Não é nocaute, Fernando, porque a gente não vai se entregar

Nestes tempos em que se lê tanto sobre as picaretagens da turma da fake news prosperando à custa de fanatismo e de “enganos” que despejaram publicidade das empresas estatais – que, aliás, odeiam – doeu muito ver a despedida do blogue Nocaute, do Fernando Morais, uma figura referencial no jornalismo e na literatura biográfica de nosso país.

Eu era ainda um estudante secundarista, há 45 anos quando ele, em 1975, lançou seu consagradíssimo A Ilha, que teve dezenas de edições, levantando as cortinas que baixaram ante nossos olhos para que não víssemos que havia Cuba, o pequeno milagre que Fidel e seus companheiros tiraram de um imenso atraso, mesmo debaixo de embargos, ameaças e discriminações, e conduziram aos níveis de educação e saúde que nós, neste imenso gigante, não conseguimos nem sonhar à época.

Vinte anos depois, o deslumbramento da leitura – repetida e repetida – de Chatô, o Rei do Brasil, uma lição embriagante das duas coisas que mais amo – jornalismo e a história de meu país – foi outro presente que recebi de meu xará.

Senti-me mal, de verdade, ao ver Fernando Morais tendo de baixar os punhos – afinal, também os usamos para escrever, não é? – de seu Nocaute, fonte diária de informação, coerência e entrevistas. Tive vergonha de estar conseguindo sobreviver e assistir um companheiro de muito mais valor tropeçar nas dificuldades que, amanhã, talvez me obriguem ao mesmo.

Mas, para nós dois, não sem luta, não sem resistência.

Abro os braços e o modesto espaço que aqui tenho para Fernando Morais, se e quando ele quiser usar estes nosso pequeno ringues para o combate. Porque dele a gente não foge e nele a gente não entrega senão a alma, o coração e a vida.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. Lamento pelo Nocaute, blogue que apoiei muito modestamente. Se um Fernando Moraes não dá conta, que se dirá dos nossos milhões de uberizados? Eta país desgovernado

  2. chapa branca do PT juridico (o cancro da exquerda) demais. Sufocar a Verdade para um grande escritor como ele, impensável… não pode dar bom resultado.

    1. “chapa branca do PT jurídico”, “a Verdade”…..uau! Tragam-me o Jim Jones da loucosfera e sua Família Arco-Íris do Evangelho Pleno, nosso líder de play station do cacofo alpino da cidade do Duque de Zähringen. Realmente para a loucura e o nau caratismo lavajatista-bolsonarista-tucana só mesmo a loucura full spectrum hybrid ciberwarfare da rebinbela da parafuseta for dummies! Ambos se equivalem em loucura e pretensão. É apenas como o primo rico bem sucedido e o primo pobre ávido, todos bem “classe” “media” brasileira:

      É sempre prudente seguir as trilhas daquele intrépido viajante:
      “Os costumes daquele longínquo país são assim interessantes e dignos de acurado estudo. Eles têm uma curiosa mistura de ingenuidade infantil e idiotice senil. Certas vezes, como que merecem invectivas de profeta judaico; mas, quase sempre, o riso bonanchão de Rabelais.
      O que ficou dito sobre as suas duas nobrezas, penso eu, justifica esse juízo. E para elas ainda é bom não esquecer que devemos julgá-las como aconselha Anatole France; com ironia e piedade.”

      1. Um dia, nesse cafofo alpino, eu disse que um texto assinado pelo Jim Jones não havia sido escrito por ele (detecto facilmente isso por causa da experiência com meu trabalho). Os seguidores me xingaram, o que não mudou o fato do texto não ter sido escrito pelo Jim. Aí uma seguidora resolveu me perseguir e me achou aqui no Tijolaço. Ela pediu para eu abrir meu Disqus, rs. E foi se pavonear para o guru dizendo que tinha descoberto que eu tinha dois perfis – a tonta me confundiu com outra pessoa que comenta aqui e achou que era também eu, sendo que não tenho mais que um perfil kkk. Ela lê o Tijolaço, quem sabe daqui a pouco venha dizer algum impropério acerca dessa história, rsrs.

  3. É o admirável mundo da guerra híbrida que enriquece oportunistas amorais e serviçais dos interesses imperiais e despreza o conhecimento e a história de quem tem valor. Por enquanto, a guerra híbrida está ganhando aqui e em outros países da região e do mundo.

  4. Nos gloriosos tempos da bonança lulista, lá por 2006, 2007, como todo dia um colega se despediu dizendo-me “a luta continua”. Naquele dia parei e fiquei pensando, ‘caramba, que luta? Finalmente nosso salário é justo em relação ao risco e importância do que fazemos, não estou sendo ameacado, achacado, explorado, eu quase posso dizer ao meu chefe o que fazer, greves deixaram de ser lutas de vida ou morte para se tornarem questão de frações de percentagens… não precisamos mais lutar’. Quanta ingenuidade, arrogância, comodismo me levaram a tão grande erro! A luta SEMPRE CONTINUA, mesmo que não estejamos vendo o inimigo. É justamente nos momentos de tranquilidade que devemos lutar – ensinando quem nunca lutou que direitos não caíram do céu, lembrando que o inimigo está sempre planejando e rastejando nas sombras, aguardando um momento de guarda baixa para nos destruir. Hoje sei o quanto erramos. Que Deus abençoe nossos blogueiros, e que Fernando Morais volte assim que esse sabatico recuperar as forcas do velho guerreiro. A LUTA SEMPRE CONTINUA!

    1. Eu me lembro do momento em que pensei a mesma coisa. Onde eu tinha chácara, numa pequena cidade de roça da Mantiqueira, via as pessoas reformando ou erguendo casas, comprando a primeira moto ou carro, abrindo pequenos comércios. E o ambiente social em geral parecia mais leve, as pessoas produzindo, trabalhando e conquistando alguma dignidade. Parecia que depois da luta de décadas, podia pela primeira vez viver sem tanta preocupação. Relaxamos e deu no que deu. Minha geração nem instituiu, como em outros países, o Dia do Não Esquecimento, então há jovens que acham que a ditadura não existiu, a tortura é invenção e o país cresceu na ditadura, então ela foi uma coisa boa.

      1. Interessante essa ideia de um Dia do Não Esquecimento. Nossa mídia não faz outra coisa que não seja esconder os crimes e os criminosos dos quais foram cúmplices nos últimos 70 anos. Taí algo para se propor aos congressistas do Congresso.

  5. Toda mídia progressista é muito importante, é como uma mina d’água em uma terra seca e árida, são uma fonte vital de informação de grande qualidade que nos salva deste mundo tão poluído de todas as formas de desinformação e fake news!

    O Nocaute é grande e vai voltar, só deu uma pausa para pegar fôlego! Eu acredito nisso!

  6. É o admirável mundo da guerra híbrida que enriquece oportunistas amorais e serviçais dos interesses imperiais e despreza o conhecimento e a história de quem tem valor. Por enquanto, a guerra híbrida está ganhando aqui e em outros países da região e do mundo.

  7. Querelas do Brasil:

    ? “…O Brazil não merece o Brasil
    …O Brazil ta matando o Brasil…
    …Do Brasil, SoS ao Brasil…”
    ?

  8. Por qual razão os blogueiros progressistas não constituem uma sociedade para produzir uma revista eletrônica? Acompanho alguns todos os dias e fico com a impressão que estão todos repetindo as mesmas coisas. Gostaria muito de contribuir mas fico com a impressão que se faço para um, sonego para os outros. Gostaria muito de ter algo muito maior para apoiar.

    Os blogueiros poderiam ser os acionistas majoritários. Milhares de leitores poderíamos muito bem comprar ações minoritárias, além de assinantes.

  9. Fernando Morais e Fernando Brito, que dupla!!!
    Muito, mas muito puto mesmo, pelo término do Nocaute, mas aguardando, quem sabe, um “Tijocaute”, ou um “Nocautaço” no futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *