Mourão se inviabiliza como solução da crise

Estúpido e boçal, o artigo publicado hoje no Estadão pelo general Hamilton Mourão, só ajudar a entender como o vencedor da dança das cadeiras em que Jair Bolsonaro escolheu seu vice – depois de perdidas as opções Janaína Paschoal e o “príncipe” Orleans e Bragança – não é capaz de representar, nem transitoriamente, uma opção de pacificação da vida brasileira.

A começar pela estúpida afirmação de que estariam “umbilicalmente ligados ao extremismo internacional”:

“A apresentação das últimas manifestações contrárias ao governo como democráticas constitui um abuso, por ferirem, literalmente, pessoas e o patrimônio público e privado, todos protegidos pela democracia. Imagens mostram o que delinquentes fizeram em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. Registros da internet deixam claro quão umbilicalmente ligados estão ao extremismo internacional.”

Diria o saudoso comediante Costinha ao general: “tás brincando?”.

Ora, general, quem está umbilicalmente ligado ao extremismo internacional é o clã a quem o senhor serve, no Governo. O senhor sabe quem é Steve Bannon, o empresário de partidos extremistas? O senhor viu o ex-embaixador nos EUA bajulando Matteo Salvini, o neofascista italiano, ou ucraniano Volodymyr Zelensky, cuja bandeira de inspiração fascista desfilava no meio dos bolsonaristas?

Será que a “tia” do taco de beisebol e o “bombado” vice-líder do seu governo, Daniel Silveira, que ameaça dar tiros no peito e na cabeça dos outros, são os “pacifistas”?

Invocar as manifestações de 2013 é quase um ato falho, pois elas acabaram por servir à direita que o general integra e integrava, mesmo fardado ainda, insurgindo-se contra um governo legítimo. A entre os baderneiros, como ao menos um se flagrou, oficial do Exército, organizando blackblocs e jamais punido.

Depois, chamar manifestações mandando o Exército fechar o Congresso e o Supremo Tribunal Federal são apenas ” exageros retóricos impensadamente lançados contra as instituições” o que é? São os “tios” nervosinhos, que falaram demais?

Será que o Ministro Celso de Mello, que enxerga a tentativa de usar as forças armadas como força para implantar-se uma ditadura é um tolinho, do alto e seus mais de 30 anos de magistratura?

A maior dúvida que resta, general, é para quem o senhor escreveu este artigo. Certamente não foi para a ganhar o respeito da opinião pública sensata deste país. Ou para que seus pares militares no Planalto vejam que está (está?) firme com o “chefe”.

Porque ficou parecendo isso, general.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

26 respostas

  1. O que não consigo entender é como eles são tão limitados intelectualmente que conseguem inclusive chamar a atenção para os pontos fracos de sua argumentação.
    Ora um generoso em primeiro lugar usar imagens de internet(o que seria isso) como algo para basear suas argumentações é de uma primariedade infantil(se é que é possível isso)!
    Segundo, se o vice-presidente da república vai buscar em imagens que podem em dois toques serem manipuladas e fraudadas para justificar acusação tão grave é porque o bozo tem razão em dizer que o sistema de informações é totalmente falho e ineficiente(se existir?).
    Terceiro, será que com um argumento desse ele classificaria os manifestantes americanos como??? O suprassumo dos terroristas islâmicos, IRA, ETA, Baader-Meinhof, etc.etc. devem ser a personificação do capeta na terra, então.
    Ora generoso, quantas falhas em duas pequenas frases. Quantas pobreza intelectual para se arvorar o direito(e quiçá ache que seja dever), de orientar os brasileiros.
    Convenhamos, todas essas crises somente nos mostra porque não damos certos enquanto pais.
    Com pessoas desse nível intelectual na liderança prefiro correr para o colo de minha mãe a confiar na segurança desses militares.

  2. Mourão é infinitamente pior que o Asno Miliciano .
    Sabendo que o Bozo é um incapaz sobre todos os aspectos , não seria esse mestiço que se acha ariano a eminencia parda do Desgoverno ?

  3. O bolsonaro, pelo menos, burro não é.
    Vejam que frase, acima, mais reveladora da desgraça onde nos metemos.
    O golpe destruiu este país.
    Que desgraça!

  4. É bom para que acabem de vez essas hipóteses de que com esse canalha teremos mais democracia. Essa turma que se agarrou em Bolsonaro só serve pra isso mesmo, politicamente vivem em 64, filosoficamente no século XIX. Com essa gente, o Brasil não chega a 2030 como nação.

  5. Estupidez é pensar que Mourão se diferencie moralmente e filosoficamente de Bolsonaro. São farinha do mesmo saco. Mourão é também adepto do nazismo, como já mostrado em vídeo, portanto, este país está fadado a destruição se estes seres abjetos não forem removidos do governo. Lembremo-nos que o nazismo foi responsável por uma guerra sangrenta com a morte de milhões e a divisão da Alemanha por 35 anos.

    1. Essa frase do Mourão só corrobora a desconfiança de que só estão esperando a oportunidade para deflagrar o fechamento do regime e talvez eles mesmos infiltrem baderneiros nas manifestações. É necessário identificar e expulsar de imediato quem parta para violência.

  6. Deixem os canalhas aí, a coisa tá preta e ficará pior, um país a beira da calamidade cujas opções são Bolsonaro ou Gal. Mourão não tem solução. Deixem os canalhas aí. O povo precisa sofrer um pouco para aprender, aí teremos a solução final e o vou para a liberdade e para a prosperidade. Sem anistia, é claro.

  7. Esses militares que apoiam o governo estão tão desesperados por perceberem que perderam o apoio do povo e que atualmente só permanecem ao lado deles os que são cínicos e hipócritas iguais a eles, que estão metendo os pés pelas mãos. Seus tiros estão saindo pela culatra. Quanto mais eles tentam enquadrar como baderneiros ou terroristas os que são contra esse governo, mais eles desconstroem as falácias que colocam direitistas como pessoas responsáveis, éticas e trabalhadoras e esquerdistas como baderneiros irresponsáveis, amorais e vagabundos.
    Os militares vão se ferrar, pois além de quebrar o preconceito contra a esquerda, esses militares que integram o governo estão expondo a a incompetência, a burrice, a falta de patriotismo e a podridão das forças armadas brasileiras

    1. Concordo. Se não dá para impedir, pelo menos tem que limitar a porcentagem de militares no poder, para impedir que armem golpes com o apoio das Forças Armadas.

  8. Vejo com muita nitidez um grupo umbilicalmente ligado ao extremismo internacional: a alta cúpula do executivo brasileiro. A família e seus assessores diretos e indiretos.

  9. Uma discussão requentada pegou fogo ontem na live do Bar do Pedro. Estava em questão se, em 2013, o movimento Passe Livre foi desde seu início uma tremenda armação da direita, ou se a direita apenas se apropriou de maneira oportunista de um movimento que surgiu inocentemente em São Paulo. A coisa ficou mais ou menos empate, mas os que defendiam a primeira hipótese eram mais incisivos.

    E daí a discussão evoluiu para estas manifestações de torcida organizada, que, segundo alguns, colocam o mesmo dilema daquela discussão. Foi coisa espontânea? Ou coisa detonada por algum demônio direitista?

    Os extremistas de direita no poder fizeram de tudo para que surgissem no país as manifestações populares que, para desespero deles, não surgiam. Elas estavam nos seus planos desde o início de seu projeto. De unhas, dentes, blindados e símbolos fascistas eles esperaram inutilmente por uma reação popular. As “badernas” que desmoralizam todos os oposicionistas, que eles podem dizer que é “coisa internacional” e “apoiada pela esquerda”, finalmente chegaram, para alegria do General Mourão. Só que ainda são tão pequenas, que não justificam tanques na rua.

  10. Já escrevi que o Mourão é igualzinho o presidente miliciano nazifascista. A diferença é que vai te enfiar uma faca sorrindo!

  11. A única solução é a cassação da chapa pelo uso de Caixa 2 em disparos ilegais de fakenews e calúnias antes dos dois turnos pelo Whatsapp, ao preço de 12 milhões cada uma das inúmeras baterias, tudo patrocinado por grupos de empresários à chapa Bolsamoura.
    É a melhor maneira de mandar os dois neonazistas apedeutas para o limbo.
    Mourão serviu bastante para expor a ignorância eterna e endêmica que acomete o nosso exército Brancaleone,onde o chefe máximo é o Sargento Messias Bundasuja, atual presidente pelo partido EDC (Emissário do Capeta).

  12. Há três semanas, mais ou menos, Janio de Freitas, na folha, já tinha dito que mourão era a causa principal da permanência de bolsonaro. Isto é: derrubar bolsonaro teria a contrapartida de entronizar mourão, no mínimo igual e, talvez, pior, que bolsonaro. Pra ver o que mourão é: igual ou pior que o demente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.