O Jair Valentão e o ministro mau-caráter

Jair Bolsonaro é, politicamente, um destes valentões de botequim, que fala alto e desafiadoramente, e que se considera garantido pelo “amigo fortão” do Exército Brasileiro.

Não vai brigar, mas conta com que todos ficarão intimidados e irão saindo para o lado, para evitar confusão.

Sua suposta ameaça de decretação de “estado de defesa” ou de sítio são completamente inócuas.

O Estado de Sítio, salvo no caso de guerra provocada por país estrangeiro, não pode ser decretado antes do Estado de Defesa.

O Estado de Defesa não suspende os poderes estaduais e municipais, muito menos os poderes Judiciário e Legislativo.

Autoriza, é verdade, a suspensão da liberdade de imprensa, mas dificilmente isso poderia ser posto em prática sem criar uma crise política inacreditável.

Não vai acontecer, mas amedronta meia-dúzia, não mais.

Mais grave, entendo, é a atitude do sr. Marcelo Queiroga, futuro ministro da Saúde que, segundo Lauro Jardim, que “pretende ir aos hospitais numa espécie de blitz para conferir pessoalmente se as UTIs estão lotadas e se as pessoas estão mesmo morrendo de Covid”, para tentar dar razão à defecação verbal do chefe.

Se o sr. Queiroga acha que milhares de médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e auxiliares – que arriscam as vidas e levam risco todos os dias para suas famílias – estariam fraudando atestados de óbitos para “aumentar ” as mortes por Covid é que deve estar enxergando neles traço do que tem em si próprio.

Se, de fato, fizer isso, espera-se que seja escorraçado pela comunidade médica que, infelizmente, tem sido muito leniente com um genocida no poder.

PS. Após o post, Queiroga negou que vá fazer blitzen mas não comentou as suspeitas de fraude levantadas por Bolsonaro. Desta forma, associou-se a ela.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.