Janio: Mourão fala por si e por militar que cala

Indispensável a leitura da análise feita hoje por Janio de Freitas, com o olhar veterano de quem aprendeu a olhar os sentimentos – e movimentos – dos quartéis, como era indispensável aos jornalistas políticos formados  antes – e mais, quando bem antes – dos anos 80.

Janio vai além de chamar a atenção para as falas estranhamente chocantes de Mourão – e o estranho, nestes dias, vem de serem apenas óbvias – e sublinha o significado do silêncio do restante da “ala militar” do governo, recolhida a um constrangido mutismo ante a sucessão de bobagens que esporulam da ala “Bolsonaro raiz”.

A linha invisível

Janio de Freitas, na Folha

A dimensão da desconfiança que cerca o vice Hamilton Mourão, entre os bolsonaristas, pode ser mensurada pela ansiedade de Jair Bolsonaro para retomar a Presidência: passadas apenas 48 horas de uma cirurgia mais complexa do que o esperado. A imprudência, seguida de más repercussões fisiológicas, não teve utilidade política em relação ao vice. Nem poderia. Porque na atitude participativa do general Mourão há ingredientes fortes e não suspeitados pelo ativismo bolsonarista ou fora dele.

Mais do que as manifestações dissonantes, propriamente, o que gera a animosidade ao vice no núcleo bolsonarista é a constatação, por meios variados, da receptividade que Mourão tem encontrado. Suas sucintas e frequentes manifestações surpreendem, em geral, não pelo que expõem, como fazem as falas de ministros e de Bolsonaro. Espantam exatamente por não serem chocantes, por conviverem com o senso comum. No mesmo sentido, e em outro nível, é indicativo que o vice seja procurado por diplomatas estrangeiros, para as conversas responsáveis entre governos.

Não se restringe a civis o pasmo com a responsabilidade assumida pelo Exército por um governo Bolsonaro. Uma administração nacional em que desatinados têm os postos mais importantes, cabendo os demais a neófitos. Um governo tido como “a volta dos militares”. Para isso? Para esse vexame que o mundo ridiculariza todos os dias? Há entre os militares um segmento insatisfeito. Preocupado. Se pequeno, compensa com atenção ao governo e aos riscos à imagem das Forças Armadas.

É fácil constatar a ação coordenada dos militares integrantes do governo: todos, menos um, silenciaram ao mesmo tempo. Nem mesmo o general Augusto Heleno, imagina-se a que custo, se oferta a um microfone ou gravador. Menos um: Hamilton Mourão. O encarregado de falar. Para marcar posições que o identifiquem mais como general, mais com o Exército e a corporação militar, do que como integrante do governo.

O “falastrão”, como há pouco foi chamado, não está falando só por si. Cumpre um papel recebido e dá voz a um segmento. Mesmo dentro do governo, como em recente e enérgico reparo a uma iniciativa de política externa adotada sem prévia consulta ao Ministério da Defesa.

Bem-sucedido fazedor de riqueza, como é típico dos marqueteiros políticos, e pretenso ideólogo da ​extrema direita (outro modo de fazer riqueza), Steve Bannon diz que Hamilton Mourão “pisa fora da linha”. Por fora está ele. Como seus amigos do ativismo bolsonarista.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. então, desde que começou as pataquadas mais graves espero um posicionamento do exército enfiado até a medula nesse desgoverno – será que agora vai?

    e vamos ter que respirar aliviados de ter um general na presidência?
    a que ponto chegamos

          1. tá dificil mesmo
            mas entre o traste e mourão eu fico com o general
            e nem acredito que acabei de escrever isso, a que ponto chegamos….

  2. MESMO DIANTE DA REALIDADE DOS FATOS TEM GENTE QUE ACHA QUE A PALAVRA DE JUCÁ NÃO VALE NADA.

  3. Muito bom o artigo do mestre Jânio de Freitas. Mas faço uma ressalva: o general cafuso nada tem de nacionalista e não passa de outra face da moeda em relação aos Bozos e Bozonaristas. Se o PIG/PPV, a banca nacional e internacional e o alto comando do golpe procuram o general cafuso, isso é motivo para preocupação. Ambos, Bozo e general cafuso, foram empoderados por um golpe de Estado midiático-policial-judicial-parlamentar-militar e por uma eleição repleta de fraudes e outros crimes, contando também com ação direta da ORCRIM Fraude a Jato e do sistema judiciário acanalhado, cooptado/corrompido/comprado pelo alto comando internacional ado golpe, que são o Deep State estadunidense, a finança transnacional e as oligarquias.

  4. JANIO,INGÊNUO.
    OS MILICOS DERAM SUPORTE AO GOLPE,OS MILICOS AMEAÇARAM JUÍZES,OS MILICOS SÃO GOLPISTAS POR NATUREZA,ESSAS FARDAS SÃO PODRES,É HISTÓRICO.TEMOS É DE ENFRENTAR COMO POVO DE CORAGEM.LUTA ARMADA SIM,É POSSÍVEL SIM!
    E ISSO NÃO É SPAM!

    1. Talvez o que precisamos no momento é de um Lênin, se é que nascem nas linhas ao sul do equador. Alguém que converse com as camadas mais “populares”, oficiais subalternos das FA, praças, alguns generais, para abrir canais de diálogo, com as forças politicas progressistas, para talvez, trazê-os para nosso lado. Poderíamos reverter o quadro em relativo pouco tempo, sem a ilusão de que, na próxima eleição nós daremos uma lição na elite e venceremos novamente. Mas, eleições, vencê-las, “com supremo, com tudo”? Como estamos assistindo tão passivamente? Primeiro um Lênin, e nossa revolução, se fará “com sangue nas calçadas” (by Mino Carta) . Nosso líder pacifista foi preso e, a depender da elite, ele morre na solitária de Curitiba.

  5. A Terra é plana; Stalin recebeu dois prêmios Nobel da Paz; homem usa azul e menia: ro-sa!, entre outras babaquices, claramente são patacoadas muito fortes para serem digeridas por generais. Eles preferem calar a fazerem parte desse Festival de Besteiras que Assola o País. Mourão, por ser astuto, e Vice-Presidente, está à vontade pra falar o que lhe vier à cabeça, por saber, com toda certeza de que logo mais ele está despachando na Presidência, ditando os destinos da Nação, e se prepara para ser simpático, e ter do povo em geral, bons níveis de tolerância, o que hoje não ocorre ao capitão do mato.

  6. Os militares pegaram carona num néscio para voltarem ao poder pelo voto de néscios!

  7. Enquanto isso Lula apodrece na prisão sem nenhuma reação da população nem dos políticos petistas.
    Lula não sairá vivo da prisão. A justissa brasileira se esmera em assassiná-lo.

  8. As FAs são os patrocinadores do governo bolsonaro/demares/enesto araujo/ministros do cabide de emprego.
    O morão não fala tanta bobagem como os outros bolsonaristas, tenta amenizar, mas é também bolsonarista.
    Que desgraça!

  9. Eu quero é que estes milicos do inferno se fodam e levem este tosco presidente e seus filhos juntos para o inferno.

  10. Estive pensando hoje com meus botões: existe um boato de que a GM pode deixar o Brasil. O que parece uma idiossincrasia brasileira, em verdade aconteceu também na Europa, quando a GM jogou a toalha e vendeu seus ativos da Opel-Vauxhall para a PSA (Peugeot-Citroën).

    Se algum fabricante chinês de automóveis se oferecer para comprar os ativos da GM do Brasil e esta aceitar, o que o Boçal Nato vai fazer? Brecar o acordo por questões ideológicas “anti-globalismo” do Olavinho, Bannon, Araújo e caterva? Ou aceitá-lo, já que a GM é uma empresa americana, e se o Tio Sam der o OK, tudo bem?

    1. Não vai demorar muito. Só um cego não vê que o general está em plena “campanha” para assumir o lugar do capitão….Com o apoio dos militares, da mídia e até da turma do mercado.Motivo: o despreparo, a falta de capacidade e as lambanças do clã Bolsonaro e da ala “folclórica” do governo.

  11. É tudo a mesma merda, não se enganem (mais uma vez): é cada um pior do que o outro. Agora a oposição vai ser esvaziada (mais outra vez) porque os progressistas estão achando “um menos ruim”… Que remédio ! Que tristeza ! ! Que “santa” ingenuidade (ingenuidade demais já vira burrice…)… Parece até que esqueceram (ou nunca atinaram com isso) para que o(s) golpe(s) foi(/foram) dados(s). Estão tornando (mais) palatável essa droga toda…

    :
    : * * * * 04:13 * * * * * : Elles (Ou Mal lutar é lutar mal)

    Nunca se viu povo tão idiota
    militando contra a própria sorte!…
    Mesmo toda paciência se esgota
    quando os “fracos” idolatram o “forte”.

    E ainda esperam alguma cota…
    Coitados! Que o tempo não lhes corte
    a memória em meio à tal rota
    da vida indo ainda mais para a morte…

    ……………………………. Cláudio Carvalho Fernandes
    ……………………………. (Poeta (anarcoexistencialista))

    Poema dedicado ao eleiTORADO brasileño, no pós-eleições de 2018…
    (Se é que não houve participação ativa da maquininha caixa-preta do TSE nos resultados de 2018…)
    :.:

    Poema “Z”

    Para Dilma, Lula e o PT e todos/as os/as progressistas do mundo inteiro. Sinta-se homenageado/a, também.

    Penso

    Logo(S)

    ReXisto

    :.:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.