Embaixadas só seriam solução para Carlos, Flávio e Eduardo

Jair Bolsonaro tem razões para agradecer a Gustavo Bebianno por ter recusado o cargo de embaixador do Brasil em Roma que, segundo o Globo, lhe foi oferecido pelo presidente.

Depois de tudo que aconteceu ficaria marcada a transação como um gordo pagamento ao quase ex-ministro por seu silêncio.

A explicitude com que as coisas foram postas dá a qualquer arranjo entre ambos tal percepção pública.

Se não estivéssemos nos tempos e na “República do Twitter”, nomeação para embaixada talvez servisse aos três filhos do ex-capitão, para deixá-los longe do Planalto.

Isso, porém, deixaria o pai mais solitário, cercado por militares que, no íntimo, não lhe têm respeito algum, embora tenham um elevado senso de conveniência na sua condição de Presidente.

Afinal, o ex-capitão nem mesmo oficial superior (a partir de major) foi e a história que teve na caserna, mesmo terminando com a extinção do seu processo de exclusão do Exército, não propriamente o recomenda.

Sobrar-lhe-iam, então, apenas os olavistas do Itamaraty, da Educação e a goiabista Damares. E Sérgio Moro e Paulo Guedes que não diferem em muito dos generais ao encará-lo como sua “grande chance”.

Como “os garotos” não vão para Tombuctu ou Macau, são a reserva de fidelidade incondicional com que Bolsonaro pode contar, como sempre contou, até porque sócios da empreitada da família.

O silêncio da política diante da crise com Bebianno está sendo ensurdecedor. Sinal de que não se pode falar, porque não dá para falar o que vá ser apreciado. O pouco que apareceu foi de nariz torcido.

Mesmo com o nível subterrâneo do atual Congresso, o Planalto está mais baixo.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. Quanto lixo teremos que limpar !!!!!
    19:00 hs o ASNO demitiu o plantador de laranjas.Qual foi o acordo?,ainda saberemos ou tal vez nunca .
    Duvido que esse laranja mor venha a abrir a boca.
    Ele tensou a corda até quase o ponto de rompimento,porém ,nada acontecerá.Esse sujeito é um outro mafioso igual ao asno,ele morrería junto,então,nada feito.

  2. Essa é a expressão de um homem louco e desesperado. Coisa que só as camisas de força resolvem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.