Elefantes e mosquitos

mosquitomangueira

Numa das primeiras conversas que teve com Samora Machel, o líder da independência de Moçambique, Leonel Brizola perguntou-lhe quantos eram os moçambicanos. Machel, em resposta, deu-lhe o número oficial que p governo recém-instalado tinha recebido do governo colonial português. E acrescentou: fora os elefantes.

-Elefantes?

– Eu chamo de elefantes porque vivem ocultos na floresta, só se nota que existem quando saem de lá e fazem alguma destruição.

Ontem, a polícia de choque fez uma incursão na floresta. Aliás, nem isso, apenas um bosque, porque a Mangueira está longe de ser a favela mais precária do Rio. Motivos não haverá de faltar e, se faltarem, arranja-se um. O tráfico está mesmo por lá e não vai sair, como não saiu mesmo das favelas ocupadas. E não saiu, também, dos salões e das “baladas” da zona sul.

O resultado foram quatro mortos, um PM baleado em estado grave e uma mulher grávida surrada por policiais, que afastavam, a jatos de spray de pimenta, os que tentavam protegê-la e até mesmo a equipe de O Dia que registrou a agressão covarde.

Nenhum deles tem nome, claro. Como os elefantes de Machel, vivem na selva da pobreza e o que seria uma tragédia gigantesca em outras partes da cidade são só mais um evento, onde as notícias que tomam destaque são o fechamento da visitação do zoológico e o cancelamento do show de Alcione na escola de samba do morro.

A grávida agredida na Mangueira não tem o charme da “treta” entre Oprah Winfrey e Catarine Deneuve, nem mesmo para os que estamos preocupados com a defesa dos direitos da mulher.

Os nossos “elefantes” nem mesmo nome têm nos jornais. São “os mortos”, “o suspeito”, “a grávida”. Nem mesmo elefantes são. São mosquitos, incômodos, indesejáveis, a serem combatidos com jatos de repelente de pimenta, banalizados e transformados em rotina nas ações policiais.

Como os mosquitos, transmitem a doença do crime e da violência e, como aos mosquitos, é preciso espantar a todos para o mais longe possível, ainda que sejam poucos os infectados e vetores de alguma mazela. Spray em todos, por precaução.

É inútil, claro. A “guerra ao crime” que matou várias vezes mais que no Vietnam, na Síria e até no Iraque, só se alimenta e se replica neste pântano.

Na água parada da exclusão, proliferam. Mas justificam o crescimento de um exército de “mata-mosquitos”, que já chega a meio milhão de policiais, aos quais se deve somar mais de 100 mil guardas municipais e 450 mil vigilantes privados.  Um pouco mais, aqui e ali, logo serão mais do que os dois milhões de professores, em todos os níveis, existentes no país.

Some o arsenal necessário para armar este exército, os “fumacês” blindados e a logística para manter toda essa gente e você terá noção do saco sem fundo que se tornou a segurança pública no Brasil, na qual quanto mais se põe, menos se tem.

Como em todo processo de loucura, afunda-se cada cada vez mais na insanidade.

Ela dá prestígio político e dá dinheiro para corporações que – palavras do Ministro da Justiça – acabam por virar sócias do crime.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

32 respostas

    1. Fernando Brito escreve com a pena do grande Graciliano e a luz do guerreiro Brizola. Saúde e força, FB. Pela lei Cancellier, pelo Referendo Revogatório, abaixo o golpe.

  1. O banditismo, que já era grande, explodiu na era petista e é outra herança maldita que precisamos enfrentar. Mas, mudando de assunto, como foi ontem o DNMDMDLC (Dia Nacional de Mobilização em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser Candidato)? As multidões saíram às ruas para defender o seu líder supremo? Que a mídia golpista não noticiasse o sucesso do evento já era esperado. Mas eu também não vi nada sobre ele nos blogs progressistas. Por que esse silêncio?

    1. PCC é tucano, Sr. Ernesto. O PT retirou da miséria extrema 36 milhões de brasileiros. Larga de ser idiota e imbecil. As desigualdades sociais e raciais é que favorecem este ambiente beligerante.

      1. Mas se é pelas condições econômicas e o PT as melhorou, por que a criminalidade explodiu na era petista? Ou o motivo não é econômico, ou a melhora do PT foi fictícia, ou as duas coisas.

        1. Arnestinha Pederasta
          Estava tão bom sem você e as suas comparsas. Vamos ter que aturar sua MERDA em forma de comentários.
          Otária vagabunda !
          Cadelinha vadia !

        2. Sr Ernesto as causas do aumento da criminalidade tem vários fatores que precisam ser analisados separadamente. Com certeza uma das causas é a desigualdade social, a outra é o uso das drogas. Agora vc colocar que o PT que é o culpado pela criminalidade do Brasil é ir longe demais. Na sua avaliação antes do PT no governo não havia crimes no Brasil? O País que tem mais presos, mais pessoas encarceradas é o EUA. Mas lá vcs coxinhas não falam. Um data preocupante no Brasil é o sistema carcerário brasileiro: completamente desumano, celas super lotadas, e isto não contribui para a ressocialização de ninguém. os maiores criminosos no Brasil Sr. Ernesto não estão presos, eles estão lá no Congresso Nacional.

          1. O sistema carcerário do Brasil é um verdadeiro pandemônio. Elas não só não cumprem o dever de ressocializar o detento que cometeu algum crime de forma que esse indivíduo nunca mais voltasse ao crime e deixe de ser um problema a sociedade como contribui,e muito, pra que quem cometera crimes fincasse pé de vez na marginalidade.

            Jovens presos por delitos considerados leves(como furto) misturados com toda a gama de criminosos de altíssima periculosidade(traficantes,assassinos e etc). Seria surpreendente que um jovem saísse de lá ressocializado e regenerado. Sem contar muitas outras mazelas de nosso precário e deficiente sistema penitenciário.

    2. Houve esta mobilização ??

      Vai ver que teve o mesmo sucesso que a greve geral de 05 de novembro !!!

      1. CAPIAUVENHACHUPARMEUPAU

        Apareceu vadia ? Vamos ter que aturar mais MERDAS, sua e de suas comparsas.
        Sua candidata, Bolsonara, se fodeu.
        Tão sem assuntos ?
        Cadelinha vadia !
        Impala de Thompson!
        Otária !

    3. Arnestinha Pederasta
      Estava tão bom sem você e as suas comparsas. Vamos ter que aturar sua MERDA em forma de comentários.
      Otária vagabunda !
      Cadelinha vadia !
      Sua Bolsonara se fodeu !

    4. Não falaste da Venezuela, não criticaste os bolivarianos hoje, Arnesto? Não te esqueças de cumprir o teu contrato com a CIA. Do contrário, o soldo não vem.

  2. Concordo Flavio, perfeito para reflexão sobre: “onde estamos?…..só sei que o poço é fundo…a consciencia está…lá embaixo.

  3. E os insanos pedem intervenção militar.
    É só ir morar em comunidade. Lá o estado é mínimo.
    Como a coxinhada tanto quer.

    Já que não podem mudar para Miami, mudem para uma comunidade.

  4. Já passou da hora de se estudar esta desmilitarização da polícia militar. Em toda a ação da PM nota-se muito despreparo, violência e truculência. E quando os direitos humanos intervém estes militares e seus defensores criticam. A PM deveria se ater às ações preventivas e não repressivas, para as quais não tem preparo emocional para colocá-las em prática.

  5. Pobres coitados né Brito, vítima do capitalismo sei, se não a esquerda do país ninguém notaria, esquerda essa que gosta de carro zero importado de iPhone de smartv de internet com wi-fi entre outras bens capitalistas claro de uma maconha mas a culpa é do capitalismo

      1. CAPIAUVENHACHUPARMEUPAU

        Apareceu vadia ? Vamos ter que aturar mais MERDAS, sua e de suas comparsas.
        Sua candidata, Bolsonara, se fodeu.
        Tão sem assuntos ?
        Cadelinha vadia !
        Impala de Thompson!

      2. “Grandes ditadores”?

        Certamente, tu não estás te esquecendo de colocar na tua lista o Nixon, o Johnson, o Reagan, os Bush [pai e filho], o Obama e outros, ditos democratas, lá do grande país do norte, né Capiau.

    1. Alícia/ Kawarinha/ Lulinha/ Qualquer Porra

      A palhaça da trupe, começou com suas piadinhas infames. Não tem o mínimo de graça. Você é uma vagabunda.
      Estão sem assuntos, depois que sua candidata, Bolsonara, foi trucidada na imprensa?
      Barbie!
      Impala de Thompson!
      Otária !

  6. Brito, você me surpreende sempre com os seus textos maravilhosos. Um exército de segurança ineficiente ultrapassando um grupo de professores. Sim, investir em educação continua sendo a solução. Quem tem um mínimo de bom senso sabe disso. Estão aí Finlândia, Suécia, Islândia e Coréia para provar. E nem vou citar os países “desenvolvidos” mais em evidência. É sempte burro imaginar que pobreza se resolve com violência.

  7. Por mais despreparado que alguém seja, por mais insensível e ignorante , ela percebe que tem algo mais nesses ambientes comunitários; sabe que tem algo camuflado nessas ” ações policiais. ” . Comparando-se os bairros e suas comunidades, nota-se a presença da situação financeira, das oportunidades de trabalho, da escolaridade, da variedade de comercio e laser, da forma de segurança e presença de agentes e de governança. Os bairros pobres não têm turistas, consequentemente não têm os investimentos e atenção e gerenciamento governamental. Houvesse tratamento igualitário e veríamos que a paz e o bem estar estariam mais presentes e efetivos. Enquanto os impostos forem direcionados com especividade a alguns poucos residentes praianos, nada mudará e a revolta pela injustiça crescerá.A polícia tem sido usada como freio, nos moldes coloniais em que os capitães do mato agiam. Seu objetivo é não permitir vicejar qualquer tipo de rebelião que contrarie os interesses da casa grande. As mazelas das favelas são as mesmas que existiam nos aglomerados de escravos e a ação contendora é a mesma do Pelourinho.

  8. Segundo revelam os jornalistas José Pinto de Sá e Nélson Saúte no diário português «Público», Joana Simeão, o reverendo Uria Simango, Lázaro Nkavandame, Raul Casal Ribeiro, Arcanjo Kambeu, Júlio Nihia, Paulo Gumane e o padre Mateus Gwengere encontravam-se internados no «campo de reeducação» de M’telela, no Niassa (noroeste de Moçambique), quando, a 25 de junho de
    1977 (segundo aniversário da independência de Moçambique), lhes foi comunicado que iriam ser transportados para a capital,
    Maputo, onde o presidente Samora Machel discutiria a sua libertação. Seguiam numa coluna de jipes que, a dada altura, parou. À beira da picada, os soldados tinham aberto com uma escavadora mecânica uma grande vala e tinham-na enchido parcialmente de lenha. Amarraram os prisioneiros, atiraram-nos para dentro da vala e regaram-nos com
    gasolina , ateando-lhes fogo. Os prisioneiros políticos da FRELIMO foram queimados vivos, enquanto os soldados entoavam hinos revolucionários em redor da vala. Só dezoito anos mais tarde, em 1995 , vieram a lume os macabros pormenores do massacre, perante o silêncio da FRELIMO, cujos sucessivos governos se tinham até então sistematicamente negado a fornecer informações sobre o paradeiro daqueles elementos do chamado «grupo dos reacionários» [2] .

    1. CAPIAUVENHACHUPARMEUPAU

      Apareceu vadia ? Vamos ter que aturar mais MERDAS, sua e de suas comparsas.
      Sua candidata, Bolsonara, se fodeu.
      Tão sem assuntos ?
      Cadelinha vadia !
      Impala de Thompson!
      Barbie !

  9. A violência é apenas fruto da falta de educação e da obscena desigualdade.

    Quando se tenta mudar algo nesse sentido pra reduzir as desigualdades e oferecer as classes menos favorecidas e assistidas uma educação de qualidade minimamente decente, as classes mais abastadas simplesmente se enfurecem.

  10. A covardia, a canalhice, a violência e a corrupção da PM fluminense a tornam odiada pela população da periferia e das favelas. Qualquer cidadão minimamente informado, politizado e observador pode constatar isso, verificando as ações policiais nessas regiões da capital fluminense e na região metropolitana. Outras PMs, em diferentes estados da federação, se mostram tão corruptas, criminosas e violentas quanto a do RJ; o caso do Rio chama mais a atenção, mas está longe de ser a exceção. Há dois dias, em plena madrugada, pude ver um bando de PMs armados com fuzis (eram pelo menos 8 meganhas) espancando uma homem de aproximadamente 25 anos; o homem recebeu xingamentos, socos, chutes, pontapés, golpes de cassetete, foi jogado dentro de um camburão; enquanto era espancado o homem desesperadamente dizia que era um trabalhador e que a polícia não podia tratá-lo daquela maneira. Essa cena ocorreu na esquina de duas ruas movimentadas e havia testemunhas, dentre elas uma mulher, que parecia ser a namorada do homem. Como essa mulher e outras pessoas não arredaram pé do local e ela parecia telefonar para advogados e autoridades, o homem escapou de ser linchado – quiçá executado – pelos meganhas da PM, sendo liberado poucos minutos depois.

    Nenhum de nós é ingênuo a ponto de não saber que em regiões do Rio tomadas por facções do crime e por milícias cometem-se violências e crimes horrendos. Mas o que constato diariamente é que as polícias – notadamente a PM, que faz operações ostensivas – comete as mesmas violências e crimes, porém pagas pelo dinheiro público e com a prerrogativa do monopólio da violência estatal contra os cidadãos.

  11. “A “guerra ao crime” que matou várias vezes mais que no Vietnam, na Síria e até no Iraque, só se alimenta e se replica neste pântano.”

    Permita uma crítica, Brito. Aqui tu te equivocas, como fazem muitos ao fazerem comparações com o número de mortos na invasão e ocupação do Vietnam pelas forças armadas dos Estados Unidos.

    Anos atrás, havia uma propaganda que afirmava que no Brasil morria anualmente, em acidentes de trânsito, uma quantidade de pessoas equivalente à de mortos na Guerra do Vietnam.

    Essa propaganda fazia alusão apenas ao número de soldados dos EUA que lá perderam suas vidas, em torno de 56.000. Mas, eu pergunto. E os vietnamitas mortos, não devem entrar nesta estatística?

    Pois, a invasão e ocupação perpetrada pelas forças armadas do Sistema de Poder que domina os EUA deixou um rastro de 3.000.000 de mortos entre os vietnamitas. Deixou cerca de 1.000.000 de mortos no Iraque.

    Já, na Síria, onde o Sistema de poder citado terceirizou a invasão e ocupação, locando mercenários e armando o Estado Islâmico para fazerem o trabalho sujo, o número de mortos já chegou na casa das centenas de milhares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *