Mercado ‘comeu’ aumento de juros sem dar refresco no dólar

A demissão do presidente do Banco do Brasil, embora já esperada há tempos, deve fazer com que o dólar volte, amanhã, ao valor de ontem, quando o aumento da taxa básica de juros da Economia, a Selic, pretendia baixar o valor da moeda norte-americana frente ao Real, reconhecidamente a maior causa de nosso crescente processo inflacionário.

E é crescente, mesmo: o IGP-M da Fundação Getúlio Vargas subiu 2,98% na 2ª prévia de março, acumulando incríveis 31,15% em 12 meses. Os preços ao consumidor, no mesmo levantamento, subiram 0,89% o triplo dos 0,29% no mesmo período de coleta de fevereiro.

Não dá nem para falar em “metas inflacionárias” e já se assinalou aqui que o trimestre março-abril-maio pode levar a inflação de 12 meses a 8%. Ou mais.

E não será com três ou quatro centavos na moeda norte-americana que se controlará isso.

Teme-se, com razão, que o Banco do Brasil entre na mesma “gestão politizada” que se adotou na Caixa Econômica Federal.

Ao que parece, será escolhido um “executivo bolsonarista”, Fausto de Andrade Ribeiro, propenso a esta orientação.

É um sinal absolutamente inverso ao contracionismo sinalizado pela alta de juros iniciada pelo Banco Central ontem.

Jair Bolsonaro zela pelo fracasso de sua própria política econômica.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.