Governo caminha para duas derrotas: armas e extinção de conselhos

O governo Bolsonaro caminha para duas derrotas, uma no Senado e outra no STF.

Dentro de alguns minutos, a Comissão de Constituição e Justiça deverá aprovar, com folga, a indicação da derrubada do decreto pró-armamento baixado por Jair Bolsonaro.

Pelos pronunciamentos até agora, o texto será o de Veneziano Vital do Rego, derrubando o relatório de Marcos do Val, armamentista ate a medula.

A segunda, esta mais incerta, é a revogação pelo Supremo Tribunal Federal, da extinção dos conselhos criados até a posse do atual presidente, através de decreto presidencial.

É a liquidação de um mínimo de participação da sociedade na definição de políticas públicas e nas regras de sua implementação.

PS. Acabou neste instante a votaçao na CCJ: 15 a 9 contra o decreto de Bolsonaro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

    1. “Fazfavorplease, tira essa arma daí e pede pra alguém serrar a maça de mira, que isso dói, e diz pro idiota do DD calar aquela boca neopentecostal sem noção!”

  1. O bandido do Planalto tomou na fuça.
    Parece que está entrando um pouco de ar puro no hospício Brasil.

  2. UM DUETO FUNK:
    Moro:- Vai me enterrar na areia?
    Greenwald:-Não,Não!Vou atolar.
    Moro:-Tô Ficando atoladinha..

  3. O que vemos é gente que era Bolsonaro (talvez milhões) aproveitando a deixa para dizer que foi enganado e cair fora deste barco furado. Mas nos vazamentos explosivos, chama particularmente a atenção a aflição de procuradoras sobre a possibilidade de uma entrevista do Lula que traria o risco de eleição do candidato do PT. Elas denotam um quase desespero, como se estivessem a ponto de concluir algo muito grande e de repente surgisse um perigo inesperado que ameaça todo o esforço aplicado, mas que também traz o risco de que seja revelada, com a subida do PT ao poder, alguma coisa muito comprometedora para elas e que deveria permanecer oculta para sempre. Elas dirigem-se a seu chefe Dalagnol, dizendo que estão rezando para que a entrevista não aconteça. E o chefe, evidentemente, busca tranquilizá-las, e diante da preocupação excessiva, ele não esquece de acrescentar que a preocupação é “pelo país”. Aí tem coisa. A preocupação arrepiante deles todos talvez não seja pelo país, mas por eles mesmos. Isso também tem cheiro de grana e muita grana. Tão imensa preocupação surgida de idealismo puro pelos destinos do país? Destes daí, que está agora provado que não têm escrúpulos? Certamente que não. Isso cheira a grana. A preocupação viria de negociações esquisitas sobre delações e, principalmente, do cumprimento ou não da encomenda externa da prisão de Lula, que pode envolver dois ou mais bilhões de dólares.

      1. Este agora ganhou uma dimensão muito mais digna. Ao contrário do que acontecia até há pouco, agora ele assume papel relevante.

    1. Quer um exemplo da preocupação que esses “puros” têm com o País? Só um exemplo?
      Os 2,5 bilhões de reais da Petrobras, que iriam direto para o bolso… digo, para uma conta sob controle do Fraudan Fraudagnol!

  4. A discussão não está em “Lula inocente, Lula culpado”. O debate, muito maior, é a necessidade de Justiça Imparcial. Pois vale pra mim, pro Lula, pra você, pro trombadinha, pro assassino, pra tia, pro presidente, pros juízes. Não pode haver dúvida a respeito da ISENÇÃO da Justiça

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.