Moares ‘paga pra ver’ e manda prender provocadores bolsonaristas

Às vésperas dos atos autoritários de 7 de Setembro e no mesmo dia em que Jair Bolsonaro anuncia um “ultimato” a ele e a Luiz Roberto Barroso, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal mostra que as ameaças presidenciais não estão surtindo o efeito de intimidar o STF. Mandou prender um certo Wellington Macedo, agitador de redes sociais, e Marcos Antônio Pereira Gomes, mais conhecido como “o caminhoneiro Zé Trovão”, este ainda foragido.

Verdade que a prisão ocorre a pedido da Procuradoria Geral da República, assinada pela braço direito de Augusto Aras, mas isso não elide o fato de que Moraes não titubeou em decretá-la.

Mas a atitude de Moraes mostrou que não apenas ele, mas o Supremo, estão “pagando para ver” o blefe do bolsonarismo.

Acha que vai fazer barulho e nada mais.

Até porque a estratégia de Bolsonaro é um erro crasso.

Não há preocupação nas ruas, apenas nos currais do eleitorado bolsonarista-raiz, sobre uma suposta “liberdade de expressão” de incitadores do golpe e da ilegalidade.

Caixinhas, rachadinhas e indiscrições sobre a vida íntima dos Bolsonaro escalam os trend topics das redes sociais e se tornam muito mais relevantes como informação.

E as ameaças bolsonaristas passam a ser mais de um golpe pela impunidade da família do que “pelas liberdades” de propor golpes que dizem estar ameaçadas.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.