Nada substitui a vergonha na cara

Vejo muita gente boa reclamando da ausência do PT, PCdoB e PSOL na posse de Jair Bolsonaro.

Alguns, até, contraditoriamente, sugerem que se deveria ir com cartazes de protesto.

Francamente, isso seria portar-se da mesma forma que estes chatíssimos trolls fazem nos blogs de esquerda, fazendo provocação e facilitando conflitos, desejados ou não.

Aliás, pelo exagero até com mísseis colocados em volta da Esplanada, parece que tudo o que desejam é que confusões façam com que se acredite em tramas terroristas contra o “Mito”.

Dia 1° a festa é deles, da extrema-direita, da intolerância, do ódio.

Ou devemos ir celebrar a chegada ao poder de quem, não tem três meses, prometeu “fuzilar a petralhada” e a nós outros, de esquerda, mandar para a cadeia, a “ponta da praia” – apelido do lugar opositores da ditadura militar eram executados, na Restinga de Marambaia – ou para o exílio?

Esqueçam-se, porém, as ofensas pessoais.

Merece aplausos e celebrações que promete arrebentar com os direitos trabalhistas, franquear o acesso a armas, oprimir os professores, desmantelar o Estado?

Democracia é respeitar o resultado eleitoral – coisa que, aliás, o PSDB não fez, quatro anos atrás, sem merecer tais críticas – e não, como dizia minha avó, ir “mostrar as canjicas” para o adversário que, desde sempre, fez questão de mostrar que nos era inimigo mortal.

Além do mais, a obrigação de engolir sapos e até brejos inteiros é de quem ocupa cargos executivos, nos quais se tem o dever de representação de todos e não de parte. Os cargos legislativos, os mandatos parlamentares, os partidos (como o nome indica) são de parte e não da totalidade.

Não estamos num situação de normalidade democrática. O favorito às eleições foi arrancado delas e mantido preso com uma condenação judicial escandalosamente dirigida e, com mais escândalo, mantido mudo, tanto que até uma mera entrevista jornalística, apesar de autorizada judicialmente, é-lhe negada há meses.

Na política, quando se perde a vergonha na cara, o relativismo passa a servir para a indignidade.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

33 respostas

  1. Essa “piscina” (festa) tá cheia de ratos !
    “Transformaram o Brasil inteiro num PUTEIRO, pois assim se ganha mais dinheiro.”
    Cazuza profético !

  2. Perfeito. Uma coisa é ser tratado com deve ser numa democracia como adversário e outra coisa como os facistas tratam quem perdeu como inimigos a abater. Portanto, o caminho certo é não comparecer em tal posse até para evitar confronto com quem busca pretexto para endurecer.

  3. A MÍDIA VAGABUNDA SE ESQUECE QUE PSDB NÃO FOI A POSSE DE DILMA E QUER O PT PRESTIGIANDO UM FILHO DA PUTA QUE QUER NOS MATAR?

    1. Como diz aquele velho ditado político:cerimonia de posse é tal e qual cerimonia de casamento. No caso brasileiro, casamento do presidente eleito com a extrema direita.Em qualquer casamento, os noivos convidam os parentes e amigos. A esquerda não é parente nem amigo dos noivos, por que então deveria ir à cerimônia???? Feriado cada um curte do jeito que quiser………

  4. Infelizmente a esquerda tem agora a ALA MIMIMI. Se formos pesquisar, essa turma e a mesma que achou progressistas as manifestações de 2013 e até elogiou a Lava Jato, pela luta contra a corrupção.

  5. Os partidos contrários às ideias desse a nominável tem mais é que não ir mesmo. Dar ibope a eles par quê?
    Eu não quero ver nem videos a respeito. Essa turma não me representa.

    1. O desagregador Ghiraldelli se comporta como uma espécie de olavo de carvalho de “esquerda”. Como filósofo de gabinete “viaja” no abstracionismo e no relativismo afastando-se da realidade objetiva. Militância não é só história, assim como arrendondar erros históricos para forçar uma perspectiva de conjuntura, significa não entender nem de conjuntura como da própria história. E o que tá colocado em relação a posse do boçal ignaro é algo muito mais simples do que supõe o alienado filósofo. O que tá colocado é a questão do discurso. Da formação dos significados e seus significantes. Comparecer a posse é simplesmente capitular ao discurso de que há uma preservação institucional e que vivemos num estado democrático de direito. É se submeter a cerimoniais (como aconteceu em Minas Gerais) que estabelecem como “normal” o cerceamento da palavra da oposição e a “liberdade” de baixaria, agressões e insultos por parte dos golpistas de sempre. Tudo “institucionalmente” garantido pelo judiciário e pelo congresso. Ainda que ao arrepio da Constituição. O PT erra, sim, senhor Ghiraldelli. Mas não em boicotar o circo do bozo. Mas no fato de que no mesmo documento em que chama à resistência, “reconhece” a “legitimidade” do pleito eleitoral. Não foi um pleito legítimo. Foi um pleito realizado sob um regime de exceção. No mais rasteiro estilo Jucá: “tudo combinado, com o supremo… com tudo…”

  6. Sim, irrita ver esse falso moralismo, querendo que o PT faça um “mea culpa” por ter perdido a eleição, não questionando que não foi uma eleição normal, mas um guerra midiática-cibernética, manipulada pois qualquer opção era válida para que o PT não voltasse ao poder. Qualquer que reclame, peça que inverta o sinal de todas as falcatruas atribuídas ao lado vencedor e, olhos nos olhos, diga se uma vitória de Haddad aguentaria sequer um décimo de suspeita do que apareceu como claro e explícito para lado vencedor.
    Infelizmente, existe uma exigência de coerência para com a esquerda que não é retribuída em parte nenhuma, quer até de pessoas que deveriam ser aliadas. É mais fácil culpar que aceitar que todos que se calaram, todos querendo que o PT saísse mais fraco da eleição para ficar com o espolio, e acabaram ajudaram esse estado das coisas. Cadê a autocrítica desses, tão fácil para com os outros? Aceitariam ficar presos por uma causa, mesmo sabendo que não há chances remotas de sair de uma prisão injusta e absurda? Se não, calem-se.

    1. Por esse mesmo motivo sinto falta do grande Paulo Nogueira, fundador do Diário do Centro do Mundo (DCM), que nos deixou há pouco mais de um ano. Aquele que sonhava com uma sociedade escandinava tropical.

  7. Não tem que ir mesmo, vai privilegiar festa destes boçais acéfalos, NÃO!!! O terreno esta divido e quero mais é estes fascistas se danem.

  8. Quanto mais criticam a nossa recusa em comparecer a posse de um ditador mais eu tenho certeza de que acertamos na nossa decisão de nao ir. Não podemos prestigiar um governo ilegítimo, e sobretudo, ditatorial de jeito nenhum. Digo ilegítimo porque o candidato que era favorito está preso e foi vítima de um processo judicial escandaloso conduzido pelo futuro ministro de bolsonaro. E todo mundo faz cara de paisagem como se não tivesse nada a ver. Ora, isso é processo democrático? Isso é respeitar a vontade do nosso povo? A ex-presidenta Dilma foi apeada do poder injustamente. A campanha eleitoral do dito cujo foi feita em cima de fake news. Nem a debates o infeliz compareceu para não ter que mostrar sua inferioridade ao povo diante do adversário. Nesse caso, nem fake news iam dar conta do recado. É um desrespeito ao povo brasileiro esse homem não ter comparecido a nenhum debate. Como se não bastasse houve um esquema gravíssimo nas eleiçoes para esse homem e sua bancada serem eleitos. Por causa desse esquema excrescências como Alexandre Frota foram eleitos. Não vamos lá bater palmas para bolsonaro sabendo quem ele é e o que fez para se eleger de jeito nenhum. Esse é o caso de ser politicamente incorreto sim, Cristovam Buarque. O senhor foi um dos prejudicados. E se não sabe disso é sinal que não possue informacoes privilegiadas. Aliás, a imprensa que nos critica é outra que está muito mal de jornalistas investigativos. Na verdade, cada palma nossa é uma autorização para um ditador disseminar o odio e a intolerância no nosso país, perseguir as minorias e os desfavorecidos, entregar nossas riquezas para os EUA , aumentar a violência, e transformar nosso país num pária internacional. Qualquer pessoa de bem e que é ao mesmo tempo inteligente e intuitiva nesse país sabe o retrocesso que representa a eleição de Jair Bolsonaro para a democracia no Brasil. Essas eleições não foram comuns e nossa reação também não pode ser. Nao somos obrigados a compactuar com isso. Não esperem que soltemos foguetes para comemorar a desgraça que vai cair sobre o nosso povo até que Jair seja desmascarado. Sim. Porque já no primeiro dia de mandato ele pretende liberar as armas. Daí, quando ele for desmascarado a sociedade já estará armada e nao poderemos fazer mais nada. Deve ser por isso que ele está com tanta pressa. Os demônios que habitam o corpo de algumas pessoas não perdem tempo. Enfim, aos críticos eu digo: Falem e critiquem a vontade. Nós não vamos e pronto. Acabou.

  9. Ciro Gomes foi colocado dentro da “esquerda” estrategicamente! Serão tempos muito difíceis! Não tem como dialogar com quem apoia Bolsonaro! Temos que esperar por suas lambanças! Será o pior governo da História do Brasil!

  10. Complementando o comentario anterior, faço minhas as palavras do presidente do PSOL na entrevista concedida para o Brasil 247 – “Psol sobre boicote a posse: não podemos fingir que está tudo normal”.

  11. A única posse é a do Lula: nosso verdadeiro e ETERNO Presidente. 2019 será ainda o ano Lula, este q guarda nossas almas e não pensa em arrego. Avançaremos com certeza, enquanto o lacaio do tio Trump se perderá cada vez mais em seus twitters. SALVE LULA, AGORA E SEMPRE ????????????

  12. Calma pessoal, neste 1º de janeiro de 2019, a maioria não estará representada em Brasília. É bom já ir se acostumando,…quanto mesmo, votaram em Bolsonaro ?

  13. Não tem que ir não!!! O lixo diz que via metralhar a petezada, achincalha toda a esquerda o tempo todo, vive tripudiando em cima de quem não pode se manifestar, parce um cachorro louco em cima de quem ele considera inimigo. Vai lá fazer o quê? Vai que ele cumpre a promessa de matralhar todo mundo…

  14. O PT sofreu a trampa do impeachment e todos, PT e os tb outros dois foram vítimas do ‘miciá’ e seus bluecaps empresarios na trampa das eleições nas redes sociais em 2018. Ir seria chancelar e não foi uma eleição nem minimamente normal. Porém não ir não muda nada na essência e é mero pro-forma para sair na imprensa, um gesto político de alcance limitado (e a imprensa ainda os porá diante dos seus leitores como mal-educados e não democráticos).

  15. Ir à posse com cartazes de protesto… Tão bobinhos… Aliás, é uma ideia tão boa para a supradireita que é capaz dela infiltrar alguns dos seus na multidão com “cartazes de protestos”.

  16. O general Mourão diz que o Brasil é um cavalo que poderia saltar um metro e oitenta e só salta setenta centímetros, porque está amarrado com obrigações trabalhistas, com políticas de inclusão social, com normas de defesa ambiental, com diretrizes sanitárias e com leis de defesa da soberania. O general desconhece que, mesmo amarrado a tais regras, o cavalo do Brasil avança com a mesma força com que pularia para alegrar a elite em seu lazer de luxo. e nos faz a todos nós avançarmos com ele.

    De que nos adiantará a nós, brasileiros, um cavalo que salte um metro e oitenta, mas que não mais nos pertencerá? Não mais nos transportará, nem nos defenderá, nem acione nossos moinhos, nem are nossas terras, nem alegre nossos olhos? Será apenas um cavalo a serviço de nossa servidão aos estrangeiros e à nossa elite dita “do atraso e da rapina”.

  17. Prezado Fernando Brito, essas “eleições” foram uma fraude total. A fraude começou com o impedimento de Lula (líder nas pesquisas) de concorrer. Mas não terminou por aí: duvido seriamente que os fluminenses tenham eleito o tal do Pretzel para governador, um desconhecido. Também duvido seriamente que Requião, Dilma e Suplicy tenham perdido as eleições para o senado. Então, não respeito essa fraude e não reconheço o capitão Bozo como presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *