Mourão assina “transparência secreta” de Bolsonaro. “Acuenda o pajubá”, Moro

A pressa é muito amiga das intenções.

Não era algo urgente, mas certamente era algo muito conveniente.

Portanto, Jair Bolsonaro delegou e Hamílton Mourão assinou decreto permitindo que não apenas  um grupo muito restrito de autoridades – presidente da República, vice-presidente, ministros de Estado, comandantes das Forças Armadas e chefes diplomáticos – possam limitar o acesso à informação dos atos de governo.

Estendeu o poder para “maçanetas” de segundo e de terceiro escalão, que agora podem, sem os ônus políticos que seus chefes teriam, carimbar “reservado”, “secreto” ou “ultrassecreto” a papeis cujo conteúdo ficará fora do alcance do público por até 25 anos.

Isso enquanto o ministro da Justiça, que considera que devam ser de conhecimento público até escutas não-autorizadas do telefone da Presidente da República passeia em Davos…

Uma bela maneira de cumprir o que ele está prometendo em Davos, acabar com a corrupção: tornando secreta a informação que ermita ao cidadão e à imprensa chegar a ela.

Taí, é a velha máxima sendo posta em prática: o que os olhos não vêem é corrupção que não se sente.

Ou ainda o que pregava o físico Niel Bohr, um dos gênios da física quântica: “Nenhum fenômeno é fenômeno até ser observado.”

Talvez, porém, a razão seja a de que permaneça entre poucos o que poderia causar constrangimento fora da “turma”.

A versão governamental do “acuenda o pajubá” oficial, a bobagem inserida na prova do Enem sobre o “dialeto secreto” gay  que virou cavalo de batalha presidencial.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. A CENSURA A CAMINHO.
    FICA MAIS EXPÔSTA A CRIMINALIDADE DE SERGIO MORO E SUA PARTICIPAÇÃO NO GOLPE DE 2016

  2. A grande corrupção, o verdadeiro crime organizado foi levado ao comando do Estado Brasileiro pela ORCRIM Fraude a Jato e por estamentos desse Estado cooptados/corrompido/comprados pelos verdadeiros donos do poder e que, de fora do Brasil, comandam o golpe, a rapina, o saque, o desmonte e o entreguismo, que são o Deep State estadunidense, a finança transnacional e as oligarquias. Colocar carimbos de “reservado”, “secreto” e “ultra-secreto” em documentos e decisões tomadas por pessoas que deveriam tornar transparentes seus atoe é como tirar o sofá da sala. Esconder a corrupção ou “eliminar” os que a investigam e denunciam é uma das primeiras medidas tomadas pelos ditadores. Foi o que ocorreu com o diplomata José Jobim, quando prometeu escrever um livro denunciando grossa corrupção na construção da hidrelétrica de Itaipu. https://vladimirherzog.org/atestado-de-obito-de-jose-jobim-morto-na-ditadura-e-retificado/

  3. Mourão está certo . Um exemplo é o
    Estado de São Paulo, que acabou com a corrupção no Metro, decretando sigilo nos documentos. Hoje não tem mais casos de corrupção no Metro de são Paulo.

  4. Isso cheira à uma etapa pré repressão do Estado.
    Estariam azeitando uma máquina de perseguição política ?

  5. Esse decreto é uma excrescência. Autorizar os DAS decretarem sigilos de documentos e informacoes é uma jogada ardilosa. Os DAS sao cargos de confiança do governo ou dos chefões dos órgãos. Podem ser demitidos a bel prazer de quem os nomeou. Daí estão sujeitos a pressões e chantagens para não serem demitidos. Portanto, se o governo ou o órgão quiser esconder alguma coisa basta pressiona-los.
    E se algo sair do eixo e as coisas se tornarem públicas, o governo ou o órgão se isentam de responsabilidade
    demitindo o DAS e evitando o desgaste. Mourão deve ter assinado esse decreto, porque , obviamente, Bolsonaro não poderia fazê-lo com essas denúncias do coaf envolvendo seu filho. Mourão deve tê-lo assinado para aliviar para Bolsonaro , até porque é governo, mas provavelmente está é se prevenindo para o caso de vir a suceder Bolsonaro. Deve ser por isso que está assumindo esse desgaste por ele agora. Afinal, esconder informacoes é típico das ditaduras. Além do mais, duvido que ele tenha gostado da repercussao por ele ter atravessado seu filho no banco do Brasil.

  6. Isso é um governo militar! Hipócritas! Covardes! Falsos e frouxos!!! Mentirosos até o último fio de cabelo! Quem não viveu a época do governo corrupto e golpista de 64, agora poderá observar toda a hipocrisia dos nossos militares! O país estará numa merda federal, e vão dizer que está tudo bem! É o Brasil descendo a ladeira!

  7. Esse general realmente é um zeroum, um gênio, acabou com a corrupção com prometido com uma canetada. Não se apura mais nada no COAF. Pronto acabou. Kkkkkkkk

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.