Guedes x Bancos: sinais de desespero

O ataque de Paulo Guedes à Febraban – “é uma casa de lobby” (que está) “financiando ministro gastador para ver se fura o teto, para ver se derruba o outro lado” – é, ao contrário do que pode parecer, um enorme sinal de fraqueza do ministro da Economia.

Mais ainda porque, pela primeira vez, teve de jogar a toalha na sua “formula mágica para a recuperação da economia, a desoneração da folha de salários das empresas, dizendo que sem a CPMF ela será impossível e “esse imposto considera-se morto, extinto”.

O “ok, você venceu” de Guedes tem, porém, um problema: que caminhos para a economia se porá no lugar deste, ou melhor, no lugar da falta de um, pois a ideia de que um governo de direita e autoritário seria um pão de mel a atrair o capital externo?

Há algum tempo, a meta era reduzir – zerar, até, diziam – o déficit público. Não era, antes da pandemia e ela trouxe a necessidade de ampliá-lo exponencialmente e não há hipótese de o fazer sequer voltar ao que era antes dela.

Mas é um déficit tão importante quanto este na economia: é a perda de confiança que o comando do governo na área econômica sofreu.

O “mérito” de Guedes é apenas ocupar o lugar e afastar os temores de que Jair Bolsonaro opte por alguém de perfil irresponsável, que ordene gastos a rodo com olho nas eleições de 2022.

Justamente alguém com o perfil “fura teto” que o atual ministro diz estar sendo financiado pela Federação dos Bancos.

Porque no resto, tal como o ministro diz da CPMF, Guedes está “morto, extinto”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.