Fraco para aprovar o que prometeu ao mercado, Temer vende o Brasil-2018

lutepriva

Os movimentos de aceleração da venda de patrimônio público e da absurda adoção de um tal “semipresidencialismo” que é um mero disfarce, como registra Bernardo Mello Franco hoje na Folha, “para o velho parlamentarismo, que os brasileiros já rejeitaram em dois plebiscitos” não são desconexos.

É que precisam manietar o governo que virá das urnas para que – mesmo sem contar com a certeza de que ele terá propor a revogação de uma série de atos – se ofereçam aos investidores estrangeiros as fatias do Brasil  que se apressam a juntar para oferecer com preços de banana.

Porque é assim que o mercado está enxergando o arroubo privatista de Temer, com o qual substitui a já evidentemente derrotada “pauta de reformas”.

E  o “mercado”, enquanto Temer se segura no poder, festeja.

Meu experientíssimo colega Mário Marona separou, no Facebook, uma série de  declarações dos “mercadistas”, antecipando o que será a privatização da Eletrobras.

Para André Rosenblit, diretor de Mercado de Capitais e Renda Variável do Santander, “os olhos dos investidores brilharam” com o anúncio porque querem “um controlador cujo foco esteja no lucro, não nos problemas estruturais do país”.
— A privatização vai aumentar o valor da tarifa. Os leilões das usinas Ilha Solteira e Jupiá (em novembro de 2015) tiveram megawatt/hora de cerca de R$ 123. Portanto, maior que o valor do regime de cotas. O valor atual de R$ 60 é insuficiente. Há muitas pressões de preços para as tarifas — destacou Ricardo Savoia, diretor da Thymos Energia.
Marcelo Davanzo, diretor financeiro da Safira Energia, o fim do regime de cotas vai aumentar o valor da tarifa. Ele cita o preço atual dos contratos de longo prazo no mercado livre, cujo megawatt/hora varia entre de R$ 150 e R$ 170. No caso do mercado de curto prazo (spot), o preço chega a cerca de R$ 450:
— A privatização é positiva, pois vai resolver problemas na companhia. Mas o fim do regime de cotas vai elevar o preço daqui para frente. Isso porque as empresas vão vender energia a preço de mercado e não com um valor fixo.
Olga Simbalista, presidente da Associação Brasileira de Energia Nuclear (Aben), também avalia que o preço deve subir, mas pondera que é preciso esclarecer como ficarão as usinas nucleares e a de Itaipu.
— O impacto da privatização das usinas cotizadas na conta de luz está calculado em alta de 7%. Tirando o sistema de cotas, o preço vai subir.

Quem vai assumir este setor? Empresas de infraestrutura nacionais, detonadas pela Lava Jato? Empresas estrangeiras de energia, que quebraram a cara com a política de implantação de termoelétricas, no “apagão” de FHC  – com a garantia de preço alto, que acabaram tendo de ser assumidas pela Petrobras, para não pararem de operar.

Mais: que investimento estes grupos farão, para recuperar em oito a dez anos, prazo em que uma hidrelétrica  leva para começar a ser remunerada? A que juros tomarão este dinheiro, sem mesmo a TJLP do BNDES, que está sendo extinta no Congresso? A ideia de que se poderá subsidiar com recursos orçamentários, quando as contas públicas estão sendo espremidas até o talo à procura de reduzir déficits?

O “brinde” de Temer ao mercado é o comprometimento do futuro do país. Depois que ele for, como deseja o povo, jogado no lixo em 2018, ainda se passará muito tempo jogando fora o lixo do mal que ele está causando ao país.

E um novo presidente, se lhe tirarem a vassoura, ficaria impotente para faze-lo.

Deixando os ratos à vontade no monturo.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. E um tal de Ernesto que comenta aqui, o que tem a dizer? O que teria a dizer que, no governo FH (o “estadista” que ele finge admirar – ele gosta mesmo é do Bolsonaro), tenha ocorrido um apagão por falta de investimento estatal na geração e transmissão de energia (imagine a distribuição, que ficava a cargo de um tal “Luz no Campo”, programa fictício que exigia contra partida até de trabalhadores rurais que viviam em estado de penúria); o que teria a dizer o ‘oráculo de merda’ sobre o governo petista ter triplicado a geração de energia no país (inclusive com fontes alternativas), ter quintuplicado a rede de transmissão, e ter feito um dos maiores programa de distribuição de energia já vista nos últimos tempos (sou a prova viva disso – quantas e quantas comunidades deste rincão onde moro não testemunharam a entrada de empresas fincando postes, colocando geradores, esticando cabos, etc, às vezes para levar luz a uma residência com apenas 3 pessoas na casa?) Tá aí, otário, pq vc não entende o real significado do Lula para o povo nordestino, é que diferente do Dória (que mais logo tu vai dizer que é o teu candidato em 2018), ‘o cara’ resolveu o problema, foi lá e fez, e num adianta tu choramingar não, o Lula tem muito mais voto do que tu pensa, é que os eleitores do Lula estão naqueles lugares que tu nem sonha em visitar, muito menos que seja feita alguma obra pública para eles. Essa vcs já perderam, e ao menos que vc deixe de ser covarde e assuma de vez a tua vocação fascista e advogue “esterelização” dessa raça inferior (Jorge Bornhausen), vão perder sempre.

  2. A privatização da Eletrobras vai pagar – na melhor das hipóteses – três meses do serviço da dívida.

    Quando não tiver mais nada para privatizar, só se estabelecerem que 100% de todos os impostos será para pagar os juros da dívida.

  3. Que zona é essa?! cadê os sindicatos pra parar esse país com a greve geral e forçar a saída desse rato do temer?!!

    E o mercado é claro que vai ficar eufórico, comprar por R$20 bilhões o que vale R$400 bilhões é de ficar em êxtase mesmo! Esses miseráveis capitalistas neoliberais oportunistas!

    Rapaz, ja passou da na hora “de chutar o pau da barraca”!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *