Singer: como manter o voto e destruir o cerne da democracia

atrapalha

Precisa e didática a análise de André Singer, de volta à Folha, sobre o sentido dos balões de ensaio de parlamentarismo e do eufemismo “semipresidencialismo”.  Numa sociedade despolitizada e “despartidarizada” (certamente até pela profusão de partidos sem significado), as eleições presidenciais “são os momentos em que, apesar das distorções do dinheiro e do marketing, o eleitorado expressa uma vontade majoritária a respeito dos rumos nacionais”.

Faltou apenas  acrescentar, com os mesmos “apesares”, as manobras de natureza judicial que visam, tão escancaradamente quanto as que se fazem na política, impedir a manifestação desta vontade.

Um novo regime?

André Singer, na Folha

As comparações entre 1964 e 2016 devem ser feitas com cuidado. No primeiro caso houve o golpe de Estado clássico do século 20: tomada do poder violento pelas Forças Armadas e supressão das liberdades democráticas. No segundo, usaram-se as próprias regras democráticas. Foi um golpe por dentro, parlamentar, por isso, preservando, até aqui as liberdades básicas de expressão, reunião e organização.

Não obstante grandes diferenças, o sentido geral dos movimentos guarda semelhança. Trata-se de apear do governo e bloquear, tanto quanto possível, a alternativa popular realmente existente no Brasil. Depois, implantar, sem necessidade de consultar as urnas (pois não ganharia), um programa de natureza liberal forte.

As propostas de parlamentarismo e semipresidencialismo, recentemente levadas à consideração do público na forma de balões de ensaio, dão passo adiante no intento golpista. Caso aprovadas, fariam a transição do que foi, por ora, uma mudança de governo para uma mudança de regime, de consequências bem mais duradouras. Tanto o parlamentarismo quanto o semipresidencialismo esvaziariam a eleição presidencial —a começar pela de 2018—, retirando o núcleo de soberania popular existente na democracia brasileira.

A reflexão sobre as vantagens relativas do parlamentarismo e do presidencialismo precisa ser feita à luz não de suas características, por assim dizer, técnicas abstratas, mas da história concreta do país. Convém lembrar que o PT, tal como o PSDB, tinha como bandeira original o parlamentarismo. No entanto, o processo efetivo, entre 1989 e 2014, mostrou que os pleitos presidenciais são os momentos em que, apesar das distorções do dinheiro e do marketing, o eleitorado expressa uma vontade majoritária a respeito dos rumos nacionais.

O lulismo —cuja existência fica mais uma vez comprovada pela caravana de Lula no Nordeste soube se constituir enquanto polo popular do sistema, dando vida às regras da Constituição de 1988, tal como o getulismo o fez depois de 1946. O fato de o lulismo ser de natureza conciliadora —o que explica a aliança com o PMDB e Joaquim Levy na Fazenda— confunde alguns analistas. O lulismo não é propriamente de esquerda, mas é profundamente popular.

Preservar o núcleo democrático representado por eleições livres e competitivas à Presidência da República, nas quais o lulismo tenha plena chance de disputar, vencer e exercer o poder é a tarefa do momento. Alterar o sistema de governo agora completaria o golpe de 2016, adiando sine die a construção democrática brasileira. A essência da democracia é deixar que as maiorias formem-se livremente, aceitando os seus desígnios. É o que está em jogo no momento. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

30 respostas

    1. Faltou falar que já vivemos esse Parlamentarismo de fato no momento que que houve um Golpe ao Presidencialismo, quando Eduardo Cunha fez o Congresso efetivar um “Voto de Desconfiança” na Presidente Eleita…

      Aliás, desde 2014 o CN funciona como Parlamentarista, sendo o Presidente uma mera Rainha da Inglaterra, onde quem manda mesmo são os primeiros ministros que desde 2014 foram Eduardo Cunha, Aécio, Rodrigo Maia e agora parece ter retornado Aécio!!!

      É tudo isso ocorreu por estarmos no ápice do Financiamento Empresarial de Campanhas Políticas… E os Financiadores de Campanha conseguiram se organizar (além de organizar Patos para servirem à sua causa de aumentar lucros e mamatas), mas este sistema está ruindo em si próprio, por isso os Financiadores impõe tanto um programa ultraliberal (até maior que o apresentado pelo derrotado Aécio) para aproveitar o período de Exceção e conseguir estabelecer novas estruturas que ampliem ainda mais as desigualdades para que eles lucrem ainda mais!

  1. Os golpistas nao deram o golpe apenas para tirar a presidenta dilma em 2016 completar o mandato ate 2018.eles tem uma estrategia de poder….

  2. Em1963 meu pai votou no presidencialismo.em 1994 votei presidencialismo.o parlamentarismo foi derrotado duas vezes.agora ampla campanha contra esta investida golpista.

  3. Imagine um país mágico, cheio de mágicas e que o dinheiro ilícito corre pra lá e pra cá.

    Imagine que Palofi vai delatar.

    E ele já começou a dizer que o ex-Presidente do STJ ganhou 5,5 milhões pra melar a operação Castelo de Areia.

    Quem intermediou essa propina da empreiteira?

    Márcio Thomaz Bastos.

    E de quem Márcio Thomas Bastos foi Ministro da Justiça?

    Como diz PHA, isso não vem ao caso.

    Se houve ilícito, houve sem que o chefe maior tivesse tido qualquer ciência.

    O chefe maior nunca soube de nada.

    Ele está lá na sua “Coluna Prestes”, ganhando títulos de doutorado “ó nóis na causa” que não lhe garantirão prisão especial.

    A sua chance está no Ministro Gilmar mudar seu voto sobre a prisão após condenação em segunda instância.

    Que ironia!

    Ser salvo da prisão pelo Ministro mais corrupto e mais atacado (com razão) pela blogosfera petista.

    O TRF4 está aí na portinha.

    Mas a “Coluna Prestes”, daquele líder populista que não sabia das maracutaias nacionais,

    Até porque era muito santo para que os demais políticos lhe passassem detalhes tão sórdidos sobre a vida política nacional,

    Segue pedindo o voto.

    Mas se esquece o populista que para ser votado precisa ser candidato.

    Se esquece também que para ser candidato precisa ser elegível.

    Se esquece também que a Lei Complementar n.º 135/2010, que alterou a Lei Complementar n.º 64/1990, ou seja, bem antes de se iniciar a Operação Lava Jato, determinou que o réu que é condenado por crime em segunda instância se torna inelegível.

    Tem coisas que o populista nunca soube.

    Tem coisas que o populista se esquece.

    Vai passar esses dias tomando uísque Drurys em copo de massa de tomate e segurando menino cagado no colo.

    Mas seu nome não estará na urna em 2018.

    Sua foto não estará na urna em 2018.

    Se Gilmar mudar o voto, no máximo andará pelo Brasil, em outra “Coluna Prestes”, pedindo votos para figuras impolutas como Renan Calheiros e Gleisi Hoffman.

    Parafraseando Dinho Kapp, ô ética petista dos meus sonhos!

    1. É melhor ler a matéria sobre o Palocci. O mesmo texto diz que ele acusa ministro do STJ e mais adiante fala que ele nega as acusações. É notícia ou é fofoca? Boato produzido com que intenção?

      1. Um ônibus andando pelas estradas poeirentas do interior, parando em cada lugarejo para fazer performances teatrais que encantam os caipiras…

        Não sei se é Coluna Prestes.
        Acho que está mais para Priscilula, a Rainha do Deserto.

          1. Já acordou? Vi no outro post que você comentou às 3:00, às 5:00, às 8:00. Você não dorme? Já calculou o espaço das falsas “30 mil pessoas”?

          2. hehehehehe ZzzzZzzzzZZZzzzz Estou de férias em Jupitér, conhece ?

    1. Não vou abrir o detrito solido da maré baixa, isso ja é demais, estraga qualquer fim de semana ! Sem contar que isso ai é papel de toilet não ? … Prefiro dar um pulinho no planeta Saturno do que ter que ler a Oia ?! So’ o FB parece ler esse lixo porque ele diz ser necessario como jornalista. Eu se fosse jornalista, me recusaria também. Isso é leitura de paneleiro desmiolado, demência meu, eu hein ?! … ZzzzZZZzzzZZZzzzZZZ

    2. Motivos existem de sobra pra se desprezar esse lixo fétido que alguns teimam em chamar de jornalismo.

  4. Golpe é uma palavra forte, potente, ensurdecedora. Panelas soaram fortes para estampar o golpe. A mídia calou-se perante o golpe. O golpe destruiu os sonhos, a esperança, as vidas e as dignidades das pessoas. A Folha incentivou o golpe. Agora é tarde para reconhecer o golpe. O golpe está consumado e consumindo a todos sem exceção.

  5. Chagas Freitas,Moreira Franco,Marcelo Alencar,Garotinho,Rosinha Matheus Garotinho,Sérgio Cabral,César Epitácio Maia x Farsa Jato e fura tetos do judiciário,mp,tribunal de contas do Rj.

    Neste tira-teima quem foi que deu mais prejuízo ao Rio de Janeiro?

    Como os golpistas praticamente já fecharam a UERJ,estamos esperando os grandes economistas da UFRJ começarem a divulgar os primeiros estudos relacionados ao mega prejuízo que a Farsa Jato já deu ao Rj e consequentemente quebrando o estado.

    Gostaria depois de ver a cara dos apoiadores do juiz Bretas como vários decadentes atores da tv Globo e alguns”políticos”e cínicos falsos moralistas sub celebridades que estão aproveitando os holofotes da mídia mundial na questão do crime da Amazônia brasileira para aparecer.Gente com crime ambiental nas costas,gente que nunca defendeu a Amazonia em nada como Marina Silva,Fafá de Belém(o nome não passa de mero enfeite,já que seu nome deveria ser de fato Fafá de Alphaville),Ivete Sangalo!, e outras trapalhadas da vida.

    Chega!

    Esse povo é responsável também pela tragédia nacional do momento.

    Raimundo Fagner dizendo que Aécio lhe deve desculpas!

    Quem deve desculpas é ele ao seu público que na grande maioria não votou em Aécio mas respeitou a decisão do artista em questão.

    E as reuniões de Fagner com o quebrador do Rj e vários outros estados do Brasil,Sérgio Moro,por exemplo?

    Esse cínico também não vai se desculpar?

  6. LULA NA BRASÍLIA TEIMOSA !!!!! RECIFE – PE

    Bem longe das “estradas poeirentas” , mas quero ver os candidatos limpinhos e cheirosos andarem na Brasília Teimosa.

    Por fim, só lembrando que mesmo as cidadezinhas que ficam nas margens das estradas poeirentas também estão povoadas de seres humanos, gente de carne e osso, que precisa comer, estudar, trabalhar, ter garantida sua cidadania. Coisa que para paulistanos doentios e alguns vendedores de cafezinho numa esquina de interior desconsideram como essencial à construção de uma nação.

    Dois pobres diabos , dementados pelo ódio implantado via chip televisivo tsc tsc. Pobres diabos e meros diabos pobres, pior ainda !!!

  7. Ainda bem, para os nicaraguenses, que os vários grupos que lutavam contra Somoza resolveram se unir na FSLN e adotar a luta armada unificada contra aquela ditadura em vez de ficarem sonhando com soluções pacíficas e cirandeiras que levariam o ditador e seus aliados a deixarem o poder pelo bem da Nicarágua.

  8. Lula sabe estabelecer contato com o que ainda resta de humanidade em cada pessoa, mesmo falando com uma multidão. Aprendeu com a vida a não ser refém do ódio e das injustiças de que tem sido vítima. Está sendo condenado por ter feito o Brasil ser respeitado em todo o mundo, por ter tirado nosso País do mapa mundial da fome, por ter governado pensando primeiramente nos mais pobres, nos mais necessitados. É um ser humano imune ao ódio que muitos acham que sentem por ele, é um verdadeiro líder.

  9. Concordo com Singer” O lulismo não é propriamente de esquerda…” nesse caso seria o PT um partido de esquerda? (Fiquei em duvidas)

    Ou uma porta de entrada para a genuína esquerda, leninista marxista….?

    1. Há correntes socialistas dentro do PT, mas a maioria, na prática, defende a social democracia com ênfase na participação popular. Entendo que tal posicionamento coloca o PT como esquerda, segundo o critério de defesa dos interesses das classes populares, da classe trabalhadora, notadamente dos mais pobres, embora não proponha as soluções clássicas do socialismo.

      É interessante notar o movimento dos principais partidos desde o fim da Ditadura. O PSDB, que nasceu com a proposta da social democracia (e ficou apenas no discurso), hoje é um partido de direita ultraliberal com alas na extrema direita fascista. E o PT, que tinha um discurso muito mais radical à esquerda, terminou encampando na prática os ideais da social democracia, segundo o modelo europeu do pós-guerra (estado de bem-estar social, keynesianismo, etc.).

      Penso que as discussões sobre as práticas do PT à frente do executivo central, desde 2003, incorrem quase sempre no equívoco de referir-se a “governos do PT”. A visão rasa sobre um governo de coalizão envolvendo um espectro muito amplo de partidos, como foi de fato, mascara a realidade: no auge da popularidade de Lula, o PT conquistou apenas 17% das cadeiras no Congresso. Esse número dá uma medida do quão distante esse partido esteve da hegemonia na estrutura de poder brasileira. O Poder Executivo foi fatiado entre os vários partidos. O Judiciário manteve-se absolutamente impermeável à influência do PT e a mídia dispensa comentários. Portanto, não considero que houve “governos do PT”, houve a participação do PT na mesa em que se disputava o poder, que antes era exclusiva da plutocracia, onde os interesses da classe trabalhadora e pobre nunca chegavam. E mesmo com esse relativamente pequeno espaço de manobra, o PT obteve realizações surpreendentes em diversos campos.

      Podia ter feito mais? Com certeza sim. Erros crassos foram cometidos, especialmente ao lidar com o Judiciário, com as corporações do Estado e com o Cartel da Mídia, e isto nos causou grandes frustrações. Mas, no geral, avalio que o saldo foi muito positivo, principalmente se compararmos com as opções apresentadas pela direita, cujo “programa” único é fatiar e vender o Brasil.

      1. Valmont, analise justa e informativa. Qdo Lula explica que o PT jamais teria sido eleito sem alianças, fica mais claro ainda com tua explicação. É uma pena não ter pessoas como vc comentando com mais frequência. As discussões nesse blog estão mais concentradas em torno de xingações e abobrinhas de todo tipo. Obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.