“Erro” de US$ 4 bi tumultua contas, mas não muda sentido do cãmbio

Num episódio inédito na história dos órgãos econômicos do governo brasileiro, a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia (Secex) enunciou ontem ter “errado” em US$ 3,9 bilhões a menor o valor das exportações brasileiras em novembro e registrado, anteriormente, um déficit na balança comercial de US$ 1,1 bilhão, quando haveria um superavit superior a US$ 2,7 bilhões.

Os bilhões de dólares já mostram isso, mas a escala de 30% de diferença mostra que não é mesmo “um errinho”.

Duas questões nisso e a primeira delas é dizer aos leitores que, como aqui se analisam dados oficiais, vai a criança junto com a água do banho e o erro alheio gera o erro derivado.

A segunda é de que, junto, ameaça ir-se a credibilidade de um órgão técnico, que jamais pode divulgar uma estatística sem revisá-la, ainda mais quando ela inverte brutalmente não apenas dados históricos mas, também, a lógica econômica, a de que a alta do dólar ao menos “seguraria” a queda – esta sim, real – de nossas exportações.

E, a menos que a Secex lembre de outros “esquecimentos” como o que alega ter tido nas exportações de novembro, a tendência de queda do comércio exterior brasileiro é forte e não vai se situar abaixo nos 20% no ano. Certo que reflexo da redução dos fluxos de comércio no mundo, mas também de fatores internos, resultado de nossa estagnação econômica.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. Será que eleitores ainda esperam que os “canarinhos” levantem o caneco depois de escalar o pior treinador e os piores jogadores da várzea para disputar uma Copa do Mundo? E o pior é que acho que sim, eles ainda estão a espera de um milagre; isso é que dá acreditar em estórias e mitos.

  2. Brito, uma crítica fora da pauta: dá um jeito nesses anúncios da página. Tá complicado entrar no site e aparecer um vídeo que não dá pra deixar no mudo pelo menos. Ler o blog no ônibus virou um suplício.

  3. Não entendo como a Secex possa errar esse tipo de coisa. Cada exportação e cada exportação é processada mediante uma declaração registrada num sistema eletrônico com todos os valores identificados até o centavo: trata-se do Siscomex. Todas as remessas e recebimentos de moedas são registradas da mesma forna, no Sisbacen. Não são barnabés registrando valores a bico de pena em grandes livros. Os totais são conhecidos com precisão segundo a segundo sem intervenção humana. Qualquer cidadão pode consultar os valores das exportações e importações usando o sistema Alice, inclusive podendo seleciobar produto, estado, país de destino ou de origem etc.

  4. Às vezes, “pequenos errinhos” geram “grandes lucrões”.
    E jamais será o Brasil o grande beneficiário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.