Kfouri: Guedes disse que Lula “não roubou um tostão”

O jornalista Juca Kfouri publicou hoje, em seu blog, o que o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse a integrantes de tribunais de contas que estava convencido de que o patrimônio de Lula  prova que o ex-presidente “não roubou um tostão”.

Em reunião com seis presidentes de Tribunais de Contas estaduais, o ministro da Economia, Paulo Guedes, usou tom catastrofista ao defender as reformas que preconiza e sentenciou: “Em Brasília estamos como em Versalhes: à espera da guilhotina”. De tudo que disse, porém, o que mais chamou atenção dos presentes foi sobre o ex-presidente Lula: “Estamos convencidos de que Lula não roubou um tostão. E seu patrimônio prova isso. Ele não teve foi quem o avisasse do que acontecia em torno de seu governo. Acabou vítima do jeito de fazer política no Brasil. Serve como exemplo”. Entre tantas outras coisas, Guedes é crítico da maneira como se construiu a Arena Corinthians, para ficar apenas para ficar apenas no futebol. A reunião aconteceu no sexto andar do ministério da Economia, no dia 12 de março.

Estavam na reunião, segundo a agenda oficial de Guedes, os seguintes presidentes de tribunais de contas: Thiers Montebello – Presidente TCM/RJ; Antônio Roque Citadini – Presidente TCE/SP ; Adircélio de Moraes Ferreira Júnior- Presidente TCE/SC ; Edilberto Carlos Pontes Lima- Presidente TCE/CE;  Celmar Rech – Presidente TCE/GO, Cláudio Couto Terrão, que deixava a presidência do TCE de Minas Gerais , além do  conselheiro Antônio Renato Alves Rainha do TC/DF.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

29 respostas

  1. que ele não roubou, todo mundo sabe, inclusive os TC do país, os bancos internacionais, o pig e as togas. Não precisa um tchuthuco fazer essa “revelação”. O que falta é alguém com coragem pra cumprir a lei e reverter a sentença fajuta, mal embasada e golpista. Como devem estar todos/as no bolso do juizeco, sendo ameaçados e chantageados….

    1. E não custa lembrar que no caso triplex “Sejumoro” usou matéria da Globo como “prova documental” para dizer que é de Lula, conforme post publicado no blog do Nassif: https://jornalggn.com.br/justica/moro-usou-materia-da-globo-como-prova-documental-que-triplex-e-do-lula/
      E é como disse o jornalista americano radicado no Brasil há 20 anos: “Lula é um prisioneiro de guerra dos Estados Unidos”. https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/387631/Brian-Mier-Lula-%C3%A9-um-prisioneiro-de-guerra-dos-Estados-Unidos.htm

  2. Arbítrio não é ausência de lei, mas fazer de sua vontade e de seu interesse a lei. É nessa legalidade que se sustenta o Golpe de Estado contra Dilma, contra seus eleitores, contra o sistema democrático. É nessa legalidade que sustenta a fraude do processo kafkiano contra Lula e sua prisão. Não apenas Dilma teve seu mandato caçado e Lula foi preso. Todos nós tivemos nossos direitos caçados, e todos nós estamos presos nessa farsa infernal.

    1. Em suma, a Farsa a Jato é uma milícia do consórcio judiciário-MP de Curitiba.

      Semelhante aos policiais bandidos, mas com um verniz jurídico.

      1. Acho que a Lava Jato tem dois vetores diferentes: um interno-nacional e outro externo-internacional.
        No vetor interno-nacional pode-se dizer que a “Operação” foi instrumento de luta política e uma estratégia para derrotar o PT e devolver o poder Executivo e as rédeas do país às mãos dos promotores e dos fiadores daquela operação (Mercado, o “eles” (apud Lula), a Grande Imprensa, seus Cardeais Políticos e um Supremo alinhado e pouco a pouco dominado e acovardado), a espécie de santa aliança demo-tucana-bufunfeira-midiatica incapaz de vencer no campo democrático e eleitoral existente. O instrumento e a estratégia foi sendo desenvolvida e aperfeiçoada ao longo e no decorrer da disputa política. Sua forma final foi o estabelecimento de um padrão político marcado e pautado por um processo de judicialização da política e de partidarização da justiça. A idéia para “sacar o PT do poder” era basicamente o de criminalizar aquele agrupamento e aquela força política e desmoralizar seus militantes, simpatizantes e eleitores. Era o desenho idealizado e promovido pela Grande Imprensa da batalha entre os petralhasm os mortadelas, contra os “apartidários”, sim porque no Brasil só os petistas são partidários, o resto só “pensa no bem da nação”, são os “homens de bem” e os “coxinhas”. O meio foi criar um tribunal de exceção e um clima inquisitorial muito bem disfarçado de movimento contra a corrupção contra a “organização criminosa petralha” dirigido pela sociedade civil e pelos “homens de bens” demonstrando a legalidade de todo o processo e que as instituições estavam finalmente funcionando no Brasil (narrativa construída pele Grande Imprensa nacional e que foi num primeiro momento comprada pela Grande Imprensa Internacional, a ficha só começou a cair durante e principalmente no dia da votação da admissibilidade do Golpe de Estado, este travestido constitucionalmente de impeachment.
        No vetor externo pode-se dizer que a “Operação” foi promovida e desenvolvida pelo Departamento de Justiça Norte Americano Trata-se de um nova forma de atuação da política externa para influir nos país e empresas concorrentes nas diferentes disputas comerciais-empresariais e geopolítcas-militares. A velha fórmula da intervenção direta a intervenção ou indireta com o apoio a golpes e ditaduras militares depois do longo processo de redemocratização e do ainda mais longo período ditatorial, passaram a ser coisas do passado na América Latina. Além do mais ná ultima década aquela região passou por uma onde de governos claramente progressistas e com uma linha de política bastante independente dos interesses e políticas dos EUA. A nova estratégia foi uma mescla “ações legais” nos EUA contra as empresas concorrentes das empresas americanas, alianças com setores do poder judicial e político e influentes na opinião pública para desestabilizar as empresas e os países classificados como concorrente ou inimigos que pudessem desenvover politicas que contrariam as politicas dos Governos dos EUA e concorrer com as empresas daquele pais. É bastante mais difícil saber como de fato aconteceu essa relação mas os documentos abertos pelo Wikileaks nos deu uma boa idéia de como se deram. Encontrar jovens gananciosos, vaidosos, mal formados profissionalmente e culturalmente, orientados ideológica e políticamente, deslumbrados arrivistas de terninhos mal cortados e de gosto duvidoso, não parece ser algo realmente muito difícil para o governo da mais poderosa nação do Globo.

        1. Concordo com tudo o que está escrito acima, inclusive já sabia da maior parte da história.

          A Farsa a Jato não é algo apenas paroquial, mas geopolítico.

          Ocorre, porém, que é uma história muito longa para se contar.

          Se der tempo de contar ao taxista, ao balconista, ou no botequim, ótimo.

          Mas às vezes é preciso ser rápido, pois não há tanto tempo, e defini-la como uma milícia que não veio para acabar com a corrupção, mas sim para tomar o poder, chantagear e achacar, é uma narrativa mais rápida.

          E é fato de que episódios mais recentes tem aos poucos reforçado essa semelhança com uma milícia.

          1. o que você chama paroquial eu continuo prefirindo chamar de interno ou nacional e o aspecto que você realça (o miliciano) parece para mim e pode ser a última foto mas não explica como chegamos aqui. Não podemos ler a história de frente para para trás, com o viés do presente, como se todas as ações no passado fossem lógicas e mais do que isso sempre corretas e bem calculadas e que portanto tudo já estava traçado como um destino inequivoco, como numa sequência de jogo de xadrez, por favor, evitemos a teleologia.

            Eu te pergunto quem em 2016, 17 e mesmo inicio de 2018 poderia prever ou fazer essa aposta política? Só mesmo Paulo Guedes, especulador e oportunista típico que, para usar o jargão do mercado que o Paulo Guedes e os seus tanto gostam, comprou uma opção fora do dinheiro, super barata e ganhou a aposta contra todos os puros sangues que perderam e ficaram só com o prêmio da candidatura Bolsonaro que na época não valia nada e que continha uma aposta muito difícil de acontecer e, pior, depois de tudo ter de entregar o ativo cobiçado (o poder) para o miliciano e o especulador.

            A vitória de bolsonaro foi bastante circunstancial, imprevista, inesperada, exemplo de um cálculo mal feito e uma ação mal executada pelo golpismo puro sangue. Ou alguém acredita que em 2015 o FHC, o Temer, o Cunha, o Supremo e “eles” (apud Lula) se reuniram para bolar a maneira articulada de eleger Bolsonaro. Não me parece uma boa explicação histórica e nem uma boa explicação de porque chegamos aqui.

            Pode não parecer, mas FHC não joga para perder, ainda que muito raramente ganhe e, mais raramente ainda, da forma como imaginou ou queria para ele. De certa forma ele e “eles” acreditaram que estavam reescrevendo de novo a mesma história da ascenção tucana ao poder a mesma sequência: impeachment, ingresso e coabitação no Governo, um vice a serviço da eleição de seu candidato, e uma plano econômico para pavimentar e a consagração eleitoral de um príncipe sem segundo turno. Mas ele esqueceu que Dilma não era Collor (ainda que tenha sido impichada), Temer não era Itamar, a coabitação aconteceu mas sem sucesso e sem afinação, A Ponte para o Futuro conseguia ser só o Real do segundo principato sociológico, o céu de brigadeiro não se abriu e depois de tudo isso ninguém mais podia fazer o papel de pavão tucano, a essa altura já completamente despenado.

          2. Mas ao que tudo indica, a turma da Farsa a Jato soube surfar bem a onda. E não duvido que tenham sido cooptados/bem assessorados pelos departamentos norte-americanos. Ela aparece com força logo após as jornadas de junho de 2013.

            Se os políticos como FHC e caterva calcularam mal (assim como o PIG), azar o deles. O que realmente importa é que o Brasil está no papo (dos EUA).

          3. sim, concordo, surfistas e arrivistas, mas eles não geram a onda….A onda quem gera é o Mercado, a Grande Imprensa seus Cardeais Políticos e as “correntes transoceânicas”

  3. Guedes disse: “(…)Acabou vítima do jeito de fazer política no Brasil. Serve como exemplo”.
    A declaração dele não necessariamente é uma “facada” sobre o discurso de Bolsonaro, como alguns especulam.
    Muito pelo contrário, pode ser uma estratégia de reforço da imagem do presidente (digo, miliciano) “anti velha política”. Algo muito necessário quando se quer aprovar algo a qualquer custo e é preciso enfraquecer certas resistências da turma do toma-lá-dá-cá. O próprio Boçal Nato recentemente tinha dito algo nesse sentido.

  4. Nenhuma novidade, o problema e que Carluxo vai pra cima dele, eles se merecem!!!

    #Lula Livre

  5. Eu escutei coisa semelhante da namorada de um amigo, que disse estar ciente da inocência de Dilma e de Lula, mas que ainda assim estava feliz com sua derrubada do poder. Ou seja, grande parte de nós democratas ainda acha que é necessário convencer os coxinhas de que o golpe foi golpe e que o povo foi enganado. Mas não, apesar da mídia envergonhada ter problemas com termos como golpe, fraude eleitoral etc., os eleitores do apocalipse sabem muito bem que foi golpe mesmo. O que realmente importa neste momento é fazê-los perceber o que eles tem a perder com os golpistas e o que poderiam ganhar com um Brasil redemocratizado. Desde que FHC voltou da Europa com a notícia de que o Impítima não convenceu ninguém na Europa, o pessoal que se toma por elite ligou o fo#&-se e dobrou a aposta com o deputado menos produtivo da história do país.

  6. Seria bom a gente ter a prova disso, algum jornalista obter junto a esses presidentes de tribunais de contas a confirmação do que disse o Guedes. “Estamos convencidos”, disse o ministro tchutchuca. Eles estão no governo, com acesso a tudo, próximos da Lava a Jato, de Moro.
    Nem com a ajuda do FBI, da CIA, dos procuradores americanos e de outros países conseguiram provar alguma coisa contra Lula.
    Anos de intensa investigação e nada. #LulaInocente #LulaLivre

    1. O Kfouri é jornalista. Duvido que inventasse uma notícia dessas. E é claro que os integrantes dos tribunais vão fazer cara de paisagem já que a classe dos juízes brasileiros integrou o golpe de 2016 com toda a pompa e circunstância.

      1. Nós sabemos que Kfouri não divulgaria isso se não tivesse certeza, eu não estava colocando em questionamento o Kfouri. Imaginava o que está dizendo abaixo a Elena, o Guedes já está desmentindo. E vc tb tem razão – os integrantes dos tribunais fariam cara de paisagem, mas algum deles poderia falar in off. Bem… não vai dar em nada mesmo. Só o povo em massa pra tirar o Lula da prisão.

      2. Claro que Kfouri não inventou isso. Ele teve acesso à informação, embora um pouco tardia, e a publicou, como era seu dever. Mas logo o Guedes vai falar agora assim? E o que é que o Lula ganha com isso? Vão agora exibir a opinião do ignóbil como sendo o testemunho da verdade? Há razões de sobra para se crer que este lance midiático tenha como objetivo principal fazer nascer uma certa simpatia dos progressistas pelo intragável executor do desmonte da previdência, entre outras malditas ações predatórias. Querem que ele passe pelos progressistas sem correr o risco de ser chamado novamente de tchutchuca.

      1. Era o que eu imaginava. Mas, mesmo que por um milagre um dos presidentes dos tribunais de conta confirmasse o que o Guedes disse, o cinismo hoje é tanto que provavelmente a coisa ficaria assim – é, o Lula não roubou um tostão, e daí? Vai continuar preso e pronto.

    2. Guedes só pode ser comunista! Carluxo vai atirar nele sob intensa emoção e dominado pelo medo dos vermelhos.

  7. “Estamos convencidos de que …”. Estamos nós quem, cara pálida?
    A troco de quê esse Paulo Guedes ia puxar esse assunto que, duvido, tenha relação com a tal reunião? E declarar o que todos sabem? Parece até que está tentando atrair a simpatia da “esquerdalha”!

  8. Foda-se TCHUTCHUCA !
    Pensa que essa declaração fará com que mudemos de posição em relação a essa MERDA de DESGOVERNO ?

  9. Antonio Roque Citadino é um corrupto que já foi presidente do Corinthians. Lembram dele. Já foi citado mas como sempre trata-se de um inimputável.

  10. Que Lula é inocente nós já estamos carecas de saber… Nós, o Batoré de toga, Dellagnol e todos os canalhas vendidos do STF.
    #lulalivre
    #lulainocente

  11. Sendo verdade que o Guedes fez esta declaração. E, acredito que seja, uma vez que o Juca é um jornalista confiável, esta seria a única sentença verdadeira proferida pelo ministro. Já que, tudo que ele fala se refere à falsas premissas para justificar, a injustificável, “deforma da previdência” que propõe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *