Mourão não se faz de rogado e diz que assessor precisa se explicar

No blog de Andrea Sadi, no G1, o general Hamilton Mourão vai saboreando sua vingança do “cala a boca” que levou.

Cobrou explicações do ex-motorista, ex-assessor e amigo de Jair Bolsonaro, o PM Fabrício “1,2 mi” Queiroz: “”o ex-motorista, que conheço como Queiroz, precisa dizer de onde saiu este dinheiro. O Coaf rastreia tudo. Algo tem, aí precisa explicar a transação, tem que dizer”.

Mas Queiroz vai para quatro dias escondido.

Sua única explicação foi para o “filho do homem” e, segundo este, “uma história bastante plausível”, tão plausível que não se pode nem saber qual foi.

Nem porque se nomeou a a família inteira em seu gabinete e no do pai.

Seria, como ele diz em relação aos ministérios, “escolhas técnicas”?

E claro, com repasses de tudo o que ganhavam, algo como R$ 50 mil por mês, mensais, estavam em dificuldades financeiras para pedir uma grana preta ao “Mito”.

Mas é tudo plausível.

Fabrício, a mulher e as filhas, a esta altura, divertem-se, despreocupados, com partidas de baralho, esperando que o Ministério Público os chame, é claro.

Por isso, não atendem a campainha nem do entregador de pizza.

O presidente eleito já construiu a história do “empréstimo pessoal” e, agora, a de que é “normal” colegas de trabalho de um gabinete parlamentar fazerem depósitos e transferências de um para o outro e em dinheiro.

Dizem, ele e o filho, que Fabrício se explicará quando o MP o chamar – se o chamar, é claro.

Mas Mourão, esperto, diz que “o Queiroz precisa explicar agora”. E já sabe que o gajo foi seu subordinado- em 1987, 31 anos atrás, que memória!  – e era “excelente soldado”. A ficha, é claro, já foi providenciada.

Mourão aproveitou e bateu em quem já está caído: Ônyx Lorenzoni, que tremeu, ontem, ao ser pressionado com a história: “ele tá estressado. Quando responde daquele jeito, parece que tem culpa no cartório.”

Um doce, este general Mourão, não é?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. Este vice amigo da onça, como todo vice, está em campanha pública para assumir o cargo para o qual o ex-capitão foi “eleito” na maior fraude eleitoral da história republicana brasileira.

    #LulaLivre

    1. Esse vice faz o Temer parecer um bom caráter…rsrs Bozo não vai ter um dia de sossego com esse general nas costas e aquele bando de imbecis em sua “bancada parlamentar”. Não dura seis meses no governo.

    2. Desculpe pela correção, mas eu creio, e outros concordam, que o Bozo foi “eleito” na maior fraude eleitoral da história da Humanidade!

      1. Isso, é )mais) exatamente o ocorrido : “o Bozo foi “eleito” na maior fraude eleitoral da história da Humanidade!”

      2. Isso, mais exactamente : “o Bozo foi “eleito” na maior fraude eleitoral da história da Humanidade!”…

    3. O prezado amigo sabe muito bem o que diz: “maior fraude eleitoral da história republicana brasileira”… Também acho que foi isso o que aconteceu e enquanto a direita em 2014 nem bem “fecharam-se” as urnas já anunciava oposição sistemática e não aceitar o resultado, do lado de cá as esquerdas, como sempre muito “sabidas”, aceitam automaticamente o que se lhes põem no cardápio do dia, sem maiores investigações nem mais averiguações e certezas do que o “jogo” que é (DESONESTAMENTE) jogado. Agora é o tal paradoxo da democracia republicaníssima: a ditadura milica volta (formalmente) ao poder através da própria “democracia”…

  2. Recordar é viver:

    “Em 1992 o *MOTORISTA* Eriberto França contou para a Revista IstoÉ, que ainda não havia sido rebatizada para QuantoÉ, que rotineiramente recolhia dinheiro com o Tesoureiro da campanha, PC Farias, e os depositava para a secretária de Fernando Collor de Mello que pagava as despesas da família, inclusive faturas do cartão de crédito da esposa do presidente, Rosane Collor, além de fazer *DEPÓSITOS BANCÁRIOS* diretamente na conta da primeira dama.

    Pra tentar consertar a lambança, Collor e o irmão do dono do Pão de Açúcar forjaram a existência de um *EMPRÉSTIMO* feito no Uruguai pra justificar a entrada dos recursos……

    Eu estou ficando doido ou essa história de depósito na conta da primeira dama, motorista com dinheiro e empréstimo pra justificar a entrada de recursos está se repetindo?

    Que falta de criatividade ô meu!”

    Fermini Antoni

    1. Isso está parecendo essas no elas da Globo.
      Mudam os nomes dos personagens, dão uma embaralhada aqui, outra acolá, mas a trama é a mesma, sempre a mesma.
      Sendo a mesma trama, igual, ou muito parecido, deverá ser o desfecho, o que leva a uma conclusão e a uma pergunta.
      A certeza é que o Bozo não durará muito na Presidência. Ele será “impichado” ou “renunciado” (claro que uma variação poderá levar a uma sala de cirurgia).
      A pergunta é: quem será o dublê de PC Farias?

  3. O capitão ??????? não manda e. general. Mourão vai dar o golpe do golpe com apoio do Levi Fidelis Do PRTB. Como diz o Tiririca “pior que tá não fica”.

  4. o traste demorou tanto pra achar um vice
    e agora tem esse
    kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    #FalaMaisMorão

  5. Família que rouba unida , nunca será vencida.
    Tudo uma quadrilha só. O cidadão abiscoitava os vencimentos dos seus subordinado e fazia uma movimentação atípica. Mas, como se sabe isto acontece desde as câmaras vereadores que nomeiam assessores fantasmas e abocanham os vencimentos dos tais. Tudo maracutaia.

  6. Ganha “1,2 milhão” quem adivinhar o maior interessado neste “vazamento”. Esconderam só para ganhar do PT. O negócio agora é tentar esconder o batom na cueca e na calcinha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.