Miséria, a doença crônica da qual é preciso curar o Brasil

Os números aí de cima, produzidos pelo Instituto de Pesquisa Econômica Ampliada – órgão do governo brasileiro -, com base na Pesquisa de Domicílios do IBGE – governamental, também – não são diferentes do que já se registrou antes.

Nem por isso deixam de ser chocantes e vergonhosos.

Mais de dois terços das famílias brasileiras sobrevivem com renda do trabalho inferior a R$ 2.471,09 por mês. Delas, quase todas, abaixo de R$ 1.650.

Não há projeto econômico exequível que não ataque esta questão e, sobretudo, não há condições de uma vida civilizada em meio a tamanho grau de exclusão.

Programas de transferência de renda são, sim, essenciais, mas não são o suficiente.

É preciso gasto público em programas sociais e de infraestrutura, que gerem postos de trabalho que voltem a absorver a massa de mais de 14 milhões de desempregados, que estão aí, nas duas colunas da direita do gráfico.

Destruímos todos eles: a habitação, a construção pesada, a agricultura familiar – à qual Bolsonaro acaba de vetar um auxílio para que possam seguir produzindo e fixada à terra – os investimentos estatais de peso e tudo o que podia distribuir renda pela via do trabalho.

Mesmo o que se gasta, gasta-se sem rumo, sem atenção às prioridades nacionais, que parecem ter se transmutado em armas, passeios de moto e disputas permanentes e destrutivas com outros poderes, inclusive os estaduais, e um esparramo de dinheiro em ações descoordenadas e pontuais pela distribuição de emendas parlamentares.

É iso o que está em jogo no processo eleitoral que se aproxima, não um campeonato de “marketing” entre figuras que se digladiam inutilmente.

O Brasil precisa reconstruir sua estabilidade política, evitar as aventuras, planejar e executar o resgate de tudo o que foi abandonado antes e durante a pandemia.

O “teto sagrado’ não é mais importante que reverter este escândalo mundial que se tornaram as condições sociais de nossos país que, por sua vez, estão corroendo uma economia que passou a ser quase que só virtual, onde só o dinheiro produz dinheiro, sem produzir, porque já não há quem possa comprar.

De novo, estão nos levando a ser o país do fogão a lenha e lamparinas, não por nos faltarem gás ou eletricidade, mas porque não há com que os pagar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.