‘Mito’ queria 6o pontos na carteira. Ficaram 40. Porque não 50? É a ‘orelhadocracia’.

Jair Bolsonaro declarou que, por ele, o limite de pontos por infrações na carteira de motorista seria de 60, em lugar  dos 20 que vigem. Lá foram os técnicos dizer:” presidente, 60 não dá, faz por 40…”

Bolsonaro queria liberar a posse de quantas armas o cidadão quisesse ter, em lugar das duas legalizáveis antes. Lá foi a turma do Ministério da Justiça dizer: “presidente, não dá, deixa ficar em quatro, talquei?”

Funcionam assim os critérios técnicos do governo brasileiro: os ministros correndo para “segurar” as vontades do “ômi”, que resolve com a sua cachola e a dos filhos.

Este é o “governo de técnicos” que Bolsonaro vangloria-se de fazer.

Há um superministério no Brasil: o “Ministério da Cabeça Dele”.

E como a “cabeça dele” é totalmente desconectada da realidade e só responde, para usar a expressão famosa, aos seus “instintos mais primitivos”, o resultado, para seguir no chavão, é uma “balbúrdia”.

Ele cisma de tirar a cadeirinha de bebê, tira-se a cadeirinha de bebê, não importa que os especialistas de medicina de trânsito e o o simples bom senso digam o contrário.

E assim vai, na questão do desmatamento, da preservação de reservas, das regras fiscais, na segurança do trabalho, nas universidades…

É o “cismei”, o “alguém me deu uma ideia”, a orelhada erigida como política de governo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

9 respostas

  1. Destrambelhamento geral. O que mais posso dizer? Já perdeu a graça comentar as nabaquices desse (des)governo. Obrigado, bolsobostas, por essa demência.

  2. Se esse é o modelo do governo técnico que o BOL$Onarismo ia implantar, imaginem o governo não técnico…

  3. Não sejamos injustos, são decisões tomadas em debates técnicos profundos realizados em volta da piscina, por filhos e amigos milicianos bêbados rodeados de garrafas vazias de cerveja.
    Quem diria que, em pleno 2019, teríamos um presidente que faria termos saudade do tempo em que Jânio Quadros proibiu o biquíni e as rinhas de galo.

  4. Só discordo que tais ideias saiam da cabeça do bolorasno.
    Considerando cheiro e aparência, saem do órgão mais mencionado pelo guru dele, orvalho de cavalo.

  5. Não me espanto e acredito que pra maioria também não. Quem nesse país já não conhecia bozonarú? Um brucutú que só fala absurdos, que odeia tudo porque nao é capaz de compreender nada que não seja, arma, ditadura e milicia… Um inepto que passou 30 anos e não fez absolutamente nada lícito.
    Sinceramente, ele sempre deixou claro suas intenções, quem votou nele tava mesmo a fim de cometer suicídio, neste caso, um suicídio coletivo. Lamentável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.