‘Ele está de volta’. É só ficção? Assista o filme

Na capa do The New York Times a notícia atém pouco tempo atrás inacreditável: a Alemanha assiste à ressurreição de grupos nazistas formados por militares, ex-militares e policiais – entre outros – que planejavam a tomada do poder num certo “Dia X” em que teria chegado ao ápide o caos social.

A Nordkreuz, ou Cruz do Norte, um destes grupos, chegou até a estocar sacos para guardar cadáveres dos que seriam mortos – inimigos políticos e imigrantes -no putsch neonazista.

A história da seus avisos de forma curiosa e, neste caso, em uma obra tragicamente divertida e bem realizada.

Ontem assisti – e recomendo aos leitores e leitoras que o façam – o filme Ele está de Volta, uma sátira do escritor alemão Timur Vermes, transformada em filme por David Wnendt, que fantasia uma ressurreição de Adolf Hitler à frente de seu antigo bunker em Berlim, 70 anos depois do fim da guerra na Alemanha.

Visto como piada, de início, e tolerado em nome da “liberdade de expressão” e do pensamento racista e autoritário que existia sem vestir a imagem nazi, o ressurreto Hitler vai se tornando uma figura popular justamente por seu discurso de ódio, moralidade e intolerância.

Nenhum semelhança é mera coincidência.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. Em recente discurso, Putin acusa as potências ocidentais(EUA e Reino Unido) como responsáveis pela 2a. Guerra Mundial pelas condições impostas à Alemanha pelo Tratado de Versalhes e, depois, pela condescendência com Hitler por acreditarem que alemães e soviéticos se destruiriam mutuamente. Diante do que se vê atualmente, o que nos mostra a hegemonia anglo-saxã, não é descabido imaginar um eixo Berlim-Moscou-Pequim. E na raiz de tudo têm-se um sistema que por ser baseado na competição só tem criado, desde que nasceu, desavenças no mundo todo.

  2. Nazismo , Fascismo ….Nunca deixaram de existir , só estavam adormecido esperando o momento certo de sair dos esgotos do ser humano .
    E hoje com os donos do poder avançando sobre o pouco que os mais necessitados ainda tem , esses regimes são perfeitos para sufocar possíveis revoltas .

  3. Pode-se dizer que este evento é equivalente ao que estamos assistindo por aqui. Os antigos habitantes dos porões não sonharam, certamente, ao pobre exercício político truncado e idiotizado ora em curso como objetivo final. Seu real fim, naturalmente, é e sempre foi a retomada do Poder, para passarem aos atos que tal evento implicariam, como a eliminação dos oponentes mais significativos e a modificação da estrutura do Estado Democrático para um modelo de Estado Autoritário. Mas isto não se dá sem o exercício da força bruta como elemento de convencimento ou intimidação, inclusive de muitos dos atuais colaboradores e sponsors, que não visam mudanças estruturais senão para a obtenção de mais ganhos e privilégios. A mente autoritária tem outros alvos. Assim, os discursos do vice (“os profissionais da violência”) e do titular (“mandar os adversários para a ponta da praia”) devem ser ouvidos como o que são, isto é, atos falhos. Derrapadas verbais que explicitaram antes da hora os objetivos ocultos. Cada vez menos ocultos, é verdade.

  4. Numa sociedade democrática, os nazifascistas devem ser ELIMINADOS do convívio social, porque o objetivo deles é justamente ELIMINAR a Democracia, a Liberdade, a Diversidade. Em 1945 o filósofo Karl Popper apresentou o “Paradoxo da Tolerância” e concluiu: não deve existir tolerância ilimitada; temos o direito de não tolerar o intolerante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.