Estupidez das elites vai além de Bolsonaro

A manchete da Folha de hoje, por ela própria, confirma a estupidez das elites brasileiras.

A tal “desancoragem” da economia – a diferença de 70% entre a inflação projetada pelo “mercado” e a meta fixada pelo Banco Central (que deveria ser “tábua da lei” neoliberal) – é, traduzindo, uma erosão gigantesca da moeda em relação às perdas de valor sinalizadas às operações financeiras e, portanto, um descolamento total entre política monetária e realidade econômica.

E, nesta esteira, o jornal aponta uma série de indicadores espantosos da veloz decadência da segurança que o país oferece aos investimentos, a começar por uma alta explosiva do chamado “risco-pais” de cerca de 50%, passando, desde março, de perto de 200 para 300 pontos.

Neste e em outros termômetros da economia, qualquer um sabe que a temperatura ainda subirá, seja pela nossa disputa político-eleitoral aqui, seja pelo quadro de desarranjo da economia global, à qual o nível de dependência brasileira só faz subir, e muito, desde que o país abandonou qualquer tipo de projeto próprio.

Digo que a manchete da Folha tem algo de patético porque, até para descrever a situação ela acaba apelando para uma referência que só confirma o ódio irracional de nossas elites em relação à esquerda, que lhe proporcionou uma década de progresso (e de ganhos) como raras vezes teve na História.

Não apenas formou uma força hegemônica para eleger um personagem sabidamente mau e desqualificado para reinar no país como a ele deu, paulatinamente, um poder praticamente imperial sobre a política e a economia, limitando suas críticas aos aspectos “exóticos” de Bolsonaro mas, em geral, aplaudindo a política de desmonte do Estado que, sob a batuta de Paulo Guedes, como se um pudesse viver sem o outro.

Mesmo dando no que deu, continua tendo uma visão tacanha: tudo estaria bem se Bolsonaro não estivesse gastado tanto para se reeleger. Mas afinal, esperavam que houvesse outro meio de fazê-lo com o desmonte sistemático das políticas sociais e dos serviços públicos, senão comprando votos no atacado dos auxílios e no varejo das emendas parlamentares?

É tão canalha a abordagem mental de nossas elites que o “pior que o de Dilma” não lhes causa rubor, comparando um governo sitiado pela coligação Eduardo Cunha – Aécio Neves a outro que tem maioria para aprovar, num modelo “fast-food” emendas constitucionais que autorizam, em regime de “é hoje só e a manhã não tem mais” a distribuição de benesses eleitorais.

A destruição da política e dos partidos nos levou a este quadro. Aniquiladas uma e outros, sobrou-nos a politicagem, a picaretagem fisiológica do Centrão e o populismo autoritário que atira o país no torvelinho de um desastre que nem mesmo eles já conseguem negar.

A história é caprichosa, porém. Ao turbinar transferências de renda em nome da transferência de votos, conferem uma legitimidade irrevogável à ideia de que o país não pode deixar seu povo na fome e na miséria e muito menos marcar data para a crise, após as eleições, quando os auxílios serão retirados.

Eles quebraram os santos de seu próprio altar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.