A elite e a relativização do crime

relativismo

No final da entrevista em que disse ter medo do monstro bolsonariano que ajudou a criar – Kiko Nogueira, no DCM, mostra como isso é verdade – Fernando Henrique Cardoso revela não ver crime de responsabilidade no impeachment de Dilma. Para ele, é uma questão política, ao justificar seu apoio à ruptura da ordem democrática.

FHC disse que relutou em apoiar o impeachment de Dilma Rousseff, mas mudou de ideia quando houve a paralisia do governo. De acordo com ele, a única saída possível para esse tipo de situação em um regime presidencialista é o impeachment. O ex-presidente afirmou ainda que o afastamento é uma decisão política, ainda que amparado em base legal – no caso, o desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal.
“Isso é um crime tremendo? Não, muitas pessoas fizeram (o mesmo). E por que não (foram afastadas)? Porque essas pessoas não estavam em uma frágil posição de poder e a consequência não foi a interrupção do processo de tomada de decisões. É uma questão política.”

A confissão desabrida de que a condenação da ex-presidente – e a ruptura com a legalidade e a legitimidade democráticas – era justificável guarda (e nem tão “no fundo”) a mesma ideia que têm os grupos violentos  também propagam ideias de que o que supõem ser “o bem” que justifica a quebra das regras legais que regulam o convívio civilizado.

O noticiário, hoje, sobre a existência de uma “turma da massagem“, que daria surras, na Zona Sul do Rio de Janeiro, em ladrões, pedintes, moradores de rua e outras pessoas marginalizadas, é um exemplo deste relativismo. Espancá-los se justificaria também pela “paralisia do Governo” em tirá-los da rua e assegurar a tranquilidade da população.

O degrau de quebra da legalidade que Fernando Henrique admite  ter sido necessário subir faz parte da mesma escada que, no ápice, leva a isso e, no final, a fatos como o assassinato de mulher que morava nas calçadas de Copacabana.

Justificam-se pelo “bem público” que acreditam encarnar e exercitam as próprias razões e pelo desprezo ao direito dos outros.

O direito do outro é apenas “coisa de preto”, ou de pobre, ou de nordestino, ou  de veado, ou de comunista.

O negrinho amarrado ao poste da Rachel Sheherazade, o  “senta o dedo” e o “baixa o porrete” dos programas de rádio e TV, a liberação da posse e porte de arma para “o cidadão poder se defender” ou do “blabloquismo” com o qual muita gente foi tolerante têm o mesmo estofo ideológico  daqueles “pelos meus filhos, pelos meus netos, pelo Brasil, eu voto sim!” .

Bang! Bato e mato em nome da sociedade.

Em nome da sociedade como ela é, com suas desigualdades, a preservação do status quo, para o qual mobilizam as tropas da classe média, sempre dispostas a se julgarem “superiores” e repetirem o discurso que a elite repete e ensina.

Fernando Henrique reclama que Bolsonaro queria fuzilá-lo, embora ele próprio admita que o fuzilamento – formalmente legal – de um mandato presidencial se justifica, pelo bem do país.

Os processos de ódio, num indivíduo ou numa coletividade, são autofágicos, acabam por devorar aqueles que os ajudaram a produzir e, adiante, aos seus encarnadores.

Mas, até lá, destroem, matam, infelicitam.
contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. A presença dos mercenários do golpe era um aborrecimento mas, de uns tempos para cá, e com os golpistas já no poder, a presença dessa gente por aqui, com seu costumeiro besteirol, assumiu o imprescindível papel de “comic relief”…

    1. FHC mostrando mais uma vez sua verdadeira face, um egocêntrico q teme, agora, com a ameaça do bolsonaro presidente, pela própria vida. Esta pensando nele em sua segurança e incolumidadr física. Nunca pensa no Brasil. Apoiou o golpe q fez sair das profundezas do inderno o q há de pior no Brasil. Nao pensou no pais. É mais do óbvio q bolsonaro com o poder na mãos mostrará o quão perigoso será para todos, até para quem se aliou a ele. No poder as máscaras caem. E bolsonaro não precisa de mascaras, sempre mostrou ao q veio. Com o poder nas mãos fará uso dele. FHC tem Paris. O coxinha, a classe média não tem nada.

    2. A DIREITA faz todo o trabalho imbecil de mostrar porque o cidadão/cidadã de ESQUERDA é mais inteligente. Nooossa quanta boçalidade!!! Divirtam-se. Puuutz!

  2. Só mesmo uma guerra de classes vai devolver o Brasil aos verdadeiros Brasileiros. Se a elite quer guerra, vamos à guerra. Nenhuma nação se fez com arranjos. Todos se fizeram com sangue e no Brasil não será diferente. Mais cedo ou mais tarde, temos um compromisso histórico com uma batalha campal. E ai saberemos a quem pertence o Brasil. Que vença o melhor.

  3. UMA FARSA CHAMADA FHC:

    -Se elegeu assumindo a autoria de um plano econômico criado pelo FMI e implantado no governo Itamar pelo ministro Ricúpero, Pedro Malan, Ciro Gomes e professores da PUC. FHC só deu uma canetada.
    -Se elegeu posando de “homem de família” com um casamento de fachada, enquanto a Globo e o resto da imprensa escondia sua amante grávida no exterior.
    -Quebrou o país 3 vezes, na terceira vez que foi pedir dinheiro ao FMI foi obrigado a seguir algumas exigências: mais uma vez assumiu a autoria e chamou de “Tripé Macroeconômico”… mais uma vez a imprensa muito bem remunerada ajudou com a farsa.
    -Se reelegeu comprado deputados com direito a capa de jornal… depois comprou mais deputados para abafar a CPI.
    -Pedalou… mas naquela época pedalar era brincadeira de criança… o orçamento era todo picotado via medida provisório… e foda-se!
    -O Ministro da Fazenda foi o responsável pela maior “paulada econômica da história do capitalismo”, quando decidiu aumentar os maiores juros do mundo de 27% para 45%… destruindo milhares de empresas, causando fuga de dólares e um quebra. Esse mesmo Ministro se envolveu em diversos escândalos financeiros que NUNCA serão investigados no país.
    -Entregou um país MUITO PIOR do que recebeu do Itamar.
    -Fracassou em todos os indicadores sócio-econômicos possíveis, inclusive a inflação. O pouco dinheiro que restava para investir foi todo usado para salvar o Sistema Financeiro e para o BNDES financiar a compra de estatais. Atualmente os donos das empresas privatizadas são os próprios políticos do PSDB e os financiadores de suas campanhas.

  4. Pela lógica de FHC o povo tem o direito de linchar políticos tucanos já que a justiça oficial fica paralisada contra eles e não os impedem de ficar afastados dos cofres públicos mesmo quando flagrados se locupletando, como no caso Aécio.
    Aliás Aécio é um zumbi político e um estorvo no Senado, porque FHC não defende sua cassação por coerência?

  5. Fernando, falar dessa coisa (é um nome que me recuso a pronunciar) é gastar pólvora em chimango.

  6. Esse elemento é um FARSANTE uma autentica FRAUDE enquanto gente.

    Não devemos perder tempo com esse farsante, com essa fraude de gente!

  7. IVAN ALMEIDA: Não somos debochados. Mas aturar as asneiras e a burrice de coxinha iguais à você é dose. Cara, como vocês conseguem ser tão estúpidos e ignorantes? Só debochando mesmo. Mas não vou debochar, vou ser direto: VTNC, burro comedor de capim.

  8. Felizmente há Fernandos e Fernandos…cada um no seu quadrado…sendo que o de cá, com toda sua humildade, faz-nos mais bem do que o de lá, com toda a sua empáfia…obrigado Fernando Brito!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.