescentemente, nas instituições políticas civis.

É a versão militar de ameaça civil que se faz com aquele famoso “se não tiver reforma, você vai ficar sem receber seus proventos todo mês”.

“Se não houver capitulação do Congresso ante os desejos do chefe, vocês vão ter de aceitar um regime militarizado”.

Ocorre, porém, que o mundo é diferente daquele dos anos 60, no qual a eliminação da democracia formal – ou de parte dela – era “aceitável” frente ao dever de “deter  o comunismo”.

“O comunismo, ateu e apátrida, que de maneira solete e soez, tenta solapar a base de nossas instituições”, cansei eu de ouvir a voz monocórdia de Ernesto Geisel repetir na TV, no 31 de março.

E ocorre também que dificilmente os chefes militares estarão dispostos a dar tamanho aval a um homem cujos planos de poder contêm situações estranhas, onde percebem desequilíbrio mental e ligações com o submundo das milícias.

Bolsonaro, para variar, usa o Exército como arma de seus interesses políticos. E se o nosso Exército não perceber isso, vai entrar de gaiato no navio.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

9 respostas

  1. HOJE É 26 DE MARÇO E NOS FOI DITO QUE O CASO DE LULA TERIA A PALAVRA DA ONU.
    EM CINCO DIAS OS VELHOS DECRÉPITOS PLANEJAM FESTEJAR TRIPUDIANDO DA LIBERDADE RINDO DOS PRESOS,TORTURADOS,ESTUPRADOS E ASSASSINADOS SOB SUA INFAME E CRUEL DITADURA,FESTEJANDO A DOR DE MILHARES DE MÃES E PAIS QUE POR ELES CHORARAM E MUITOS SEQUER PUDERAM ENTERRA-LOS.
    AVISEM AO PSICOPATA CAGÃO QUE TERÁ DE MATAR NÃO TRINTA MIL MAS TRINTA MILHÕES.
    AVISEM AOS VELHOS ENTREVADOS DAS FORÇAS ARMADAS QUE SUAS BALAS NÃO SERÃO SUFICIENTES,SUAS PRISÕES NÃO NOS CABERÃO A TODOS.
    NÃO MEXAM COM OS AMANTES DA LIBERDADE,OS PROMOTORES DA PAZ QUE LUTAM POR JUSTIÇA E IGUALDADE DELES SE DIFERENCIAM POIS NÃO TEMEM A MORTE.
    LULA LIVRE OU TERÃO UMA CRISE QUE JAMAIS IMAGINARAM!

  2. Como disse o Rodrigo Chequer, o “marxismo cultural” só será considerado uma séria ameaça ao Brasil no dia em que forem encontrados 117 fuzis na casa dele.

  3. O exército não entrou de gaiato no navio. A banda podre das forças entrou, com olhos gordos e bocas salivantes de olho no prêmio de que sentem saudades nos anos de chumbo

  4. Quando Bolsonaro se refere a ” velha forma de fazer política ” , significa que, ele pretende, desde o início de seu governo, fechar o congresso, com apoio dos militares e radicais de extrema direita. Bolsonaro pretende instalar no Brasil um reino, onde ele será o rei.

  5. ——–Bolsonaro, para variar, usa o Exército como arma de seus interesses políticos. E se o nosso Exército não perceber isso, vai entrar de gaiato no navio.———-
    Discordo frontalmente deste parágrafo ,não é o miliciasno por uma o outra eventual ameaça de endurecimento do regime por meio de seus “camaradas” que faz uso do exército ,a análise do GOLPE prova que o asno foi uma consequência –não desejada– dos GOLPISTAS DE FARDA .Na aceitação do bolsotario como presidente, está implícito o desgaste do sujeito (eles sabem muito bem disso), a sua degradação perante a massa de idiotas (incluam-se todos ,mídia,empresários etc) que o votou e o clamor futuro de todos eles, para que o mulão (FFAA)assuma de vez O GOLPE.
    Mas a segunda frase foi um chute no meu fígado ,”nosso exército”, NUNCA o ví assim, analisar o seu histórico nos leva a ter a certeza que NUNCA foi nosso, SEMPRE FOI DELES.
    Eles nunca entram de gaiato,eles o fazem sempre cientes e neste caso definiram que por ENQUANTO é um mal necessário.(já chegará a hora de afasta-lo).
    Sem dúvidas temos que aprender com os argentinos que domingo pasado ,24 de Março a 43 anos do GOLPE DOS MILICOS GENOCIDAS ,saíram as ruas (como o fazem todos as anos desde o ano 84) para deixar claro seu repúdio com esse obscuro período de sua história.
    Concordar ,assim como discordar argumentando é um excelente exercício democrático.

  6. Bolsonaro usa ou é usado? Que ninguém se iluda, os militares estão por trás disso tudo, aliviados por não terem de “dar a cara para bater”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.