Instrutor do crime. O dano colateral ao Exército que vira polícia

grafoesp

O Estadão dá manchete para algo que não é novo e tende a se agravar à medida em que se repete, ao longo dos anos, o emprego das Forças Armadas como polícia.

Ex-militares treinam bandidos com táticas do Exército no Rio, anuncia o jornalão paulista, em matéria assinada por um experiente analista de assuntos militares de sua redação, Roberto Godoy.

Como, há 16 anos, Gilberto Dimenstein escrevia na Folha que “Ex-militares treinam tráfico no Rio“, relatando que ” pelo menos 15 ex-militares treinam bandidos, num total de 265 jovens, o equivalente a metade de um batalhão da PM como o do Leblon”

Os métodos são parecidos com os que descreve, hoje, Godoy: ” Além de ensinar táticas de guerrilha urbana, sobrevivência na selva e manuseio de armas pesadas, eles usam fardas e granadas exclusivas das Forças Armadas, desviadas do próprio Exército. Os exercícios são feitos nas favelas ou em campos próximos aos morros, em turmas de 14 a 20 alunos”.

Os resultados da promiscuidade entre uma força militar e um ambiente criminoso é sempre este, porque acabam saindo dali, depois de oito anos de serviço, homens altamente capazes no manejo de armas e táticas militares e, agora, com contatos e informações que tornam o crime um “mercado de trabalho” atraente.

Não é um “palpite”. É dito pelo ministro da Defesa, o general da reserva Joaquim Silva e Luna, lembrando que as Forças Armadas dispensam entre 75 mil e 85 mil reservistas todos os anos.

“Esse pessoal passa pelas Forças, é treinado, adestrado, preparado e, quando sai, às vezes volta ao desemprego. E eles podem se tornar vulneráveis nesse momento, podem ser cooptados.”

Podem e, como registram as reportagens, são.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Podem, e são! Cooptados. Diz o general. Tão óbvio e de total conhecimento das forças de segurança que há quinze anos já se lia na imprensa detalhadas reportagens sobre esses treinamentos, além do uso de equipamentos e ferramentas de uso exclusivo das Forças Armadas.
    Foi necessária a omissão das forças de segurança por esses quinze anos – e talvez há muito mais tempo – para se chegar aos dias atuais onde a sensação de guerra urbana, de guerra civil, das atividades das milícias e traficantes de todos os gêneros de tráfico e, assim, se conseguir impactar, com certa facilidade, a opinião pública e a publicada a ponto de se ter aceitação por ampla maioria de pesquisados à intervenção Tabajara proposta por Moreira e autorização pelo golpista Temer. Como dizia minha saudosa avó, nada é por acaso, e o que te parece que foi um lapso curto de tempo, na verdade mesmo, tudo foi adredemente preparado para a criação do fato consumado.

    1. No Rio, o tráfico é desorganizado. Organizadas são as milícias!! E o Bolsonabo Bunda Suja quer que os policiais não sejam investigados se matarem. E isto é tudo que as milícias mais desejam, pois são comandadas por policiais da ativa. Todo mundo no Rio sabe que o tráfico armado só continua operando pela vista grossa da polícia. As batidas nas bocas de fumo servem para alimentar a renda de policiais.

  2. “Prisão de quatro ex-oficiais de alta patente do exército mexicano, incluindo um ex-subsecretário da Defesa, que são suspeitos de passar informações para o cartel de drogas, em troca de dinheiro. As prisões confirmaram uma antiga cautela em relação ao Exército e despertaram preocupações sobre quão intima era sua relação com o cartel, um dos principais grupos traficantes de cocaína para os Estados Unidos.”

    A função das Forças Armadas é estar preparada para dissuadir qualquer aventura de potências imperialistas que pensem em abocanhar as nossas riquezas naturais, como o petróleo do pré-sal, o nióbio, o aquífero guarani, nossa Amazônia verde, nossa Amazônia Azul etc. etc.

    O grande risco que estamos vivenciando não se origina das atitudes desses pequenos empregados informais que brigam entre si para ver quem conquista uma maior fatia daquilo que os poderosos chefões do tráfico, todos bem alocados no poder, vão distribuir.

    Que os homens sérios das nossas Forças Armadas não aceitem essa atividade que pode comprometer, a médio prazo, o ambiente interno da instituição.

    Pensem: A saída desse imbróglio é mais difícil que a entrada! O caminho para o nosso país é investir na educação!

    Lembrem-se como o imperialismo japonês da Era Meiji aproveitou de uma China extremamente debilitada pela corrupção de seus governantes que contaminou as forças militares. Essa fraqueza moral tornou a ocupação do imenso império chinês uma tarefa fácil!

    Para mudar o Brasil, só concentrando a luta em torno da prioridade das prioridades, mas poucos estão dando o devido valor aos valores do grande Darcy Ribeiro. Por isso, ano a ano, tudo piora!

    Salvemos as nossas crianças, a nossa juventude.

    Discutir o Brasil, apresentando a solução:

    https://www.facebook.com/LafaieteDeSouzaSpinola/posts/536024086555004

  3. Bom dia. Fico pasmo de ver como no Brasil as coisas são pensadas, decididas e executadas por pessoas amadoras.
    Nos três poderes, o que mais vemos são amadores se passando por profissionais.
    As leis do Legislativo, cheias de buracos e senões, as investigações, conclusões, convicções e sentenças do Judiciário, em grande parte sem embasamento, apenas pra se livrar do processo e as cagadas do Executivo, em qualquer esfera, como esta aí, me dão o direito de afirmar sem dúvida nenhuma que não é só na corrupção que nosso rico din din vai pro ralo…

    1. Não existe amadorismo. Eles sabem que as suas ações são inúteis. Faz parte do jogo. Aquelas autoridades que prestaram serviços sabem que serão, de alguma maneira, muito bem recompensadas. Inocentes são as pessoas que acreditam que eles estão preocupados em acabar com o crime, oriundo do tráfico.

  4. Como reconhece o próprio artigo, o problema dos militares que instruem bandidos é antigo e vai continuar acontecendo, não “um dano colateral do Exército que vira polícia” (como diz o título).

    Uma coisa é o problema antigo. Outra é a intervenção atual.

  5. Se há ex-militares que estão prestando serviço ao crime, se não vamos melhorar a vida da população, e desta forma permitir que o especialista arranje um emprego digno, a solução então é acabar com as Forças Armadas. Quem vai sentir falta dela é o povo americano do norte. As nossa FA estão garantindo tão bem a venda de todas as nossas riquezas para o primeiro mundo. Inclusive infiltrando gente em manifestações contra a entrega do nosso País.

  6. Os dois pontos foram um teste , estava tendo dificuldades com as postagens. Avante, Brito!!

  7. Mais um exemplo para mostrar o que a falta de educacao, ausencia de um projeto de pais e o capitalismo (concentracao de renda) fazem com os individuos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.