“Imposto dos Milionários”

O Imposto Extraordinário sobre Grandes Fortunas, aprovado ontem pelo Senado da Argentina, a rigor, nem poderia ser chamado de imposto e seria mais bem definido com o nome de “auxílio emergencial dos muitíssimo ricos aos muitíssimo pobres”

É uma contribuição para fazer frente – em em pequena parte – às despesas do país com a crise da pandemia de Covid-19, porque será cobrado uma única vez e – vejam bem a parcela ínfima – de apenas 0,02% dos argentinos, segundo a Administración Federal de Ingresos Públicos (AFIP, que é a Receita Federal de lá) que calculado sobre bens e valores superiores a 2,34 milhões de dólares, ou R$ 12 milhões.

A alíquota começa em 2% e vai progredindo até três e meio, no caso de quem possui mais de 35,2 milhões de dólares, ou R$ 180 milhões. Frise-se, outra vez: é só uma vez, não se repete no ano seguinte.

É metade do percentual, por exemplo, que se pretendia tirar dos proventos dos aposentados com a correção a menor da inflação deste ano.

O “imposto do milionário”, como está sendo chamado popularmente, nem pela sua modéstia deixou de ser criticado. A Associação Empresarial Argentina (AEA), a Fiesp de lá, disse que ele afeta a propriedade privada, atinge o investimento, a produção e o emprego e produz grande desânimo”. E o ex-presidente Maurício Macri chamou-o de “confisco.

O mesmo Macri, em 2015, disse num evento com empresários do agronegócio que se deveria “pagar mais impostos com alegria, porque esse imposto é favorável [à sociedade] e ajuda a continuar construindo oportunidades para outros”.

Pois é, parece que não é bem assim quando se trata de tirar só dos mais ricos.

Nem qe seja por uma única vez.

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email