Inquérito do STF vai achar “um cabo e um soldado”?

O ministro Dias Toffoli anunciou hoje, na sessão plenária do Supremo Tribunal Federal a abertura de um inquérito para “investigar a existência de fake news, ameaças e denunciações caluniosas, difamantes e injuriantes”.

Investigar, neste caso, é apurar a autoria.

E a autoria é, evidentemente, a dos grupos bolsonaristas e de extrema-direita, em geral, que vêm fazendo isso faz tempo, muito tempo.

De forma expressa, pelo menos, desde que, há exatos três anos, promoveram uma balbúrdia em frente à casa da família do falecido ministro Teori Zavascki, em Porto Alegre, pendurando faixa com os dizeres “pelego do PT”, “Teori traidor” e “deixa o Moro trabalhar”.

Para quem não lembra, transcrevo a Folha, à época:

Os manifestantes se queixavam da ordem de Zavascki para que o juiz Sergio Moro envie ao STF as investigações que envolvem o ex-presidente Lula na Lava Jato.
“Está muito claro que está acontecendo um golpe na República. Já ficou provado com os áudios [das conversas do Lula] que existia um aparelhamento do STF. A gente precisa de uma pressão com maior gravidade”, disse Tiago Menna, 28, da Banda Loka Liberal [organizadora do ato], à Folha.
Menna afirmou ainda que, durante o protesto, “diversos vizinhos já estavam de pijama e desceram com panelas para apoiar o ato”.

A tal Banda Loka continua ativísssima, três anos depois, disseminando ódio na internet e apoiando Jair Bolsonaro, exaltando seus “grandes feitos apenas nos primeiros meses de goveno não parecem tocar tais corações empedernidos pelo ódio às forças naturais que estão recolocando a nação em seus trilhos”.

Ou será que Toffoli ou Alexandre de Moraes vão chamar para prestar esclarecimentos o “Filho 03”, que disse que fechava o STF com um cabo e um soldado? Pediu desculpas depois de feito o estrago, como Ônyx Lorenzoni pediu desculpas pelo dinheiro de Caixa 2 depois de tê-lo gasto.

Quem sabe vai intimar seu colega, Luiz Roberto Barroso, que disse à Folha que “há no STF gabinetes “distribuindo senha para soltar corrupto”?

Ou vão saber naquele site  que deveria se chamar O Bolsonarista, que “em seus grupos de WhatsApp, os parlamentares ligados a Jair Bolsonaro reagem ao golpe do STF.  A Folha de S. Paulo refere mensagens que pedem o “fim do STF”, apontam “a toga contra o povo” e chamam os ministros de criminosos.”?

Lamento informar, ministro Toffoli, mas aqueles que os desrespeitaram estão aí, no poder.

Os que respeitaram a Justiça estão presos, escoltados por homens de fuzil até para irem sepultar o neto de 7 anos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

9 respostas

    1. Eu imaginava que Joaquim Barbosa como presidente do STF era o fundo do poço, daí vieram Carmem, a maga Patológica e Toffoli, o Indescritível. Fica pior ainda se olhar a fila de espera. Weber, Fux, Barroso e Moraes. Só mesmo o PT prá escalar uma zaga dessas. Ops, Moraes é culpa do Temeroso e do Santo. Mas, acho que o STF não chega nele, o Brasil acaba antes.

  1. Boa!! Quando a água podre, lamacenta e fétida começa a chegar nos sapatos de cromo alemão dos senhores e nos saltos “Luz da Lua” das senhoras comportadas da Corte, há a tentativa de pensar na limpeza do lixo que ajudaram a juntar.

  2. Não importa muito esse jeep, mas sabendo que o motorista fala ingles é que preocupa. Os daqui edtã prrocupados só com o soldo, o resto ? que se dsne.

  3. Quem os respeita está na cadeia e impedido de até dar entrevista.
    Acho que não tem jeito. Demoraram uma eternidade, o que significa aceitação.
    Na verdade não entendi nada do que disseram que vão fazer.

  4. “Lamento informar, ministro Toffoli, mas aqueles que os desrespeitaram estão aí, no poder.
    Os que respeitaram a Justiça estão presos, escoltados por homens de fuzil até para irem sepultar o neto de 7 anos.”
    É uma foto perfeita da enrascada institucional em que a quadrilha golpista enfiou o Brasil. Toffolis e Maias são pequenos demais para ter brio. Se submetem, muito menos por interesse proprio, do que por covardia, submissão e medo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.