Afinal, a caixa-preta no Bndes é agora e com amigo de Guedes

Reportagem do Estadão mostra quem finalmente, apareceu uma “caixa preta” no Banco Nacional de Desenvolvimento.

Mas não é a que ansiosamente Bolsonaro dizia haver, dos tempos dos governos anteriores, e cobrava que fosse exibida, o que acabou levando à demissão de Joaquim Levy e à nomeação do amigo dos filhos presidenciais, Gustavo Montezano, ex-funcionário do onipresente BTG Pactual das origens de Paulo Guedes.

É que Marcelo Sefardy, presidente do Conselho de Administração do banco – e que já foi do Pactual nos tempos de Guedes e é ex-sócio do atual ministro na empresa Fidúcia – é sócio de uma empresa escolhida pelo Bndes para conduzir a privatização de várias empresas.

O Estadão mostra, com documentos, que Sefardy só formalizou sua saída do quadro diretor da empresa após tomar posse no Conselho de Administração e continua a ter vínculos proprietários com o grupo.

Quando ingressou no BNDES, Serfaty tinha ciência de que a empresa disputava os pregões da Casa da Moeda e da Infraero, uma vez que ele ainda constava como sócio no momento em que os processos foram iniciados. Segundo a Junta Comercial de São Paulo, ele só deixou a G5 Partners sete dias após tomar posse no BNDES, em 20 de novembro.
No anúncio do pregão dos aeroportos, Serfaty integrava também o quadro acionário de uma segunda empresa do grupo G5 Partners, a G5 Tecnologia de Segurança e Participações. Ele deixou essa sociedade em 10 de janeiro deste ano. Atualmente, ele tem 50% da G5 Gestora de Recursos. De acordo com documentos oficiais, a firma é administrada pela G5 Partners, a empresa que venceu as licitações do BNDES.

Mas a proximidade seguiu total: em fevereiro deste ano, Sefarti foi um dos participantes do evento “Brasil 2022 – O Redesenho do Papel do Estado”, em São Paulo, com a presença do Secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar. Evento promovido, claro, pela G5 Partners. Estavam em casa…

Além disso, Sefardy parece ter um calcanhar de Aquiles parecido com o daquele ex-futuro-ministro da Educação: no currículo que apresentou para assumir o cargo consta um doutorado na Fundação Getúlio Vargas, que ele não tem.

Palmas para Bolsonaro, que tanto queria uma caixa-preta de suspeitas no Banco e, afinal, conseguiu uma, protagonizada por um amigo de Paulo Guedes.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. O Temer nomeou um presidente para o BNDES com a tarefa de fazer uma devassa e abrir a famigerada caixa preta que toda a direita estava rouca de tanto denunciar. Não havia caixa preta. Bolsonaro foi também em busca da caixa preta e nada encontrou. Mas agora não é mais necessária a caixa preta, que afinal significa algo muito fechado e por baixo dos panos. O que fazem é mesmo caixa aberta e por cima dos panos.

    1. É a velha tática da direita que denuncia os adversários pelos crimes que eles próprios cometem.

  2. Interessante. O que dá para perceber que ex-integrantes do BTG estão assumindo postos-chaves no BNDES. E o próprio BTG está sendo beneficiado por esse (des)governo Bozzo. Vide o caso da venda da carteira de crédito do Banco do Brasil no valor de R$ 2,9 bilhões por meros R$ 371 milhões para BTG efetuado por Rubens Novaes pouco antes de se demitir do BB. Estou achando que o BTG está tendo muitos benefícios no governo Bozzo. Vamos ficar de olho nessa turminha do BTG, que tem o ministro Guedes como um dos seus fundadores.

  3. Falavam em caixa preta, mas o queriam era meter a mão na Caixa de Dinheiro do BNDES, pra fazer o que sabem: ROUBAR.
    E a patuléia que babava de ódio nos tempos do PT, agora tá de boca aberta comendo mosca.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.