“Domínio do fato” e “método Moro” permitiriam dizer que foi Temer quem segurou Lula preso

desapr

Vejam que interessantes conclusões permitem os fatos de ontem, se usados, como parâmetros, os mesmos métodos utilizados por Sérgio Moro para condenar Lula.

1 – O juiz Sérgio Moro ordenou, por telefone, que o delegado Roberval Ré Vicalvi e a outros chefes da Superintendência da PF no Paraná, que respondia pela sede da Polícia Federal, ontem, não cumprisse a ordem de soltura. A notícia está em O Globo, o mesmo jornal que, no caso do “triplex” mereceu crédito do juiz paranaense ao dizer que o imóvel era de Lula. “Diante da insistência do magistrado, Ré Vicalvi ligou para seus superiores que o ordenaram a cumprir o pedido de Moro e manter Lula na cela”, diz O Globo. Se O Globo vale como prova contra Lula, natural que sirva contra Moro, pois não?

2- Os superiores do delegado são o superintendente da PF e o diretor-geral da instituição. Que, por sua vez, se subordinam ao Ministro da Segurança Pública e a Michel Temer. Assim como diretores e gerentes da Petrobras se subordinam ao presidente da empresa, ao ministro das Minas e Energia e, consequentemente, ao Presidente da República. Esta cadeia de comando permitiu a Moro dizer que Lula era o responsável pelos atos dos diretores. É, portanto, legítimo que a mesma cadeia de comando nos permita afirmar que Michel Temer é o responsável pelo descumprimento da ordem judicial.

3- Temer, portanto, cometeu o crime de obstrução à Justiça e descumrpimento de ordem judicial, devendo ser processado e impedido do cargo.

É claro que isso não poderia ser feito, embora tenha sido feito, com o maior descaramento, quando se tratou de Lula e de Dilma Rousseff, o primeiro no julgamento e a segunda, no impeachment.

Não se podem estabelecer ligações criminais desta maneira, embora se possam – e o povão as faz – relações políticas entre os fatos.

Hoje, no Poder360, o cientista político Antonio Carlos Almeida mostra que esta conexão, de fato, existe:

Como se observa no gráfico [que reproduzo ao alto do post], em julho de 2017 a desaprovação de Sérgio Moro era 18% e a de Lula era 54%. Passados 11 meses, em junho de 2018 a rejeição ao juiz é de 40% e ao político de 43%. Note-se que foi justamente no período em que a imagem de Lula melhorou e a de Sérgio Moro piorou que o juiz condenou e mandou prender o político.

Na semana passada, em artigo ao Poder360, mostrei que a desaprovação de Moro caminhou junto com a de Temer, as duas cresceram mais ou menos no mesmo período. O que vemos agora é a relação inversa, enquanto a imagem do juiz piora a de Lula melhora. A evolução das desaprovações de Lula, Temer e Moro estão conectadas.

Diz ele, lembrando as repetidas menções à Operação Mãos Limpas, na Itália, que Moro “foi à opinião pública, foi julgado positivamente por ela e, ao se colocar como um juiz anti-PT (aos olhos do eleitorado) se colocou como um juiz favorável ao Governo Temer”.

Assim, é possível compreender que a avaliação da imagem de Moro e Temer caminhem juntas ao mesmo tempo em que vão em direção contrária àquele que hoje representa a mudança política no Brasil.

Não é difícil imaginar que, depois do arreganho de ontem, as duas curvas tenham se encontrado e invertido suas posições.

PS: Atualizado para correção no item 2.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Prezado Fernando Brito, conforme matéria abaixo do Balaio do Kotscho, Moro já tem aprovação menor e rejeição maior do que Lula em junho/2018. Saudações fraternas

    PESQUISA IPSOS MOSTRA AUMENTO DA REJEIÇÃO A MORO E BOLSONARO
    23 De Junho De 2018 Ricardo Kotscho Comments 33 Comentários
    FacebookTweet
    Pesquisa Ipsos-Estadão divulgada neste sábado mostra o aumento da desaprovação ao juiz Sergio Moro, que subiu 8 pontos, passando de 47% para 55%.

    A aprovação ao trabalho do juiz caiu de 44% para 37%.

    Com 45% de aprovação, o ex-presidente Lula apresentou o mais alto índice entre os 19 nomes listados, enquanto 54% o desaprovam, o mais baixo entre os principais presidenciáveis.

    O campeão de desaprovação é o presidenciável tucano Geraldo Alckmin, que chegou a 70%. Apenas 18% o aprovam

    A desaprovação a Jair Bolsonaro, candidato da extrema-direita, que lidera as pesquisas presidenciais sem Lula, subiu de 60% para 64% e a aprovação caiu de 23% para 20%.

    A pesquisa não mede intenção de votos mas o prestígio dos nomes relacionados.

    Vida que segue.

  2. Nosso país não pode admitir que um juiz , que custa tão caro para a população possa descumprir a lei. Cadeia para moro. Lula Livre!

  3. A OAB como todos os conselhos de classe, é inoperante. Ninguém sabe para que ela serve porque se omite quando tem que julgar a ética do exercício profissional. Recebe dinheiro dos filiados. Para quem ou para que? Se você contratar um advogado para te defender de uma construtora que ferrou tua vida com processo ilegal de construção e comprou teu advogado, não adianta denunciar esse calhorda à OAB. Ela sai fora. O que aconteceu agora é muito grave. A ilegalidade substituiu o Direito. O STF é omisso. O “judiciário” no Brasil está na mão de bandidos que agem para facções. O careca que o vampiro ladrão botou no STF é funcionário do PCC. Ele tem cara de bandido. Ele é bandido. Os três patetas de Porto Alegre montaram de conluio uma sentença impossível. Um fraude processual. O juizeco curitibano de férias, tem a caradura de “revogar” a sentença de um superior por telefone. A politização do “judiciário” é um eufemismo para dizer que o Brasil foi transformado num puteiro pelo STF. Não tenho esperança. Só tenho nojo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.