Mangueira politiza, de novo, o Carnaval: não tem messias de arma na mão

Parece que deixamos para trás, afinal, da era do “carnaval patrocinado”, com enredos comprados que lembravam os “enredos mandados” do tempo da ditadura.

O samba da Mangueira, assim como no ano passado, com o “Marias, Mahins, Marielles, malês”, coloca a política na Avenida, do ponto de vista popular.

Mas vai além, enfrentando a questão da religião como instrumento de opressão.

Denominando-se de “Estação Primeira de Nazaré”, apela a um “Jesus da gente”, de “rosto negro, sangue índio, corpo de mulher”, “filho de pai carpinteiro desempregado” e de mãe é Maria das Dores Brasil, de punho cerrado , pregando que “não tem futuro sem partilha, nem Messias de arma na mão”.

Carnaval, afinal, não é só alegoria.

Veja o clipe do samba, publicado ontem.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. Acabaram com o futebol, principalmente ao forjarem aquela farsa nojenta do 7 x 1, mas não vão conseguir acabar com o carnaval. É a maior demonstração de resistência popular do mundo mesmo sem politizar, imaginem politizando!

    1. Quando da implantação do pensamento único neoliberal na Europa, um pouco diferente da cruel porralouquice do neoliberalismo no Brasil, sentiram necessidade de neutralizar as forças contrárias, e isso foi feito chamando-as todas de “pessimismo”. O tal pessimismo virou, na Europa, um adjetivo desqualificativo bem pior do que os tradicionais “populismo” ou mesmo “comunismo”, até então usados pela direita. Ninguém queria ser tachado de pessimista, e isso inibiu a esquerda até quase seu desaparecimento. Só agora estão se livrando do medo de ser tido como pessimista por lá. Nos anos 90, dava indignação ver os lindos carros alegóricos do carnaval italiano, bolados com refinada crítica política, serem desqualificados categoricamente pelos locutores chapa branca de televisão. Eles não se referiam diretamente ao fato dos carros serem políticos, mas sim “pessimistas”, e qualquer coisa que fosse pessimista não teria valor. Mas na alegria do carnaval brasileiro, ninguém vai ousar desqualificar os brincantes por estarem a ser “pessimistas”.

  2. Brito!
    “SE DEUS FEZ A PELE PRETA, POR QUE TANTO PRECONCEITO?
    ANDA, VAI JUNTAR OS FARRAPOS!
    ENSINAR AOS SEM-TRAPOS CONQUISTAR OS DIREITOS”

    Nesse assunto sou guiado por um especialista… E ele me disse “o carnavalesco da Mangueira é peça fundamental nessa politização”.
    A temática, julgamento, a complexidade do desfile de Carnaval e, principalmente, a inserção social e a resistência que representa é o tema de doutorado dum dos “Bezerra”. Universidade privada (surpresa?) ou Federal daqui não aceitaram, mas a UNL de Lisboa, sim.
    Pianista pela UFRGS, Mestre pela UDESC, professor do Bolshoi e da Casa da Cultura de Joinville, esse Bezerra, com o doutorando, Willian escreveu a frase do início do texto e o samba que homenageará uma negra.
    A primeira negra eleita deputada no Brasil, senhora Antonieta de Barros.
    Segue os links de duas versões.
    Não mandei pros parentes, eles não alcançam a grandeza do tema e a beleza da letra e da melodia.
    Samba enredo da Consulado de Florianópolis para 2020.

    “Eu sei que a injustiça não tem cor, mas negra é a dor da nossa história .
    Voei nas asas da sabedoria. Rompendo mordaças da hipocrisia.
    Mãe África, teus filhos querem colo. Arrancados do teu solo, sangram pela liberdade.
    A luz do altar é alento. Ampara o lamento na fé da Irmandade.
    Catarina, nesta terra quem é santa, é mulher que se levanta pela força da verdade
    Ê Antonieta SE DEUS FEZ A PELE PRETA POR QUE TANTO PRECONCEITO?
    BIS
    ANDA, VAI JUNTAR OS FARRAPOS! ENSINAR AOS SEM-TRAPOS CONQUISTAR OS DIREITOS
    BIS
    Vendo a cidade iluminada. Branca lua ofuscada pelo breu que te sufoca.
    Mulher, mete o pé nessa porta! Mostra à Casa-Grande o que nos importa
    Ergue a bravura na tua voz. Revolucionando em “tom” feroz.
    Se o amanhã pede socorro. Asfaltos e morros verão renascer.
    Milhares de Antonietas. Provando que o povo também tem poder
    O povo, também tem poder!
    POEIRA SUBIU, CAEIRA CHEGOU O CHÃO SACUDIU…
    ARREPIOU!
    NESSA LUTA, EU TENHO LADO
    VERMELHO RETINTO, SOU CONSULADO

    https://www.youtube.com/watch?v=WoXw7YzWoX0

    https://www.youtube.com/watch?v=JxOsiQObP_g

    1. Fantástico. O florianopolitano Cruz e Souza, um dos cinco maiores poetas do Brasil de todos os tempos, se vivo fosse aplaudiria de pé.

      1. Floripa tem personalidades como o poeta Cruz e Souza e a professora Antonieta de Barros, ambos negros. E Victor Meirelles, um dos nossos maiores pintores.
        Nesse século Floripa só gerou Guga? rararrarar Tenho que pesquisar.

  3. Belíssimo samba enredo. A Tuiuti e a Viradouro têm também sambas de muita qualidade. Esta última povoada de memória e simbolos do candomblé. Hoje em dia, com esta onda evangélica na cidade do RJ, o desfile das escolas têm sido um protesto contra o atraso neopentencostal conservador. Sarará Oxum que a ginga da gente continua…

  4. Ótima entrevista do Zanin no Conjur:

    “ConJur —- Uma coisa que se percebe em todos os casos é uma retórica muito forte dos juízes. Tanto no caso do Guarujá quanto no
    caso do sítio de Atibaia, os desembargadores fizeram discursos duros sobre como a corrupção é um mal maior e como o ex-presidente Lula era o chefe de uma poderosa organização criminosa que prejudicou o país por muitos anos. Mas o que se discutia era a posse ou propriedade de dois imóveis.
    Cristiano Zanin Martins —- Na verdade, eles não precisam provar nada, tudo tem um script já traçado. Tudo foi feito com base numa tese do procurador Deltan Dallagnol que ele chamou de “explanacionismo”. Segundo essa tese, não é necessário provar, basta argumentar. A tese defende que, se não houve uma explicação melhor para a hipótese da acusação, a hipótese da acusação deve ser tida como verdadeira. E se o réu não der uma explicação convincente sobre as teses acusatórias, ele pode ser condenado. O que se tem, então, é uma transferência do ônus da prova
    para o réu.”

    https://www.conjur.com.br/2019-dez-15/entrevista-cristiano-zanin-martins-advogado-ex-presidente-lula

  5. É a arte, mostrando sua importância no progresso da humanidade, chegando onde o autoritarismo não chega, no coração das pessoas.

  6. Samba nota 10 !
    Já estou torcendo pela MANGUEIRA.
    Parabéns a todo povo da comunidade mangueirense !

  7. Esse povo das escolas de samba do Rio parece que não podem ter votado no Crivella ou no Witzel, donde vem tanto voto? Esse povo do morro pode escolher em quem votar ou é ameaçado pelas milicias? Enfim…tudo é carnaval, e isto é muito necessário para a globo se manter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.