Moro ainda espero que Bolsonaro se desmanche

À medida em que Jair Bolsonaro mingua eleitoralmente, os jornais e sites de notícias vão pipocando notícias de uma possível volta de Sergio Moro à disputa presidencial.

Impossível não é, dada a atração do ex-juiz pelos holofotes e pela condição de herói nacional, mas porque Bolsonaro, embora mais frágil, continua tendo o “controle acionário” do campo da direita, o que o deixam limitado a ficar com algumas “sobras” deste eleitorado.

Moro não foi incluído na última pesquisa Datafolha, mas nos resultados anteriores, ficava embolado com Ciro Gomes, abaixo de 10% e, quando era simulado um segundo turno entre ele e o favorito Lula, o desempenho era quase igual ao de Jair Bolsonaro, com 20 pontos de desvantagem.

Ou seja, Moro apenas herda os votos do atual presidente, nada mais. E o pior, apresenta índices de rejeição na faixa dos 60%.

Portanto, acima de qualquer articulação política – que tem seu centro no Podemos, o partido moro-bolsonarista da Álvaro Dias -, a história de Moro candidato depende de um improvável impeachment de Bolsonaro ou de uma situação política de total desagregação dele e de suas falanges.

Moro alterna momentos de busca de palco e outros de mutismo total, sempre nutrindo a esperança de que possa vir a ser a “grande esperança branca” da direita no caso de um desabamento total de Jair Bolsonaro.

Parece que inutilmente: o Frankenstein que criou é vaso ruim, difícil de quebrar.

Mais fácil Moro estar lascado.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *