Governos cruéis: lockdown só pra quem pode

Em seguida à morte do senador Major Olímpio, a Câmara dos Deputados interrompeu seu funcionamento presencial e só funciona em “home office”. Correto, não há razão para fazer com que morram mais parlamentares.

Agora há pouco, a Volkswagen suspendeu o funcionamento de suas linhas de produção por duas semanas. Ótimo, os trabalhadores metalúrgicos devem ter sua vida preservada e não compensa morrer para que não se espere 15 dias por um carro Okm.

Políticos ou metalúrgicos, com certeza, como eu e você, merecem que o trabalho seja um meio de vida, não um meio de morte.

Mas, e os outros?

A moça que trabalha numa loja de roupas, o faxineiro que limpa as academias de ginástica, o garçom do bar da esquina também não merecem igual proteção?

E os trabalhadores dos serviços essenciais não têm o direito de viajar em transportes sem a superlotação corriqueira, porque 50, 60 ou 70% das atividades foram suspensas?

Ou lockdown e segurança são privilégios dos políticos e dos que trabalham em empresas responsáveis?

São, porque o Estado brasileiro se tornou um grande ausente para o povão.

Quando aparece, é com polícia, com bala, ou agora, exigindo que ele se apinhe num ônibus ou num trem, para morrer do “vírus perdido”, que mata agora em grande escala.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *