Fachin diz nos EUA que podemos ter ‘Capitólio agravado”

Dificilmente haverá alguém tão capaz de avaliar as pressões por um golpe eleitoral no Brasil que o presidente do órgão a quem compete conduzir as eleições e que está, há meses, sendo pressionado e ameaçado por chefes militares e autoridades públicas que insistem em afirmar que seria fraude qualquer resultado que não fosse a reeleição de Jair Bolsonaro.

Por isso, deveriam levar muito a sério o que disse hoje, numa palestra em Washington, o ministro Luiz Edson Fachin, presidente do TSE, ao afirmar que “poderemos ter um episódio mais agravado do que houve no Capitólio”, a invasão por fanáticos trumpistas, em 6 de janeiro de 2021, do Congresso dos Estados Unidos, para impedir que se proclamasse a vitória de Joe Biden, que terminou com cinco mortes e dezenas de feridos.

Fachin disse que o Judiciário não vai se vergar diante de ameaças, mas que, para isso, depende do apoio da sociedade, do parlamento, da imprensa e da comunidade internacional, e que as Forças Armadas, que “quando chamadas chamadas a esta arena pública são [seja] para defender as instituições, para gerar segurança institucional e não o contrário”.

E, de fato, tem sido pequena e tolerante a reação da sociedade, das instituições e até do mundo em relação à possibilidade de um golpe contra as eleições brasileiras. E isso é indispensável para que os grupos – numerosos e empoderados – militares se deixem levar por comandos irresponsáveis, que só recuarão se houver reação de quem se apegue aos seus deveres legais.

É tão visível isso que essa declaração sobre os perigos de um “Capitólio agravado” deveria estar nas manchetes, mas até agora só discretamente repercutiu.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.