Ninguém acredita na vida real

“Eu te dou a vice”; “Fulano ganha 20 segundos no horário eleitoral”; “Libera o 38, pelo menos”; “Não conheço do habeas corpus por falta de legitimidade do impetrante”.

Tudo isso que você lê no noticiário político – pouco mais, pouco menos com estas palavras – é  apenas a “casca da ferida” deste país machucado.

O mundo real, fora deste universo paralelo onde vive a elite política (que inclui a das corporações de Estado e as empresariais) está batendo à porta, cada vez mais furiosamente e eles teimam em não ouvir.

Nem o Caged, registro do Ministério do Trabalho que contabiliza as vagas formais de emprego em empresas estruturadas, conseguiu mais sustentar o engano dos números positivos.

O desemprego volta a crescer, agora sobre um patamar já imenso.

O Serasa, longe de ser uma instituição “lulopetista”, aponta um recorde de inadimplência: 62 milhões, quase, ou seja: 40,3% da população adulta está inadimplente.

O IPCA-15, divulgado esta semana pelo IBGE, foi o maior em 14 anos e isso sendo medido sobre uma elevação imensa, a de junho, provocada pela paralisação dos transportes. preços coletados depois da normalização, na média, subiram, mesmo com a retração naqueles absurdos 10 reais pela batata ou pelo tomate.

Não é preciso indicador nenhum para ver a pobreza crescendo pelas calçadas, ao menos aqui no Rio e nos bairros de classe média, onde ainda se pode colher os magros frutos da “caridade” que sobraram.

Daí que sobre essa realidade, o latifúndio de Geraldo Alckmin no horário gratuito tem um significado e este significado tem um preço.

Torna-o o candidato explícito do status quo por representar, nas palavras de comentarista política Maria Cristina Fernandes, “uma candidatura que reúne quase toda a Esplanada dos Ministérios, em um governo que tem 94% de rejeição.

“Dize-me com quem andas e te direi quem és”, percebe a sabedoria popular.

A menos, claro, que fosse um personagem com significação própria, o que Alckmin está longe de ser.

É por isso que o seu inegável triunfo da disputa pelo tempo de televisão tem de ser relativizado.

Em primeiro lugar, porque não foi exclusivamente dele, mas tem indisfarçável “dedo de Temer” no “convencimento” do Centrão.

Em segundo lugar, por isso mesmo, o identifica com o “tudo o que está aí”.

Ninguém acredita na vida real, cantou Caetano veloso, mas ela existe.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. É este o candidato que o stf quer eleger cassando o voto de 60 milhões de brasileiros que conhecem bem esta conversa fiada. É este o candidato que o stf na base do seu combalido e desmoralizado 6×5 quer eleger tomando o direito e o lugar de 60 milhões de brasileiros.
    Que desgraça! Além da desgraça que já causou. Além de pemitir/concordar com a ilegal e infame prisão do enorme LULA. Agora toma o voto de 60 milhões de brasileiros.
    Que desgraça!

    1. Eu tenho lido os seus 60 milhões de brasileiros. Isto é uma possibilidade, não fato. Eu tenho para mim que em circunstâncias normais o Lula se elegeria.Mas não estamos em situação normal. Creio que o Moro e outros receberam para impedi-lo e tem de entregar a encomenda. É como funciona este tipo de negócio.

  2. Alckmin não poderá se livrar dos tentáculos do Centrão. Da fama então nem se fala. E mais: se tempo de televisão resolvesse o problema de candidato ruim, Lula não teria ganho 4 eleições contra a Globo.

    1. Quando um notório corrupto abrir a boca e disser: “Vote em mim e no Alckmin!”, o mundo desabará. Calcula-se por baixo que o Centrão deverá perder três quartos de sua última votação, embora a mídia tente esconder a ladroagem e a traição que se escondem por trás dele.

    1. 13, 13, 1300 e por aí. Ou seja 13 de cabo a rabo . E vou trabalhar e muito, voluntariamente na campanha. Aliás por aqui já começamos.

      1. Precisamos focar muito no Congresso. Eleger deputados e senadores comprometidos com o povo. Vamos denunciar os candidatos do mercado e os empurrados por igrejas.

  3. só mesmo esse picolé de chuchu pra ter coragem ou de explicitar o que defende ou mentir descaradamente pro povo

  4. Sao novos tempos esses lunaticos ainda vivem no passado, sonhando que a desinformação da midia aliada vai salva-los, so que a burguesia vai morrer abraçada com a televisao. Povo nao vai eleger tucano e pmdb nenhum, os malas incompetentes das malas de dinheiro vão ser varridos do mapa. Nem o judiciario podre brasileiro conseguiu trazer votos pra esses neocoloniais quebradores de paises.

    1. Verdade, ao menos em parte, pois a grande maioria da população está contaminada pelo preconceito disseminado por veículos como Globo e cia, além da dificuldade de entender a complexidade do problema. A história só confirma que a elite paulista continua manipulando para manter o país onde sempre esteve.

  5. Nenhum lavajateiro , nenhum messias togado, nenhum ultramoralista da Midia
    está acusando, mencionando ou fazendo sequer uma alusão negativa ao corruptissimo CENTRAO , porque agora joga a favor deles…
    Nenhum fanatico anti politica… como vimos todo o dia na TVpor anos a fio, esta dizendo que a corja do centrão é a GARANTIA de que a corrupção prosseguirá tranquila.
    Esta é outra prova de que o affair ”
    Rrepublica de Curitiba é desde o começo uma f.r.a.u.d.e !!!!!

    1. Tarde demais. Basta perguntar: “Respondam, crianças, quais são os partidos que apoiam o Temer? E agora me digam, crianças, quais são os partidos que apoiam o Alckmin?” Ora, o povo sabe quem é o centrão. Ele traiu o povo. Quando o centrão ficou contra o Lula e a Dilma, acabou-se aos olhos do povo. Estar a favor do Lula ainda os revestia de uma certa preocupação com os mais pobres. E se mídia e os lavateiros estão ao lado do centrão, pior para eles. O centrão que engana o povo, não tem mais sequer dentadura para distribuir, e nem tem mais a dignidade de pelo menos apoiar quem o povo venera. Está perdido e sem voto. Vai procurar sobreviver botando os filhotes para darem cara nova à enrolação e à traição. Antigamente, o centrão gostava do Brasil. Hoje, só gosta de Miami. Vai morrer.

  6. Nao votem mais em paulista para a presidência.
    Motivos? Muitos e sérios.
    Mas o mais simples, irrefutavel e pedagógico deles é a historia prova que que ja cumprimos (nós paulistas) a cota e portanto chega.

    1. É verdade que o Alckmin e o Temer são políticos paulistas conservadores e seus estilos são semelhantes. Este é mais um ponto importante a unir os dois. Os dois são um só Jano como o da ilustração do post. Mas se a figura mitológica de Jano tinha duas caras, tinha também um único espírito. A diferença é que Jano era do bem. Era o deus das portas de entrada e saída, então, com este Jano meio Temer meio Alckmin estariam abertas as portas para o PSDB completar sua obra de destruição do país. Por outro lado, até mesmo o meio empresarial paulista, que já teve a dignidade de um Antonio Ermírio, não pode mais se apresentar como sinceramente preocupado com os problemas nacionais. Nem seus próprios interesses tem mais capacidade de enxergar, abre o bico e só sai o grasnar de um pato.

  7. Brito, eu sei que você é da escola do Brizola. Em 1989, o Brizola tinha seus questionamentos ao Lula, mas o apoiou.Será que a esquerda vai permitir que a direita ou a extrema direita tomem o poder pelo voto? Está sendo feita uma aposta muito perigosa. A minha impressão é que vamos perder esta aposta !!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.