Fachin inocenta Gleisi de corrupção mas arranja “crime eleitoral” para não absolvê-la

minus

Edson Fachin, que se dispôs a ser uma espécie de supremo escudeiro de Sérgio Moro na Lava Jato, deu um voto de contorcionista para pedir a condenação de Gleisi Hoffman no absurdo processo que está sendo julgado hoje.

As acusações são pífias e baseadas apenas em delações – que, aliás, se contradizem e mudam ao longo de todo o processo – e em rabiscos de iniciais “PB” que, insiste a promotoria, se refeririam a Paulo Bernardo, marido da hoje senadora e presidente do PT.

O argumento do subprocurador da República Carlos Vilhena , que a acusou, é de corar um frade:””Enquanto parlamentar, líder do Partido dos Trabalhadores, do qual hoje é presidente, a senadora Gleisi Hoffmann podia, devia, ter estancado a sangria que ocorria na Petrobras”.

Quer dizer que um deputado é obrigado a saber do que se passa nos contratos de uma estatal e nas negociatas de um diretor, Paulo Roberto Costa, que nem pelo seu partido havia sido indicado?

Haja teoria do domínio e da “adivinhação” de fato.

Porque não há provas, embora Fachin tenha preferido usar a expressão “insuficiência de provas”.

Ao que é possível saber de seu voto pelos jornais que estão cobrindo a sessão, está tentando fazer uma “conta de chegar” usando o desmoralizadíssmo depoimento do deputado Pedro Correia, do PP, que se presta hoje a “pau para toda obra” de Sérgio Moro.

Já uwe uma delação não serve como base para condenar, arranja-se outra, para que ela não seja “solitária”.

Correa diz que Paulo Roberto Costa teria transferido R$ 1 milhão para a campanha de Gleise por ordem de Dilma. Mas Paulo Roberto Costa diz que Dilma nunca lhe  pediu nada e que deu o dinheiro para ficar “amigo” de Paulo Bernardo.

Duas histórias totalmente diferentes e contraditórias, mas que, para o raciocínio rastejante de Fachin servem como prova de que o milhão existiu.

E, com pase nesta “prova” imaterial, pediu a condenação, já que não tinha como pedir por corrupção, por “falsidade ideológica” eleitoral, por não ter declarado o dinheiro como doação.

Evidente, no caso, a chicana para condenar alguém por crime diferente da denúncia que falava em corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o que é vedado pelo princípio da correlação entre acusação e sentença.

É improvável que os demais ministros concordem com este “arranjo” para que Fachin, sem ter outra saída, fuja do papel de “absolvedor”, a que estaria obrigado se sua estatura moral não tivesse se reduzido  ao que se tornou.

Por isso, está enrolando a finalização do voto, para que o lobby da mídia possa tentar influenciar os demais juízes da Segunda Turma do STF.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

29 respostas

  1. Fachin é um exemplo concreto da máxima: “A ocasião e o poder não moldam o caráter, apenas o revelam”.

    1. A-CO-VAR-DA-DOS!!!

      Com o Supremo e com tudo…

      Voto técnico ainda existe? Sem preocupações com a “opinião pública” que, na verdade, é a opinião publicada.

  2. Sr. Fernando receba meus parabéns por ainda ter saco de escrever sobre as putarias desenfreadas de que somos vítimas. De qualquer forma deve ser bom porque na realidade acaba sendo um desabafo. Eu sinto como se uma imensa caixa de gordura tivesse transbordado e nós minimamente conscientes estamos no meio. Nunca imaginei que um dia sentiria tanto nojo do país onde vivo.

  3. É inacreditável como um sujeito é alçado à ministro do stf e se torna um indivíduo tão pusilânime….precisamos nos recordar bem do nome Fachin.. ele terá a sua merecida recompensa histórica.

  4. Fachin, maçom do Paraná (tal qual Félix Fischer, relator da lava jato no STJ), embora ministro do STF, é subordinado do Moro mestre grau 33 na maçonaria. Busquem no Google.

  5. faquinho sendo o que é: covarde. e deve mesmo ter sido contorcionista em outra encarnação

  6. O ministro Fachin parece estagiário de Sérgio Moro. Ministro do STF não pode condenar sem provas. NO Brasil esse papel já é de Moro.

  7. Fachin é um exemplo concreto da máxima: “A ocasião e o poder não moldam o caráter, apenas o revelam”.

  8. Fachin foi o que sobrou do que outrora foi um dia juristas respeitaveis. Pusilânime, refém de MBLs e Vem pra Rua, dominado pelo canto da sereia golpista, se empluma todo, se contorce todo pra falar as maiores bobagens juridicas deste torrão tupiniquim,
    Pobre Fachin, um zero a esquerda nem sempre é um 10 pra direita..

  9. Esse “juizeco de briga de galo”, velho, sem caráter, golpista e acima de tudo mal agradecido, pois está apunhalando pelas costas quem o guindou ao elevado cargo que, imerecida e infelizmente, ocupa, indicado que foi pela presidenta Dilma, que acreditou em sua falsa reputação de homem probo, tem no nome a clara pista da qualidade de sua moral traiçoeira e de seu indigno comportamento para um homem de sua idade: FAKE IN.
    Pobre deste nosso país tão grande e amado! Pobres de nós brasileiros que não merecemos esse indigno e inconfiável judiciário que temos!
    Senhor FAKE-IN, desculpe a franqueza, mas V.Ex.ª envergonha as calças que veste!!!

  10. o Correio Braziliense, um jornal asqueroso pelas metódicas manipulações que comete, botou a noticia da absolvição numa noticia ao pé da primeira página. Se fosse condenação, estaria em manchete de oito colunas na parte de cima da primeira página. Acompanho esse jornalzinho vendido e invariavelmente constato a deliberada escolha de palavras, as insinuações, a abjeção com que seus empregados (dizer jornalistas seria ofender quem o é de verdade) vendem o peixe do golpe. “Petrobrás quebrada”, “golpe duro na justiça” (essa a respeito da decisão do STF sobre condução coercitiva), “retomada da economia”, são colocações típicas dessa escumalha. Não se sabe se seus empregados são cinicos vendidos ou se foram escolhidos por sua total incapacidade de análise e crítica. É um jornaleco mentiroso contumaz e manipulador.

      1. você está certo. tínhamos uma assinatura que cancelamos há vários anos. hoje leio a 1a. página na padaria quando compro pão de manhã e tem a pilha desse lixo ao lado do caixa. é um exercício de análise critica do discurso, como dizem os lingüistas. o Correio, como o resto dessa midia pútrida, é pura novilíngua de Orwell.

  11. O Fachin se esforça muito, mas o queridinho, o ai-jesus da mídia golpista é agora o Barroso. O Valor e o Globo testam a popularidade em impopularidades de Barroso, dando a ele duas páginas inteiras para que ele defenda as ilegalidades lavajatinas. É intrigante como certos reacionários, quando saem do armário, ganham um gás de vitalidade super-extra, e parecem estar vivendo uma eufórica segunda adolescência. Mas embora o Barroso seja talvez o mais destacado acaciano em ação no Brasil, ele só funciona para seletas plateias de boquiabertos fãs de acacianos. Eleitoralmente não emplacaria nem como vice do Luciano Huck, porque o acacianismo não está na moda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *