Flávio condecorou miliciano preso, diz Folha

E o frasco fedorento das ligações entre Flávio Bolsonaro e a milícia, depois de aberto, não para de exalar seus miasmas, aqueles que o Houaiss define como emanação pútrida de vegetais e animais em decomposição.

Agora a Folha revela que a Medalha Tiradentes, a mais alta condecoração do Estado do Rio de Janeiro foi concedida ao  ex-Major PM Adriano Nóbrega, acusado  de chefiar uma milícia na zona oeste do Rio de Janeiro, estava preso pelo assassinato de um guardador de carros quando foi homenageado pelo deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) com a Medalha Tiradentes, mais alta honraria da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, em junho de 2005.

É provável que o “Filho 01” diga que não sabia de nada. Ou até que foi o assessor-amigo-motorista e caixa Fabrício Queiroz quem indicou Adriano para a honraria ao então tenente.

Fica bonita, emoldurada junto com o diploma que a acompanha na parede do “Escritório do Crime”, a milícia que Adriano chefia e que é apontada como provável responsável pelo assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, ano passado.

Bandido bom, ao que parece, é bandido amigo.

Até medalha ganha, além do “Bolsa Milícia” dos empregos para a família no gabinete.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Até quando os militares sérios (se é que ainda há) suportarão essa fritura generalizada daquilo que se deveria chamar “governo” do Brasil??

    1. Afora eu desconfiar que os militares sérios deste País não enchem uma Kombi, temo que boa parte de nossas FFAA estejam atoladas até o pescoço na lama da famiglia. Afinal, vários militares exploram o negócio de “segurança privada”…

      1. Os que não exploram a segurança privada, estão participando do banquete do país junto da famíglia…

      2. Só uma das várias que podemos achar no Google:

        “O Ministério Público Militar acusou 11 pessoas ligadas ao Departamento de Engenharia e Construção do Exército (DEC) e caso envolvendo fundações privadas, para desvio de R$ 150 milhões dos cofres públicos. Oscontratos estavam sobre responsabilidade do Centro de Excelência em Engenharia de Transportes, conhecido como A7/DEC. O caso veio à tona no dia 5 de dezembro de 2017 e faz mais sentido hoje, com a intervenção militar no Rio de Janeiro”.

        https://www.apostagem.com.br/2018/02/22/exercito-e-acusado-de-desvio-de-r-150-milhoes-dos-cofres-publicos/

    2. fico curioso sobre o motivo que o leva a acreditar que exista ao menos um,diz UM militar nacionalista preocupado com os destinos do país.
      O histórico deles não os recomenda,mais ainda o pasado recente ,sendo o braço forte do GOLPE organizado pelo Tio Sam.
      Lembra (e é só uma amostra) do tuit do vilas boas (ruins) no julgamento do possível HC do Lula????

  2. Muitos idiotas agora estão com saudades de quando o único problema no Brasil era corrupção !! Comecem a engolir isso bem rápido pois certamente tem coisa muito mais escabrosa para aparecer !! Um Brasil fake, governado por fake, eleito por fakes !!

  3. O Estadao diz, em editorial, que Bolsonaro é incapaz psicologicamente e intelectualmente para o cargo. Só que esqueceu convenientemente de analisar o eleitor de Bolsonaro. Piada pronta.

  4. Perguntas que não calam: a nobre medalha, que não deveria ser concedida a qualquer um, foi para limpar a barra do agraciado? Foi concedida por inocência ou livre espontânea pressão?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.