Faroeste caboclo na CCJ, pode?

O deputado Eduardo Bismarck, do PDT, diz que o líder do PSL, Delegado Waldir, estava armado no plenário da CCJ.

O “delegado” se defende dizendo que usava apenas um coldre, vazio.

A pergunta, óbvia, é a que os poltrões que dirigem a Câmara dos Deputados não farão: o que leva um deputado a vestir um coldre, ainda que sem a arma que lhe corresponde, para ir debater?

O coldre é inofensivo, dirá.

Sim, um pistola descarregada também é. Como seriam um fuzil ou uma bazuca, desmuniciados. Ou uma arma de brinquedo.

Alegóricos, mas intimidantes.

Rodrigo Maia e a Comissão de Ética da Câmara estão na obrigação de abrir um inquérito, já que o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Felipe Francischini, não determinou a verificação de se o coldre estava vazio ou cheio.

Do contrário, estará oficializado o banditismo parlamentar.

Ou já está?

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Mesmo se ele tivesse deixado a arma em uma revista, teria de deixá-la com o respectivo estojo. O que faz parecer é que estão abrindo aos poucos uma brecha para que amanhã não apenas andem armados, como também passem a sacar armas e agitá-las contra os adversários. Quem nunca se acostumou a debater e não tem suficiente argumentação para tanto, dependendo do grau de grossura, pode ter a tentação de trazer na cintura um argumento irrefutável.

    1. São os famosos cidadãos de bem….
      Trogloditas, assassinos, covardes e todo tipo de perversão é encontrado nesse coletivo de eleitores de BOSTAs

  2. Aparentemente, pela foto, o coldre estava municiado. Alguém revistou o “delegado” para saber se a arma não estava no bolso do paletó? Teremos um novo “João” da música do Renato Russo, na Câmara?

  3. Já, já, Silvestre Péricles e Arnon de Mello ressurgirão, vivos sairão, mortos deixarão. A História se repete, primeiramente como tragédia, segundamente como tragédia maior.

  4. Gostaríamos que fôssemos uma nação e não um país dividido e enlouquecido. Dia 7 era uma oportunidade para QUE MILHÕES fossem às ruas. Bastam 2…,3… milhões e tudo poderia mudar. Mas nada. Olhei pelos lados e vi quiçá dezenas. Aqui já o ditado: quem se cala, consente.

  5. Kkkkk o que mais tem é bandido neste Congresso e reforçado agora com os milicianos como este sujeito aí.

  6. Se alguém quiser confirmar o quão baixo chegou nosso congresso, ouça esse delegado Waldir. E fica sempre a pergunta: como é que alguém vota num traste desses? Desculpem, falei bobagem. Se elegeram Bolsonaro qualquer primata pode se candidatar

  7. Mas o que um pacto cidadão de bem estaria fazendo com um coldre sem a arma?? Aliás, que lógica tem um indivíduo andar com um coldre vazio?

  8. E para que andar com um coldre se não leva a arma? Se deixou no gabinete então entrou armado na Câmara? Onde deixou a arma? Para que se usa uma arma no Congresso? Será que é para se defender dos ladrões que circulam por lá?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.