Efeito Pazuello: não reclamem, generais

Se houver algum oficial-general das nossas Forças Armadas preocupado com a sublevação escancarada das polícias militares estaduais este deveria olhar para as origens disso em sua própria casa.

Quando o general da ativa Eduardo Pazuello compareceu a um comício bolsonarista, subiu ao palanque e falou aos manifestantes, abriu a porteira para que esta vergonha institucional se desbordasse ao ponto que estamos vendo.

No Poder360, relata-se a intensa movimentação de grupos de PMs, dirigidos por oficiais de baixa patente – capitães e tenentes – marcando concentração em batalhões e combinando usar as boinas do fardamento para as manifestações bolsonaristas.

Nas redes, bolsonaristas tratam como “mártir” um coronel sem compostura, que diz que “não precisamos de carrinhos de sorvetes, mas de um tanque” que violou afrontosamente os regulamentos militares, distribuindo xingamentos à Justiça e ao Senado e chamam de “intervenção na PM” a sua exoneração do comando.

Curioso é que não falaram em “intervenção” quando Jair Bolsonaro exonerou não um coronel, mas três comandantes – Exército, Marinha e Aeronáutica – e um Ministro da Defesa por não concordarem em que jatos supersônicos, em voo rasante, explodissem as vidraças do Supremo.

Nem quando o comandante da Força Nacional de Segurança, um certo coronel Aginaldo, marido da notória bolsonarista Carla Zambelli, foi fazer discurso de apoio a PM amotinados no Ceará.

Não há direito de manifestação política para homens armados que comandam mais homens armados. Ponto.

Mas Jair Bolsonaro os insufla, para que a justa e necessária reação a isso lhe dê motivos para um ato de ruptura, planejado, segundo o jornalista Fernando Rodrigues, em esperar um ato do STF que dependa diretamente dele para ser executado: “Se o entendimento do Planalto for o de que há inconstitucionalidade, o presidente rasgará a ordem e desafiará o Supremo a mandar alguém para prendê-lo. “Venham me prender”, dirá Bolsonaro.”

Rompido o lacre do respeito aos poderes da República, estará aberto o caminho sem retorno da ditadura. Será a senha para um motim de polícias e comandos militares bolsonaristas atropelarem qualquer um que se ponha a tentar deter o golpismo.

Haverá uma situação de fato, mas sem qualquer condição política de sustentar-se a médio prazo. Uma quartelada que deixará as Forças Armadas brasileiras não só derrotadas, mas desmoralizadas.

A troco de não terem agido de forma exemplar quando um roliço general da ativa, cheio de ambições políticas, resolveu subir a um caminhão para saudar as hordas do ex-capitão.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *