Laranja, laranjona e laranjinhas. Se o ‘mito’ pode, porque não os outros?

Dois episódios, na últimas 24 horas, ilustram como o nepotismo mais desavergonhado tomou conta da política bolsonarista, certamente com o exemplo dos “negócios de família” protagonizados pela família presidencial.

O senador da cueca pede licença para evitar o julgamento de seu afastamento do mandato e passa o cargo para o filho, sócio na empresa e na senatória, colocado como suplente.

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, lança a ex-mulher Janaína candidata a vereadora pelo PSL. Mas com um “cabo eleitoral” igualzinho ao que ficou famoso no laranjal mineiro: a distribuição vergonhosa do Fundo Eleitoral em seu benefício: um “empurrãozinho” de 690 mil reais para ajudar a eleger a simpática senhora que se define nas redes sociais como “Serva do Senhor Jesus, Mãe e Avó, Defensora dos Vulneráveis, Arquiteta e Urbanista.”

É claro que culpas, defeitos e caráter não são fatores genéticos e que ninguém pode ser “culpado” de ser filho, parente ou ex-mulher ou marido de ninguém.

Mas colocar o filho de suplente no Senado e levar a ex-mulher a abiscoitar o Fundo Eleitoral em valores absurdos não é “defesa da família” nem aqui nem na China. O nome é mesmo nepotismo ou, se preferirem, a “rachadinha familiar”.

E, para quem fala tanto de certeza de impunidade, deu-se um jeito de licenciar o senador e financiar a candidata.

Os autoproclamados “defensores da moral” no Brasil são absolutamente imorais.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *